25 de mar de 2008

O ateu e Eu

Semana passada tive a oportunidade - e há um tempo estava a aguardando - de conversar com um colega de trabalho que se autoproclama "ateu". Em virtude da minha "campanha pessoal" contra o "coelhinho da Páscoa e o fruto de chocolate do seu coito com a galinha" no momento de confraternização e troca de "ovos" fiquei à parte enquanto a galera terminava... Mas, para minha surpresa, não fiquei sozinho. Meu colega de trabalho ateu, também se ausentou da "festança".
Então começamos a travar uma calorosa discussão sobre o cristianismo, religião, Deus, Jesus... Estava ansioso pela conversa porque sempre tenho a impressão de que quando o cara é ateu, no mínimo deve ter uma ótima bagagem literária para sustentar suas opniões e sua "fé" no nada...

A conversa foi ficando interessante à medida em que nos encontrávamos em opniões concordantes... fui notando que meus argumentos cada vez mais se atrelavam aos seus argumentos. Notei que ele ficou confuso durante o diálogo. Percebi sua surpresa ao conversar comigo, um cristão, e a conversa fluir de maneira educada, cordial e respeitosa.

O encostei na parede por diversas vezes pedindo que me explicasse melhor as razões do seu ateísmo. O exprimi culturalmente, eloquentemente e sagazmente de forma a deixá-lo sem saída em seus argumentos. Não saíria dali sem que ele me provasse com veemência e respaldo a certeza no ateísmo como posso provar minha sustentabilidade e coerência no cristianismo. Claro, que não posso provar que Deus existe. Muito menos ele provar que Deus não existe. Mas, a partir de nós emana um "Q" de verdade em relação às nossas crenças. Mas, durante a conversa, esmerei-me por não deixar que o diálogo incorresse numa disputa de QI. De forma, que a citação de Donald Miller me sobreveio à mente:

Meu mais recente esforço de fé não é do tipo intelectual. Eu realmente não faço mais isso. Mais cedo ou mais tarde você simplesmente descobre que há alguns caras que não acreditam em Deus e podem provar que ele não existe e alguns outros caras que acreditam em Deus e podem provar que ele existe - e a esse ponto a discussão já deixou há muito de ser sobre Deus e passou a ser sobre quem é mais inteligente; honestamente, não estou interessado nisso.


Realmente, numa discussão como essa é fácil perder as estribeiras relevantes ao tema discutido e cairmos num propenso duelo de mentes ardis. Policiei-me ao máximo para não empurrar Jesus com meus argumentos falhos, vacilantes, incoerentes mesmo que travestidos de linguagem culta, expressão eloquente e oratória. Mas, esforcei-me por deixar-me ser usado pelo Espírito. Porque afinal de contas, é Ele quem convence, não eu...

O que observei no caro colega, afinal, foi um sentimento muito parecido com o meu. Mas, infelizmente mal canalizado. Nos encontramos por diversas vezes em pontos cruciais da fé, da religião e do cristianismo de forma conivente. Houve momentos que mais parecíamos dois ateus papeando do que um cristão e um ateu em si (digo isso, por não vincular meu cristianismo aos moldes falidos de rótulo cristão qualquer, daí a impressão externa). Ao fim, percebi que o cara tem as mesmas percepções que eu de espiritualidade, mundo, fé, religião e que, consegue enxergar todos os erros "escabrosos" da religião, mas diferentemente de mim, concatenou esses erros a Deus e se afastou da fé.

Dois caminhos sutis cuja a linha tênue separa o ateu e eu. A simples fé num Deus pessoal, que se tornou um de nós para se comunicar de forma simples evitando que mergulhássemos nas intransigências da dúvida e do vasto e trancedente, para irmos de encontro a um Deus acessível e que se importa com cada um de nós.

A conversa rendeu uma boa oportunidade. Emprestei a ele o livro Cristianismo puro e simples de C.S. Lewis. Um ex-ateu que pode explanar com propriedade e conhecimento de causa sobre os motivos tácitos da escolha por Cristo.

2 comentários:

  1. ahhhhhhhhhhh e vc nem fez um apelo? fraco!fraco! aiaiaiaiai e as quatro leis espirituais? aposto que não usou o livrinho né? tsc, tsc,tsc!! hehehe bom demais Thy, é com respeito à consciência alheia que as engrenagens do pensamento se encaixam e o que é realmente espiritual pode fluir!! massa!!

    ResponderExcluir

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs