28 de jan de 2008

Cartas do Inferno

Carta Número II

Meu Caro Wormwood:

Vejo, com muito desgosto que sua vítima tornou-se um cristão. Nem por sonho alimente a esperança que poderá escapar aos castigos normais; com efeito, em seus melhores momentos, espero que você nem mesmo pense em tal coisa. Enquanto isso é preciso que façamos o possível para remediar essa situação tão indesejável. Não é necessário cairmos no desespero, conta-se por centenas esse convertidos em idade adulta que foram reconquistados, depois de uma breve estada nos arraiais do Inimigo e agora se encontram conosco. Todos os hábitos do paciente, tanto intelectuais quanto físicos, estão ainda a nosso favor. Aliás, um dos maiores aliados que temos hoje é a própria Igreja. Não me interprete mal. Não me refiro à pestilenta Igreja que vemos difundida através dos séculos por toda parte com suas raízes na Eternidade, terrível como um invencível exército com suas bandeiras. ESSE espetáculo confesso que traz insegurança e inquietação aos mais corajosos entre nós. Para nossa sorte, ESTA Igreja é inteiramente invisível aos olhos humanos. Tudo que seu paciente pode contemplar é o prédio inacabado, (pretendendo um estilo gótico) em seu bairro novo. Entrando ali, o paciente vê o dono da quitanda local, com uma expressão de bem-aventurança no rosto, e que se apressa em lhe oferecer um livrinho caindo aos pedaços que contem vários textos (corrompidos, por sinal) de poemas religiosos ( a maioria, péssimos) e ainda por cima, impressos em letra miúda (chego a pensar que nós os escrevemos) de forma a dificultar ao máximo a leitura. Ao assentar-se num dos bancos e olhar ao redor, o paciente vê justamente os vizinhos que até então evitara. Você deverá acentuar bem na imaginação do paciente alguns detalhes daqueles vizinhos. Faça com que sua mente fique a flutuar entre uma expressão como o corpo de Cristo e os rostos concretos que ele pode ver nos bancos próximos. Interessa muito pouco saber qual seja, na realidade, o tipo de pessoas acomodadas naqueles outros bancos. Pode ser que você saiba que um de entre eles é ferrenho batalhador nas fileiras do Inimigo. Não há problemas. Esse paciente, graças a Nosso Pai lá de Baixo, não passa de um tolo. Contanto que alguns dos seus vizinhos ali estejam cantando desafinados, ou usem sapatos barulhentos, ou tenham dupla papada, ou estejam trajados com ternos antiquados, o paciente poderá logo admitir muito facilmente que a religião de tais semelhantes terá de ser, portanto, de certa forma, ridícula. No estágio em que ele se encontra, compreender o conceito que faz dos cristãos lhe parece espiritual; na verdade, é um conceito totalmente imaginário. Sua mente está cheia de togas e sandálias e armaduras e pernas nuas (restos duma película situada no século I), de modo que, o simples fato de que outras pessoas na igreja estejam a trajar roupas modernas constitui-se numa real – embora seja isso inconsciente – dificuldade para ele. Nunca deixe que essa dificuldade chegue à tona: nunca permita que ele inquira a respeito de como esperava que esses cristãos fossem. Faça força por conservar tudo confuso em sua mente agora, pois assim você terá em que distrair-se por toda a eternidade, dando-lhe o tipo de esclarecimento que o Inferno oferece. Aproveite-se quanto possível, então, da decepção, ou do forte contraste que com certeza virá ao paciente no decorrer das primeiras semanas de freqüência á igreja. O Inimigo permite que o referido desapontamento ocorra na fase inicial de todos os esforços dos seres humanos. Ocorre quando o adolescente que experimentava verdadeiros enleios ao ouvir histórias da Odisséia passa depois a estudar, com afinco, a língua grega. Ocorre quando os noivos finalmente se casam e começam a real tarefa de aprender a viver junto. Em todas as áreas da vida, esse desapontamento assinala a transição necessária entre as aspirações sonhadas e a realização trabalhosa. O Inimigo se expõe a esse risco porque acalenta a curiosa fantasia de tornar esse nojento vermezinho humano a que Ele chama de seus livres amigos e servos - filhos é a palavra que Ele emprega em sua preferência costumeira por degradar todo o mundo espiritual mediante relações não naturais que estabelece com os animais bípedes humanos. À liberdade dos referidos animais Ele, por conseqüência, recusa-se a atraí-los só pelas afeições e pela força de hábito a qualquer dos objetivos que intente com eles. Ele os deixa “agir por si mesmos” (não é incoerente?). Mas felizmente, nisto será uma ótima oportunidade para nós (se aproveitada, claro). Como assim, você diria? Fácil: Se eles saem destes apertos iniciais sem se “arranhar”, se tornam mais independentes de suas emoções, e com isso, fica muito mais difícil tenta-los. Até aqui, tenho escrito longamente sempre imaginando que as pessoas sentadas nos demais bancos não dão motivos específicos para o tal desapontamento. Com efeito, se derem motivos – se o paciente souber que aquela mulher de chapéu esquisito é profundamente viciada em jogos de azar, ou que o indivíduo dos sapatos barulhentos é avarento e ganancioso – então seu trabalho como tentador fica muito mais fácil. Você só precisa banir da mente da vítima esta linha de reflexão: “Se eu, sendo o que sou, posso aceitar que até certo ponto sou um cristão, quem poderia distinguir os vícios destas pessoas nos bancos aí ao lado e provar que a religião deles não passa de hipocrisia e mero convencionalismo?”. Você pode estar perguntando se é possível evitar esse tipo de reflexão, mesmo se tratando de uma mente humana. Saiba que é sim, Wormwood, pode acreditar? Manipule-o corretamente e verá que isto jamais lhe passará pela cabeça. Seu paciente não terá ainda tempo suficiente de convivência com o Inimigo para aprender acerca de humildade real. O que diz, mesmo quando de joelhos, sobre sua vida pecaminosa, é mera conversa de papagaio. No fundo, ele ainda acha que no balanço da conta-corrente do Inimigo a sua situação é mais favorável, pois ele consentiu em se deixar converter, e acha uma extrema prova de humildade e desprendimento o fato de freqüentar a igreja com essa “corja” de semelhantes medíocres. Faça tudo para mantê-lo o maior tempo possível neste estado de pensamento.

Afetuosamente, seu tio.

Screwtape

Cartas de um diabo ao seu aprendiz - C.S. Lewis (disponivel para download na lista de e-books do blog)

2 comentários:

  1. Legal Thiago, esse foi o último livro que eu lih...

    inclusive publiquei 2 citações do livro no meu blog>

    aki: http://amandoaoproximo.blogspot.com/2008/01/distraes-no-so-problemas.html

    e aki:
    http://amandoaoproximo.blogspot.com/2008/01/direto-e-reto.html

    abração amigo
    fica na Graça

    ResponderExcluir
  2. Gd. Thiago,
    na paz !!!

    Vc. sabe como consigo este Livro ... Cartas do Diabo e seu aprendiz ???

    Se souber, me avisa por favor ou manda por e-mail !?
    mundophn-geracao@yahoo.com.br

    Abração daniel..

    ResponderExcluir

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs