26 de fev de 2008

Site rastreia mais de 470 mil molestadores sexuais

Em agosto de 2005, Steve Roddel decidiu tomar uma atitude. Após descobrir que quatro molestadores sexuais já condenados pela Justiça americana residiam em sua vizinhança, na cidade de Indianápolis – um deles a 200 metros da casa onde mora com a mulher, três filhos e um neto –, esse analista de sistema usou seus 25 anos de experiência com programação para criar o Family Watchdog, website que rastreia os endereços de mais de 470 mil pessoas condenadas por ofensas sexuais de diversos graus nos EUA.

"Acredito que vivemos uma epidemia de ataques contra crianças", declara Roddel, em entrevista ao G1 por telefone. "Uma de cada cinco meninas e um de cada seis meninos serão molestados antes de completarem 18 anos", sustenta. Segundo ele, o que chamou sua atenção para o tema foi o rumoroso seqüestro, estupro e assassinato da garota Jessica Lunsford, de nove anos, alguns meses antes. Jessica foi morta por um molestador que já havia sido condenado, cumprido pena e libertado.

A preocupação levou Roddel a uma maratona pelos arquivos policiais do estado de Indiana, até achar os dados sobre os agressores sexuais no seu bairro. "Foi um choque", admite. "Achei que era necessário um serviço para levar esse tipo de informação mais rapidamente para que famílias como a minha possam se prevenir."

Os números mostram que Roddel não está sozinho em sua preocupação. Em menos de três anos de existência, o Family Watchdog está – de acordo com dados apresentados pelos administradores do endereço – entre os 1.500 destinos mais procurados de toda a internet. O site teria recebido aproximadamente 70 milhões de acessos ao longo de 2007, com quase seis milhões de visitantes regulares.

O sucesso é tamanho que hoje Roddel não apenas trabalha em tempo integral no endereço como também precisou contratar um equipe de oito pessoas para dar conta da demanda por atualizações – mais de mil molestadores mudam seu endereço todos os dias nos EUA. O dinheiro vem de anúncios, patrocínio de empresas e doações de "pessoas preocupadas com a violência sexual contra menores", nas palavras do criador do endereço.

Existem diversas outras páginas que rastreiam agressores sexuais, mas o Family Watchdog é o único que abrange todos os 50 estados dos EUA. Quem acessa o site tem acesso aos nomes, fotos, endereços de residência e trabalho dos molestadores – tudo de graça. Através de uma adaptação do sistema Google Maps, é possível localizar com precisão a localização de cada um dos 477.446 agressores cadastrados até a última sexta-feira (22) – o site é atualizado diariamente. ...

Em alguns casos – a Flórida é um exemplo – usam-se sistemas de GPS (localização por satélite) para manter o controle sobre a movimentação dos molestadores. É a partir desses registros policiais que sites como o Family Watchdog obtém sua matéria-prima.

Tanta vigilância tem despertado protestos de entidades que julgam que os direitos civis de pessoas que já cumpriram sua sentença – e, portanto, teoricamente pagaram seu débitos para com a sociedade – estão sendo quebrados. ...

(G1 Notícias)

Nota: Levando-se em consideração a quantidade de molestadores e a vulnerabilidade das crianças, a iniciativa de Steve Roddel parece ter seu valor. Mas esse tipo de rastreamento e a facilidade com que pode ser feito também leva a pensar em outros usos no futuro... Quem viver, verá. [MB]

Fonte: Michelson Borges.

P.S. Sobre pornografia e consequências visite SexxxChurch.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs