12 de fev de 2008

A Fé é mais importante que a Teologia

"Amo a Teologia da Libertação e a seguirei amando, mas lembremos que o que nos une é Jesus Cristo". Com essa afirmação o teólogo peruano Gustavo Gutiérrez, um dos mais importantes nomes da Igreja latino-americana nas últimas décadas, rebateu as afirmações de que teria chegado ao fim a contribuição dessa corrente.

"A Teologia da Libertação não faz parte do meu credo. Eu não creio nela, creio em Jesus Cristo", disse.

Gutiérrez foi o principal palestrante da sessão da manhã desta quarta-feira, 30, na Conferência sobre o Cristianismo na América Latina e no Caribe, realizada na Faculdade Batista e na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Ao ser chamado à mesa que conduzia os trabalhos, o teólogo foi longamente aplaudido de pé por uma platéia de cerca de 700 pessoas.

A plenária buscava recuperar a memória da caminhada cristã no continente, e Gutiérrez o fez a partir da afirmação de que "a memória é o presente do passado". O autor recordou que, no século XVI, Guamán Poma, cristão quíchua, caminhou por 30 anos entre os pobres das comunidades andinas testemunhando o sofrimento, o desprezo e a opressão em que viviam.

A partir do que viu e refletiu, Poma escreveu uma longa carta ao rei Felipe III da Espanha, na qual dizia que Deus se fez homem verdadeiro e pobre e se encarnou no mundo dos pobres. Sem entender o porquê da situação vivida pelos indígenas, Guamán clamava por Deus, assim como Jó no Antigo Testamento.

"Esse cristão, com seu interesse de conhecer os pobres de Jesus, encontra perguntas às quais não tem respostas, assim como nós hoje", comparou Gutiérrez. "Há 40 anos, saímos na América Latina e no Caribe à procura dos pobres de Jesus Cristo. O processo não terminou e ainda estamos nele", destacou. Para o autor, é necessário compreender a distância que há entre "as nossas impaciências e os processos históricos".

A Teologia da Libertação, segundo Gutiérrez, fez contribuições decisivas ao anunciar que a pobreza é um mal e possui causas que vão além dos aspectos econômicos e sociais. "A pobreza passa a ser vista não como destino, mas reflexo; não como infortúnio, mas injustiça", assinalou.
"A pobreza é um escândalo que continua gritando num continente majoritariamente cristão", disse. Para chamar a atenção sobre os problemas vividos pelos países da região, o sacerdote chegou a fazer uma ironia: "Se Franz Kafka, com todos os absurdos que escreveu, fosse latino-americano, seria considerado um autor de costumes".

Mesmo afirmando que não crê no esgotamento da Teologia da Libertação, que desenvolveu e desenvolve vertentes relacionadas às questões de gênero, raça, cultura e outras, o sacerdote peruano destacou que não se pode confundir fé com teologia. "Esta é um instrumento para compreender e esclarecer coisas", definiu, "mas o coração da mensagem de Deus é a gratuidade do amor."

"Somos amados porque Deus nos amou primeiro, e todo amor é resposta ao amor de Deus", disse, acrescentando: "Quando estamos alegres, procuramos alguém com quem dividir a nossa alegria. Devemos compartilhar a alegria de sermos amados por Deus", finalizou.

A sessão continuou com a participação da teóloga mexicana Elza Tamez, professora da Universidade Bíblica Latino-Americana, e de Diego Irarrazaval, presidente da Associação Ecumênica de Teólogos do Terceiro Mundo.

Elza Tamez leu um texto que escreveu em forma de epístola paulina, cuja autora seria "Priscila, serva de Deus não por desígnios de autoridades, mas por vontade de Deus". Nela, também contesta a tese de esgotamento da Teologia da Libertação ao perguntar: "Acaso os pobres deixaram de existir? Já têm onde dormir? O que comer? As crianças de rua já têm escola?"

A teóloga protestante centrou sua memória da caminhada cristã no continente na análise do papel da mulher nas igrejas e na necessidade de reconhecer a riqueza da contribuição vinda dos povos originários e afros. "São rostos morenos de Deus, que expressam o que o seu coração diz sobre esse Deus singular ou plural", destacou.

Diego Irarrazaval lembrou que comunidades cristãs da África e da Ásia também iniciaram novas reflexões teológicas nas últimas décadas a partir de suas próprias realidades, mirando-se no exemplo dos latino-americanos.

"O cenário teológico é plural, mas ainda temos que avançar na inter-relação entre essas expressões, deixando-nos interpelar por elas e crescendo em novas compreensões graças a essa multiplicidade", disse.

Fonte: ALC [via Notícias Cristãs]

3 comentários:

  1. Se você capturou a notícia de meu blog, é de bom alvitre fazer a citação da fonte original mais a fonte que você pgou, pois algumas notícias eu edito, ok? Então no caso ficaria assim: Fonte: ALC/Notícias Cristãs.

    Obrigado.

    A ALC é uma agência ecumênica que oferece a igrejas, ministérios especializados e ao público em geral um espaço de informação e comunicação sobre a América Latina e o Caribe.

    ALC é uma iniciativa de Luteranos Unidos em Comunicação (LUC), Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI), Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC-Região América Latina), Consleho de Igrejas Evangélicas Metodistas da América Latina e do Caribe (CIEMAL), Aliança de Igrejas Presbiterianas e Reformadas da América Latina (AIPRAL) e Centro Regional Ecumênico de Assessoria e Serviço (CREAS).

    A agência foi constituída em Quito, em maio de 1994, e começou suas atividades editoriais em março de 1995.

    Missão da ALC

    * Oferecer informações e análises aos meios de comunicação religiosos e seculares sobre a realidade sócio-eclesial da América Latina e outras regiões do mundo.

    * Proporcionar informação às lideranças eclesiásticas e dos ministérios cristãos para o melhor cumprimento de seu trabalho pastoral, e para o fortalecimento de sua influência e impacto na sociedade.

    * Ser um espaço de diálogo sobre temas sócio-eclesiais e o intercâmbio de experiências.

    Visão

    Posicionar a ALC no campo da informação sócio-eclesial como uma agência comunicacional sócio-religiosa da América Latina e do Caribe, constituindo-se um canal a serviço das redes de intercâmbio e cooperação entre diferentes igrejas e ministérios cristãos especializados.

    Valores corporativos

    O princípio básico da ALC é sua fidelidade aos valores do Reino de Deus. Dentro dessa perspectiva, a agência afirma o seu compromisso com a verdade, a defesa da vida e a justiça. Procura a afirmação dos valores democráticos, a eqüidade de gênero, a superação da violência e o respeito às diferenças. Contribui para a democratização da informação e defende o direito à cidadania e à informação confiável.

    Atividades

    Através do sítio web, a ALC oferece informação e documentação sobre a presença e incidência da Igreja na América Latina e em outras regiões do mundo.

    A ALC promove a participação dos internautas através de fóruns de discussão e de comentários às notícias que veicula.

    Transmite, via correio eletrônico, um serviço gratuito de notícias sobre temas relacionados à Igreja e à sociedade latino-americana e de outras regiões do mundo. A ALC transmite os seus serviços em espanhol e em português, que são reproduzidos por publicações, emissora de rádio e portais religiosos e seculares.

    A ALC produz o boletim virtual "Na Mira" (Igrejas construindo uma cultura de paz e contribuindo para a superação da violência), e o boletim virtual trimestral "Na Arena", sobre a presença pública da Igreja e a participação de evangélicos na política. Produz, ainda, microprogramas especiais (notícias, testemunhos e reflexões) sobre a participação das igrejas na Década de Superação da Violência, proclamada pelo Conselho Mundial de Igrejas.

    Para contatos:

    Editora en español: Claudia Florentin

    Editor en português: Edelberto Behs (edelbehs@alcnoticias.org)

    Agencia Latinoamericana y Caribeña de Comunicación (ALC)

    Olazábal 2842
    1428 Buenos Aires - Argentina
    Teléfono (54 11) 4782 0804 - Fax (5411) 4784 7121
    Correo-e: editora@alcnoticias.org
    http://www.alcnoticias.org - http://www.alcpress.org

    ResponderExcluir
  2. Ah! Dá uma olhadinha lá no No´ticias Cristãs. Coloquei seu banner lá...

    Obrigado por me referenciar em sua página.

    ResponderExcluir

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs