4 de mar de 2008

Etiqueta Inteligente

Pesquisadores do Parque de Tecnologia de São Carlos, no interior de São Paulo, apresentaram, nesta quarta, uma novidade tecnológica que deve chegar ao comércio nos próximos anos: a etiqueta inteligente. Ele mal completou 40 anos e já está quase se aposentando. O código de barras já não atende mais às necessidades do consumidor. "Só dá a descrição do produto e de preço. Essa é a informação que ele traz direto para o consumidor", explicou o gerente de supermercado Adauto Antônio Alves.

A substituta é a etiqueta inteligente, um micro-chip quase invisível com capacidade de armazenar o mesmo de informação que um aparelho de mp3. Ela indica, por exemplo, a origem do produto.

Com o número de série, a pessoa entra no sistema do fornecedor. Remédios falsificados também vão ser descobertos com uma consulta rápida pela internet. O consumidor vai saber até de que boi saiu o bife que está no prato.

A vida do consumidor também vai ficar mais fácil e prática. Hoje, na hora de pagar, ele precisa passar produto por produto e isso, às vezes, demora muito. Com o novo sistema, é só passar com o carrinho, sem retirar a mercadoria, que a máquina registra o valor total e debita na conta bancária do cliente, que já está cadastrado no supermercado. ...

O sistema é o mesmo do "Sem parar" usado em pedágios. Antenas captam os sinais emitidos pelo micro-chip e as informações são lidas por um programa desenvolvido por uma empresa de São Carlos, no interior de São Paulo. Com o sistema, ficção científica não fica tão longe da realidade.

"De repente, eu compro um sanduíche numa máquina e aí recebo uma ligação no meu celular me avisando para não comer esse sanduíche, porque já venceu a validade do sanduíche. Como isso foi possível? O meu celular leu uma etiqueta de rádio-freqüência que estava no sanduíche e detectou que o sanduíche já estava com a validade expirada", contou Fredy João Valente, inventor da etiqueta.

(Jornal Nacional)

Colaboração: Vanio Kleber Ribeiro Fortes

Nota: E pensar que teve gente achando que o código de barras era a marca da besta... O fato é que, aos poucos, vão sendo criadas condições de um monitoramento total das pessoas e isso é compatível com o cenário profético pintado pelo Apocalipse. Impedir as pessoas de comprar e vender será bastante fácil com essas novas tecnologias. Quem viver, verá. [MB]

Retirado do site do Micheson Borges.

Um comentário:

  1. e se a gente parar pra pensar q boa parte dos nossos dados tão na mão da Google? Pelo menos eu q uso gmail e outros produtos dela p muuuita coisa e sou cada vez mais dependente.. Até minhas buscas no Google são monitoradas, ainda mais que as faço sem sair do login! Teoria da Conspiração? Talvez...

    ResponderExcluir

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs