2 de jan de 2008

Walk on


A cada ano que se passa tenho a oportunidade de aprender imensamente. Com as oportunidades que tenho de encarar os desafios que esta nada mole vida me proporciona posso amadurecer frente a vários conflitos. Desde conflitos de fé, existenciais, profissionais, relacionais e espirituais. Não há prejuízos no passado desde que consiga ler nas entrelinhas dos meus diversos erros. Desde que, tenha a capacidade de entender que todas as coisas cooperam para o meu bem.
Trago para este novo ano a bagagem dos anos passados. Algumas coisas tive que deixar para trás. Outras ainda sinto que precisarei muito carregar. Mas, importa que dia-a-dia entendo o que realmente é relevante levar comigo e o que deveras deve ser deixado para trás.
E o amor não é uma coisa fácil. A única bagagem que você pode trazer é tudo o que você não pode deixar para trás. Os anos ensinam-me que devo esforçar-me para ser realmente quem sou. O amor ensina-me que devo ser fidedigno. Preciso entender que tudo pelo que luto para conquistar pode não ser tão necessário. Afinal, Você está arrumando uma mala para ir a um lugar onde nenhum de nós esteve. Um lugar em que tem que se crer para poder ser visto. E esta é a mais pura verdade (veritas liberabit vos) da qual podemos apergar-nos com toda nossa insana sobriedade. Preciso muito menos do que a consciência do mundo insiste em dizer que preciso. O Sistema quer mudar minha rota, mudar meu destino. Não preciso da mesma bagagem que eles. Não preciso do mesmo fardo que eles. O que você conquistou eles não podem te roubar. Não, eles ainda nem podem sentir isso. A Liberdade que brota de uma alma. Um pássaro cantando em uma gaiola aberta. Que só voará, só voa para liberdade. Os anos que desenrolaram-se diante dos meu olhos são fonte de conhecimento. Sinalizam para mim a perseverança. Lembram-me que aquele momento quando pensei ser o pior momento da minha vida, passou. E sobrevivi. E se a escuridão está nos mantendo separados. E se a luz do dia se sente como numa longa estrada interrompida. E se seu coração de vidro se partisse. E por um segundo você voltasse atrás. Oh não, seja forte... Vou persistir em vencer. Nem a morte, nem a vida, nem a altura, nem a profundidade, nem os anjos, nem as potestades, podem me separar do Amor. O que você conquistou eles não podem te negar. Não podem vender ou comprar. O meu encontro com o Amor escancarou-me a Verdade. Neste ano continuarei peregrinando no Caminho. Esforçando-me para ter Vida, contagiar Vida, e Vida em abundância. E eu sei que dói. E seu coração se partiu. E você só pode aceitar tudo. Mas, correrei rumo ao alvo que está proposto. Não mais apegando-me às coisas que ficam para trás. Vivendo novidade de vida. Sempre com o um nova música nos lábios.
Nesta nova oportunidade de ser, de fazer, de crescer quero desembaraçar-me de todo peso que me impeça de correr livre. Deixe para trás. Você tem que deixar isso para trás. Tudo aquilo você forma. Tudo aquilo que você faz. Tudo aquilo que você constrói. Tudo aquilo você destroi. Tudo aquilo que você mede. Tudo aquilo que você rouba. Tudo isso você pode deixar para trás. Tudo aquilo você raciocina. Tudo aquilo você sente. Tudo aquilo que você fala. Tudo aquilo você veste. Tudo aquilo você planeja...
Quero ser insano o suficiente para abraçar a causa das boas notícias da Graça. Quero refletir aqui, contra o Sistema que jaz no peçonhento, a beleza do Reino. Quero agir conforme as regras da Morada que me aguarda, e que aguardo com forte anseio. Lar... difícil saber o que é se você nunca teve um. Lar... eu não posso dizer onde é, mas eu sei que eu estou indo para casa. Neste novo ano desejo continuar andando em frente, caminhando sobre as adversidades. Caminhando rumo ao meu Lar. É onde a ferida está. É onde poderei tocar nas feridas do meu Senhor.

P.S. As frases negritadas em destaque são retiradas da música Walk on de autoria do U2.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs