11 de jan de 2008

Peneira cristã

Não há uma vez sequer quando medito (não apenas ler) nas palavras de Jesus em cada um dos quatro livros do Evangelho, que não fique intrigado com minha vida. As palavras de Jesus são as mais doces para o espírito, mas, em contrapartida, são instigantes e desafiadoras. Não há como esquivar-se da afiada mensagem. Realmente sinto que divide minha alma do meu espírito. Coloca em cheque meus planos, desejos, vontades e projetos diante da Verdade Eterna contida em cada entrelinha dos Escritos Sagrados. Não há como buscar a real vontade de Jesus para nós sem fechar a Bíblia e ficar com um sentimento de desconforto pessoal. Brennan Manning explana com bastante profundidade em O Evangelho Maltrapilho sobre a dificuldade de seguir Jesus: "É preciso um certo desatino".
Frente à essa confrontação do poder da mensagem das Boas Novas, nós, cristãos, muitas vezes floreamos ao máximo a mensagem. Distorcemos o real significado do conteúdo Bíblico. Contornamos o que Jesus realmente queria dizer. Fazemos Teologia, criamos doutrinas, credos, realizamos concílios, convenções e embromamos em litanias. Tudo para fugirmos da forte Luz que irradia e cega nosso estilo suntuoso de viver. Cega nossa preocupação com o amanhã. Cega nosso consumismo exacerbado. Cega nosso entendimento capitalista da vida. Cega nossa visão limitada do Evangelho.
Procuramos de diversas formas nos entreter com ativismo religioso, discussões doutrinárias, ortopraxias, teologias e vãs filosofias para que nossos olhos não ardam diante do Brilho da Luz.

"A questão é muito simples. A Bíblia é muito simples de se entender. Mas nós, os cristãos, somos um bando de caloteiros intrigantes. Fingimos ser incapazes de compreendê-la porque sabemos muito bem que, no instante em que a compreendermos, estaremos obrigados a agir de acordo com ela. Pegue quaisquer palavras do Novo Testamento e deixe tudo o mais de lado exceto o seu empenho pessoal de agir de modo coerente com elas. Meu Deus! - você dirá. - Se fizer isto, toda a minha vida estará arruinada. Como poderia dar continuidade à minha vida neste mundo?
Eis, portanto, o verdadeiro propósito da erudição cristã. A erudição cristã é a invenção mais prodigiosa da igreja para se defender da Bíblia, a fim de garantir que poderemos continuar sendo bons cristãos sem que a Bíblia se aproxime demais de nós. Quão temível é cair nas mãos do Deus vivo! Sim, mais temível ainda é ficar a sós com o Novo Testamento."

Søren Aabye Kierkegaard

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs