15 de nov de 2007

Impostor

Hoje, chamaram-me de "o senhor perfeição!". Algo em mim doeu ao ouvir isso! Estou acostumado a ser tido como "esquisito". A ouvir que sou "careta", "quadrado", "sem graça" ou até "chato". Já se referiram a mim como "demônio" - particularmente não fiquei tão abalado porque nem Jesus escapou de tal insígnia. Mas, confesso que "senhor perfeição", "certinho", "santinho", me causam um certo desconforto. Principalmente quando ouço de uma pessoa íntima.
Como cristão me esforço ao máximo - ou talvez não - para seguir os passos do Mestre. Mas, não procuro fazê-lo de forma religiosa, hipócrita ou litúrgica justamente para evitar ser mais semelhante ao um "fariseu" que de Jesus. Mas, algo me escapa nessa tentativa. Recordo-me do livro de Brennan Manning que li, chamado O impostor que vive em mim. Quem é o impostor? Sou eu! Meu ego não remido e impossível de remissão. Minha carne! O resquício que prova que ainda não estou pronto e aperfeiçoado no amor. O impostor sou eu quando recuso a graça. Sou eu quando uso de artifícios externos e superficiais para esconder todo o lixo que realmente sou. É uma faceta minha totalmente calculista, fria e inteligente que se atém a contornar situações que possam me revelar. Com certeza, quando escondo meus defeitos é o impostor que está nos bastidores sussurrando ao meu ouvido cada atitude que preserve minha fachada. É o impostor que articula cada frase de efeito, cada gesto pueril, cada reação esboçada que mantenha distante qualquer sombra de quem realmente sou. Quando entregamos nosso ser a Cristo, o impostor é o primeiro prejudicado. Ele vê diante de si toda seu trabalho ameaçado de ser desfeito e desmascarado diante de todos. É quem mais se inquieta à cada atitude de sinceridade, de humildade, mansidão e vulnerabilidade aos outros. Vê toda sua arte desfacelando-se diante de seus olhos e com certeza fará tudo para o evitar. O impostor sabe que se estiver diante de Cristo, estará cego, pobre e nu. E que nenhuma sagacidade o poderá camuflar diante daquele que sonda quem somos.

Talvez, seja isso que me incomode quando ouço que sou "o certinho". Deus sabe que não sou! Ah, se realmente soubessem quem eu sou. Ah, se não me bastasse a graça! Mais que me chamarem de "esquisito", "estranho" e "demônio", é "senhor perfeição" que me remete ao fracasso que sou! Não acho que se encaixe em mim tal alusão! Não quero que as pessoas vejam em mim alguém arrogante em seus princípios puritanos. Não quero que se escondam de mim quando me aproximar. Quero ser como meu Mestre, atraente e agradável. Quero lutar contra o pecado, sim! Mas, não quero fingir que não peco! Ah, se a pessoa que me chamou de "senhor perfeição" soubesse pelo menos o que se passa em minha mente no meu momento mais podre! Acho que jamais tornaria a me chamar assim!

Quero ser manso e humilde como meu Mestre, não o "perfeitinho" como Caifás. Quero atrair as prostitutas, os homossexuais, os drogados, os ladrões, os leprosos, os pobres e até mesmo aquele pior tipo de pessoa que existe. Aquela que se parece comigo...

O poema escrito por meu primo Daniel Babugem, intitulado Impostor que sou, me será oportuno:

Tão perturbador é o impostor que sou...

Meus próximos nem eu

Conhecemos seus fracassos e mentiras...

Viventes na calidez do meu interior...

Não digo a verdade de quem eu sou...

A minha imagem os convenceu de que sou bom...

Mas, não convenceu a mim e nem a Deus...

Meu ego explora verdades para me enganar

Não sou mal ao ponto do desprezo

Nem bom o bastante a ser capaz de amar

Mas na calidez interior que sonha

A Sua parte em mim...

Conhece meus fracassos e mentiras

Você pode ver a minha alma sem máscaras

Você sabe quem eu sou...

3 comentários:

  1. Paremos de tentar ser. Já somos! Paremos de nos vigiar e cobrar com pressupostos de exortação mútua, que não passa do reprimir a liberdade alheia - se eu não posso ninguém pode e quem faz deve ser castigado. O mundo vai ver Cristo em nós quando ver nossa confiança no amor do Pai, como o filho pródigo que torna à casa. Porque o que hoje ele vê na maioria de nós é a inveja do filho mais velho perante o deleite do mais novo na graça do Pai!

    ResponderExcluir
  2. Muuuuito legal seu blog, Thiago. :)

    Acabei de adicioná-lo na lista de links do meu.

    Big abraço e ótimo fds.

    ResponderExcluir
  3. Minha história de vida . Muito bom , está de parabéns .

    ResponderExcluir

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs