10 de nov de 2007

Perguntas desconcertantes a respeito de Jesus


Será que vocês ainda não conseguem entender?

Mateus 15:16

Suponha que Jesus de Nazaré estivesse certo – mais certo, e certo sob diferentes aspectos, do que jamais pudemos imaginar. Suponha que Jesus tivesse uma mensagem que verdadeiramente pudesse transformar o mundo, porém que estivemos inclinados a perder o fio da meada.

E se por acaso tivermos desenvolvido uma religião que faz declarações reverentes e honrosas a Jesus, mas que não ensina o que Jesus ensinou do modo como ele ensinou? E se por acaso a religião geralmente associada a Jesus não nutre a expectativa tampouco prepara seu adeptos para que de fato vivam à maneira de Jesus?

E se a mensagem central de Jesus tiver, sem qualquer intenção, sido mal compreendida ou ainda intencionalmente distorcida? E se por acaso muitas pessoas tiverem valorizado alguns aspectos da mensagem de Jesus, enquanto perderam ou mesmo suprimiram outras dimensões muito mais importantes? E se muitos tiverem dado continuidade a uma religião que celebra fielmente Jesus nos rituais e nas artes, ensina sobre Jesus nos sermões e através de livros, entoa sobre Jesus canções e hinos, teoriza sobre Jesus em seminários e salas de aula, mas que, em algum ponto ao longo do caminho, tenha perdido tesouros ricos e radicais que estavam escondidos e que são parte essencial da mensagem de Jesus?

E se um número elevado demais de líderes religiosos de nosso tempo – dentre os quais eu devo ser contado – estiverem entre os últimos a terem acesso à mensagem de Jesus e entre os primeiros a reduzir, a se opor, a distorcer, ou a suprimir esta mensagem, da mesma maneira como foi feito nos tempos de Jesus?

E se Jesus de fato tivesse ocultado sua mensagem mais profunda, tentando fazer com que não fosse pública e óbvia, porém intencionalmente escondendo-a como a um tesouro que precisamos buscar de modo a encontrá-lo? Se for este o caso, por que haveria Jesus de fazer tal coisa? Como iríamos encontrar sua mensagem se de fato a tivesse escondido?

E se a mensagem secreta de Jesus revelar um plano secreto? E se ele não veio para dar início a uma nova religião – antes, porém, para iniciar uma revolução política, social, religiosa, artística, econômica, intelectual, e espiritual, que daria origem a um novo mundo?

E se a sua mensagem secreta tivesse implicações práticas, com respeito aos temas acima, concernentes a como se viver a vida no dia-a-dia, a como se ganhar e se gastar dinheiro, a como se tratar pessoas de outras etnias e de outras religiões e a como as nações do mundo conduzem suas políticas externas? E se sua mensagem tratasse direta ou indiretamente de assuntos tais como publicidade, política de meio ambiente, terrorismo, economia, sexualidade, casamento, paternidade e maternidade, a busca por felicidade e pela paz e a reconciliação racial?

Será que iríamos desejar conhecer que mensagem é esta? E qual seria o tamanho desta vontade? Será que estaríamos dispostos a olhar com intensidade, a refletir com profundidade, e a buscar com perseverança de modo a desvendá-la? Estaríamos dispostos a reconsiderar nossas suposições e conjecturas?

E se a mensagem de Jesus representasse boas novas – não apenas para cristãos mas também para judeus, budistas, muçulmanos, hindus, devotos da Nova Era, agnósticos e ateus? E se a mensagem de Jesus também contivesse advertências para judeus, budistas, muçulmanos, hindus, devotos da Nova Era, agnósticos, ateus e também para cristãos? Que diferença poderia fazer na vida dos indivíduos, em suas famílias, de seus vizinhos e nos círculos de amigos? E no mundo como um todo? Essas são as perguntas que iremos explorar nas páginas deste livro. [...] “


Trecho do primeiro capítulo do livro A mensagem secreta de Jesus de Brian D. Mclaren. Tenho um livreto de cortesia do editor e estou ansioso pela leitura completa. Fica a recomendação...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs