8 de jun de 2008

A formalidade do Casamento e o Sexo Livre

óleo sobre tela, de Eugene Blass

Para alguns a maior honra de um cristão é casar virgem. E a pergunta maior, o ápice de toda comunidade cristã no orkut é “se é pecado fazer sexo antes do casamento”. E eu respondo, não! Não existe casamento sem sexo pode até existir sexo sem casamento.

Poderíamos entender o casamento como união espontânea entre pessoas, em afeto, diante de Deus e com perspectivas de que de certo. Todo cerimonial que se criou através do casamento é cultural e em outros pontos é cabível dentro da formalidade da lei.

Existe também o conceito religioso que é uma criação muito posterior da Igreja Católica. O casamento sempre foi um ato consensual que somente no século XII se tornou um ato solene através da religião.
Para Chauí, o casamento é transferido da casa paterna para a Igreja (primeiro à porta; depois para dentro) “garantindo o controle eclesiástico sobre a sociedade”.

O casamento jurídico, especificamente, tem ou não existido na história dos povos. Para Chauí “Somente com a consolidação das revoluções burguesas, com aquilo que alguns designam como o ‘desencantamento do mundo’ (isto é, a perda do poderio religioso católico-romano sobre a sociedade) e com o advento do Estado moderno, o casamento passou a ser cerimônia civil, sob o controle do Estado”.

O conceito é de que o sexo traz união matrimonial e entrelaça normalmente na expectativa de uma vida amorosa e outros conceitos são adjetivos, importantes sim dentro das comodidades individuais e necessárias, mas não essenciais. A prática religiosa contemporânea, contudo, e infelizmente, parece ter invertido essa escala de importância. Tornando aquilo que era enpontaneo em formal e dando um impacto de importância no cerimonial, além do mais começamos a casar de “papel passado” e o amor, a responsabilidade e a qualidade dos relacionamentos ficaram em último plano.

Com isso para eliminarmos um “papel passado” criamos outros papeis para nos livrar do primeiro papel (desquite e depois divórcio).

O casamento neste ponto acaba se tornando uma garantia. O amor poderia ser essa garantia e não o papel, mas as pessoas ainda não amadureceram para depositarem tanta confiança assim no amor e preferem exaltar o sentimento de posse através do contrato e juramento solene dentro da sua religião para satisfazer moralmente a sociedade.

“A certidão de casamento em si não constitui o casamento. A certidão de casamento para o inconsciente do homem sexualmente tímido nada mais é do que uma permissão para manter relações sexuais”. (Reich)

Se a bíblia é padrão moral e ético para muitos então vamos colocar Adão como um homem de fato sem pais que não assinou contrato, que não fez nenhum pacto entre famílias. Adão simplesmente não fez nada. Eva era a parte que faltava de Adão, aquela que o completava e isso aconteceu através do matrimonio.

Por que Deus se incomoda tanto, ou seja, considera um grande pecado pessoas que se amam verdadeiramente fazerem sexo?
Por que, para Deus, é mais importante o registro formal de casamento do que o amor, no tocante à liberação da prática sexual?
Por que a formalidade em um casamento sem amor é mais válida por causa de um papel?
E um relacionamento livre com amor e sexo bom é pecaminoso?


Isso não faz sentido.
Paulo em I Coríntios 7.2 diz:
2 Mas, por causa da prostituição, cada um tenha a sua própria mulher, e cada uma tenha o seu próprio marido. Palavras de Paulo...
'se não podem conter-se, casem. pq é melhor casar do que abrasar-se'

Se você vê na carta aos coríntios, Paulo deixa claro que está falando de SEXO COM PROSTITUTAS e não sexo sem papel assinado ou benção pastoral... "Acaso pode um membro de Cristo juntar-se com uma prostituta?” É uma das questões centrais dele na epístola”.
Abrasar-se = prostituição, sexo com prostitutas.

Corinto era uma cidade portuária, famosa também pela prostituição feminina e masculina.

Basta ler a epístola inteira pra se entender o contexto. Não precisa ser o mega-blaster-supra-supremo teólogo para entender as recomendações de Paulo. É só querer entender.

Separando o que é doença e não pecado, sexo é bom e ainda mais quando é feito por amor. Não quero dogmatizar o que é ou o que não é pecado por que isso é ruim. Existem casos e casos e o erro não está em um ato isolado, mas está na motivação em que se pratica tal ato. O erro não nasce nos órgãos sexuais e nem é preciso repudiá-los. Todo erro sai do próprio intento do individuo. E motivações pessoais não dão para regulamentar com listinhas do que é pecado e do que não é pecado.

Contudo não quero dizer que se você transar terá um compromisso eterno e inflexível com alguém. Tudo que for feito, em comum acordo, onde pessoas não fiquem magoadas e se houver magoa que aja no mínimo a busca de um entendimento. E no demais, sexo é bom eu recomendo, ainda mais quando é livre não do compromisso, mas da obrigação de ter um compromisso. Muitas vezes o compromisso é conseqüência de uma relação.
Como diria a raposa ao pequeno príncipe:
"Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas..."

Fonte: Lion of Zion.

PS. Cara, acho que não dá pra digerir isso... Já imaginou a "putaria" que vai virar se os "remanescentes" da castidade pré-nupcial se lançarem a torto e a direita nessa história de consumar o sexo apenas com o aval do "amor"? Hummnn... Havemos de concordar que caso o queiram, isso não lhes é proibido... conveniente para a carne!? Com certeza... Mas, será que realmente convém para imitadores de Cristo?

17 comentários:

  1. !!!!!!!!!!!!!
    caraca! muito bom esse texto!
    vou "digerir" melhor, e depois também comento melhor.
    té!

    ResponderExcluir
  2. Não vi nenhuma base bíblica relevante ao tema.
    Se desconsiderar o cerimonial, resta o compromisso no amor, como a palavra prevê, e diante disso o sexo deve ocupar o papel resultante da intimidade com vistas à criação da família.
    Esse argumento é defendido entre os que praticam e querem continuar praticando sexo sem vistas a constituir família; é próprio dos que querem o prazer do sexo sem o compromisso de gerar filhos, fazendo uso de contraceptivos, o que também é reprovável na palavra de Deus.

    ResponderExcluir
  3. Lindoélio Lázaro9 de junho de 2008 19:16

    Não concordo com a visão de que o sexo tem a supra finalidade de constituir famílias, como nosso amigo "anônimo" disse. Porém, não concordo com esse texto ridículo!
    A lei de Deus compreende a obrigação que temos de cumprir a lei dos homens... Se é lei (dos homens) que temos que nos casar judicialmente, e se é lei (de Deus) que façamos sexo amparado pelo laço matrimonial (casamento), então somos sim obrigados a casarmos de "papel passado"...
    A cerimônia religiosa sim faz parte de uma pretensão sem fundamento na palavra de Deus imposta pela liturgia da "i"greja, o que também não impede de o casal, em acordo, querer realizá-la antes de contrair núpcias.

    Esse texto mesclou "liberdade" com "libertinagem", e se estamos levantando a voz para lutarmos fora do ambiente herético ao qual aprendemos a estar precisamos dosar nossos conceitos à luz da palavra de Deus antes de os disseminarmos.

    Desculpe, meu brother Thiago, mas eu não posso me calar ante esse absurdo!

    __
    Lindoélio Lázaro

    ResponderExcluir
  4. Se imagina que eu apenas considerei a questão da prole, não sabes ler, meu caro amigo...

    Afirmo e reafirmo que o sexo tem como finalidade a construção da família, até porque um casal é uma família, independente de terem filhos ou não, e o sexo consuma a intimidade extrema entre os dois.

    Contudo, em geral os que defendem essa idéia do texto, o fazem justamente por não quererem viver pela fé, na dependência de Deus.

    O autor é muito infeliz ao considerar que Paulo está apenas falando a respeito de prostitutas. Que exegese é essa?? Então seria melhor casar com todas as prostitutas a se abrasar com elas??
    FALTA DE CONHECIMENTO E ERRO GROTESTO DE INTERPRETAÇÃO DA ESCRITURA!!

    Pensar que prostituição se aplicava e se aplica apenas ao contexto do negócio, é desconhecer até mesmo a língua portuguesa. As palavras fornicação, lascívia, libertinagem, promiscuidade, também fazem parte de algo condenável na palavra, contudo parece que montar doutrinas com um único texto e esquecer do resto é o ideal para quem quer pecar.

    Outra coisa dita no texto que é errônea é a de que o compromisso é resultado de uma relação. Uma relação deve ser construída à partir de compromisso e comprometimento, por isso Jesus tem noiva, não namorada.

    O SENHOR JESUS CRISTO TEM COMPROMISSO COM SUA NOIVA E NEM POR ISSO DESCE PARA TRANSAR COM ELA ANTES DE SUAS BODAS!!

    Ou seja, aqueles que estão se guardando, esperando e orando, procurando cuidar das coisas do Senhor (1Co7.32;34), conforme o autor do texto perdem tempo.
    Nesse caso, prefiro perder meu tempo e estar em linha com a palavra, e em paz com meu Senhor e Salvador...

    ResponderExcluir
  5. Lindoélio Lázaro10 de junho de 2008 11:04

    Meu irmão "Anônino", peço perdão por não haver compreendido sua colocação, porém isso não lhe dá razão para dizer que eu não sei ler e sim que você não soube se expressar coerentemente. Se o seu objetivo em discordar não está submergido em amor, como revela com esse ataque infantil, de nada vai adiantar sua oposição.
    Concordo com a opinião de que o texto enfatiza a libertinagem e a fuga do compromisso, contudo devemos nos exortar ao crescimento do "corpo" da "noiva" de Cristo, e isso evidencia o nosso compromisso também com nossos irmãos ao invés do pragmatismo defendido com tanta demência contra o próprio "corpo".
    Seja movido pelo amor ou se cale, para não perder a razão que defende! Afinal, o único anônimo nas opiniões aqui é você!
    __
    Lindoélio Lázaro

    ResponderExcluir
  6. thiago,

    cuidado ao ler afirmações do tipo: "Contudo, em geral os que defendem essa idéia do texto, o fazem justamente por não quererem viver pela fé, na dependência de Deus."

    temos de ser calmos, mansos de espírito, e totalmente sóbrios para que não sejamos destruídos por palavras tão diminutas. taxações e suposições no que concerne à espiritualidade são vagas, e advindas dos 'santos imaculados', detentores da convicção instituída.

    eu, contudo, apenas leio e penso: "o que leva alguém a ser tão santo"?

    e penso de novo que preciso seguir os caminhos desse indivíduo, para que agrade a graça de deus e que tenha lá o galardão merecido de um deus que mede a fé pela idéia que vagueia na mente de todos.

    mas não espero muita coisa de quem afirma ao próprio como sem fé. já os temos como "sepulcros caiados".

    abçs

    ResponderExcluir
  7. Lindoélio...bonito nome...
    Ao mesmo tempo que me pede perdão, mostra que se ofendeu por eu ter dito que não sabes ler. Se está ofendido de igual modo me perdoe. Não tive a intenção de "infantilmente" atacá-lo. Perder tempo em contendas não traz proveito algum. Entretanto sou livre até mesmo para prosseguir em anonimato, caso eu queira, pois ninguém tem nada com isso.

    Em relação ao outro comentário de Filipe, torno a dizer que não há contexto bíblico. Fica parecendo que o mais interessante é adequarmos a palavra ao que nos convém. Ninguém é capaz de considerar valores à partir da palavra de Deus sem "puxar sardinha" para suas idéias, mesmo que sigam de encontro às escrituras.
    Sim meu amigo, quem procura viver por suas próprias convicções, não vive pela fé, não quer depender exclusivamente do Senhor. A fé vem pelo ouvir da palavra (Rm10:17), não de conjecturas sem pé, nem cabeça. O que está em desacordo com a palavra não provém de fé, E TUDO O QUE NÃO PROVÉM DE FÉ É PECADO, você sabia disso?? sabia que está escrito assim em Rm14:23??

    "o que leva alguém a ser tão santo"?
    Sou santificado meu amigo Filipe, no nome do Senhor Jesus (1Co6:11), e não é impossível ser santo, de outra forma o próprio Senhor não diria "Sede santos como eu sou santo"(1Pe1:16), já que "sem santificação ninguém verá a Deus"(Hb12:14).

    Quanto aos "sepulcros caiados" apontados pelo Senhor Jesus em Mt23, o discurso duro do mestre ia de encontro aos hipócritas que são apontados como "filhos dos que mataram os profetas"; e é interessantíssimo perceber que nos dias atuais quando nos comportamos à favor da palavra, denunciando os dispautérios teológicos e as intenções pecaminosas de textos como esse, nos posicionando tal qual os profetas no passado, somos considerados hipócritas e para alguns seria melhor que nos calássemos.
    Creio que em meu caso concreto, fico com Jeremias, "servindo de escárnio" (Jr20:7) e sendo ferido por falar a verdade, ainda que não agrade aos que não querem ser denunciados (Jr20:10).

    ResponderExcluir
  8. Mto complicado... hum...
    Comecei gostando do texto mas depois fiquei um tanto qto descontente...

    ResponderExcluir
  9. anônimo,

    suas afirmações são retóricas e plausivamente adequadas à padronização argumentativa encontrada em cada esquina.

    o conceito de santo, ora, quem não conhece os preceitos bíblicos? interessante notar que a indicação de santidade não está respaldada na auto-colocação a tal termo, mas na atribuição soberana do sangue de cristo imerecido e sem qualquer vínculo aos nossos esforços.

    fé, meu caro, não é credulidade, mas confiabilidade. é saber que o mestre nos ampara pelo amor, independentemente de qualquer que seja a classificação pecaminosa modernamente instituída.

    a interpretação e a visualização das palavras de cristo são subjetivas e amparadas pelo espírito. ao observar argumentos como os seus, tendo a pensar que não são poucos aqueles não muito observadores da realidade, mas achistas de que, de fato, o movimento cristão [e o evangélico] segue por caminhos únicos, sem qualquer vereda e sem qualquer diferença ideológica.

    não preciso me expor deveras claramente para que se perceba que a diferença doutrinária, ideológica e teológica resulta de diferentes percepções interpretativas da bíblia.

    e veja, sequer afirmei aqui se sou contra ou a favor à idéia do texto [e não por isso é incabível de julgamento]. isso mostra que não me amparo no texto, mas em afirmações colocadas por você e que são precursoras de um cristianismo falseado.

    o seu papel de denunciador das 'heresias' cai como luva nos mesmos preceitos farisaicos: afinal, cristo amou a prostituta apontada por essa corja como pecadora e indigna de ser tocada.

    ResponderExcluir
  10. Onde eu fui "amarrar meu burro"?

    Quem foi que disse que sou evangélico ou cristão?

    Talvez eu realmente esteja nas esquinas que porventura você encontre seus desafetos, pois deve chamar todo mundo de fariseu, o que aliás para mim é uma honra, pois os fariseus eram doutores da lei e importantes homens em sua época, e não foram todos os que não viram Jesus como messias.

    Faço parte de uma corja, meu querido, que irá sempre questionar textos como este, e sinceramente não me interessa o que você pensa à respeito, continuarei discordando. É muito fácil para você insinuar que não respeito quaisquer diferenças ideológicas, pois pelo que percebo agora, isso lhe é conveniente. Os que se autoafirmam na perspectiva da "ignorância coletiva alheia" segregam qualquer outro ponto-de-vista em detrimento de seu status de intelectualidade superior.

    Não me esforço para ser santo, porque CREIO que sou santificado em Cristo, e nem você nem ninguém pode mudar o que acredito, logo, seus esforços em desestruturar minha convicção são desarticulados ante a Graça redentora que vem me remindo dia após dia. Continuarei afirmando aquilo que é claro para mim, e se meu discurso é quadrado, ultrapassado e/ou obedeça a perspectivas conservadoras, continua sendo meu, minha escolha, mesmo que bilhões digam o mesmo... e para o caso de você querer me rotular, por favor, entre na fila...

    Contudo eu o respeito se sua perpecpção interpretativa da bíblia apresente dados sobre esse assunto, coisa que não observo no texto, nem em sua nobre falácia tão envolvente.

    O texto termina na recomendação do autor na prática deliberada do sexo livre, quase que um apelo a todos que façam o que ele faz, vivam do mesmo modo que ele vive, apresentando um comportamento que visa confrontar padrões religiosos definidos, e "gozar" de todo o bem que o sexo provê, independente do casamento; entretanto essa conduta em nada apresenta atributos de fé em tais obras, pois a ausência do compromisso conflita com o proposto naqueles que querem viver pela fé, já que fé se traduz por confiabilidade (não é isso?), pois mesmo que quebre paradigmas, dogmas e preceitos, e ponha tudo de pernas para o ar, tal conduta se baseia apenas na concupiscência da carne, apenas satisfaz os envolvidos e constituem a intenção de descaracterizar o compromisso, e diante de tudo isso invalida o ato, denegrindo-o e podendo pela palavra inclusive ser considerado pecaminoso (lembra de "Tudo o que não provém de fé, é pecado"??).

    Ou seja, se eu digo algo diferente que ninguém jamais ouviu e isso me serve de argumento para questionar e atacar a "classificação pecaminosa modernamente instituída" muito bem, porém se falo que tais práticas fogem do conceito de viver na dependência de Deus, sou taxado de hipócrita por aqueles que sequer me conhecem...

    O cristianismo falseado que porventura eu viva amigão, se opõe ao sexo fora do casamento e a esse texto estapafúrdio, que não prova o fato da palavra estar alheia ao casamento e a este importante tema.


    Para finalizar, alguém escreveu: "temos de ser calmos, mansos de espírito, e totalmente sóbrios para que não sejamos destruídos por palavras tão diminutas"

    À esse amado digo: Nos encontramos nas esquinas farisaicas da vida, eu, você e nossa infindável corja de sepulcros caiados. Quem sabe não haverá uma mulher qualquer para apredejarmos?...

    ResponderExcluir
  11. anônimo,

    quem foi que disse que me referi às pessoalidades e questões individuais? no mais, limitei-me aos seus argumentos.

    enfim, é isso aí.

    ResponderExcluir
  12. Não??...que coisa...

    Alguém escreveu: "o seu papel de denunciador das 'heresias' cai como luva nos mesmos preceitos farisaicos".

    Mas não deve ser você, já que é tão anônimo agora, quanto eu.

    Quem sabe da próxima vez, seja mais interessante LIMITAR-SE AOS SEUS PRÓPRIOS ARGUMENTOS, pois como eu já disse anteriormente, para os que querem me rotular, o ideal é pegar a senha, entrar na fila e aguardar sua vez, meu caro.

    Um último adendo sobre o texto em questão:
    Abrasar nunca significou prostituição ou sexo com prostitutas. Em grego o termo para prostituição é 'pornéia' que ampara também o conceito de imoralidade sexual. Já no texto de 1Co7:9 a palavra utilizada no original para abrasar é ´piróo´ que significa queimar, inflamar, consumir.

    Para uma "interpretação" deste trecho da escritura seria necessário no mínimo uma exegese adequada, não considerações vagas e sem conteúdo...

    ResponderExcluir
  13. anônimo,

    esqueci de digitar meu nome naquele post.

    mas já disse que não me referi ao texto quanto aos meus argumentos, então é descabida a sua tentativa de justificação.

    os rótulos são evidentes, mas somente se diz rotulado aquele que se sentiu como tal. se foi o teu caso, não posso fazer nada; apesar de certamente já ter uma visão prévia do seu entendimento da vida.

    ora, quem falou em denúncias? eu apenas repeti ao termo usado por você. prometo que dá próxima vez irei procurar meu dicionário de sinônimos e introduzir palavra paralela.

    de certa forma eu considero uma vitória pessoal tamanho conceito objetivo da realidade. já disse goethe que os convictos são as pessoas mais felizes da terra, por serem eles os detentores da façanha do auto-convencimento.

    de fato, ao observar a questão pela subjetividade da vida, e portanto da realidade, não cabe aqui as classificações padronizadas de uma exegese encontrada nos manuais da devida interpretação.

    o texto tem seus erros, óbvios por sinal. isso é evidente, e não há que se discutir tal constatação. contudo o mesmo fundamentalismo encontrado no texto também se reflete em você.

    talvez por questão de identidade. analisar caso a caso, e identificando os fatos em cada indivíduo, é um trabalho que exige paciência, e um pouco mais de perspicácia para entender que família não se refere a contratos.

    ResponderExcluir
  14. Vou escrever novamente pois acho que você não entendeu: DA PRÓXIMA VEZ, LIMITE-SE AOS SEUS ARGUMENTOS, AO INVÉS DE SE LIMITAR AOS ARGUMENTOS DOS OUTROS...

    Diante de você ou de quem quer que seja, não estou e nem preciso me justificar, até porque é só reler seus posts, para ver que 'descabido' é considerar argumentos dos outros à partir do que se pressupõe, o que aliás, notei que sua perspicácia na análise dos internautas anônimos, deveria ser base para alguma tese de doutorado.

    Se é conveniente a algumas pessoas apontar trechos da bíblia e construir padrões de comportamento justificando seus atos, sobretudo utilizando uma exegese errada, visando a satisfação e não o exame das escrituras (Jo5:39), a mim não o é. E eu jamais diria que família se refere a contratos, não sei de onde tirou isso...

    Sabe o que fico mais intrigado nisso tudo? É que um texto como esse, onde o nome do Senhor Jesus não é glorificado em momento algum, que nem reflexão pode trazer, visto as incoerências e incongruências culturais e hermenêuticas, o que por si só deveria já ser descartado, mova o seu tempo às minhas considerações. Se conhece gente que se expressa como eu, e imagina o que penso, o que como, o que visto e o tipo de carro em que ando, mesmo que sinalize para um padrão de comportamento, eu não ligo...não estou nem aí... E se em sua mente isso lhe conduz a uma "visão prévia do meu entendimento da vida", o que você tem com isso? Porque isso o incomoda tanto?

    Olha o que escreveu:
    "ao observar a questão pela subjetividade da vida, e portanto da realidade, não cabe aqui as classificações padronizadas de uma exegese encontrada nos manuais da devida interpretação"

    Tantas palavras, tão pouco conteúdo...

    "o mesmo fundamentalismo encontrado no texto também se reflete em você"

    O que eu faço agora? Aplaudo sua explanação? Esse é seu objetivo?

    Faça o seguinte, meu caro: Me envie seu manual de pensamento e prosa, a fim de que eu me enquadre e quem sabe eu possa agradar em próximos posts. Não se esqueça de nossa reunião semanal para fariseus internautas independentes, onde estaremos deliberando sobre argumentação especulativa, afim de quem sabe crucificarmos um novo cristo para nosso deleite...

    ResponderExcluir
  15. Mas não entres em questões loucas, genealogias e contendas, e nos debates acerca da lei; porque são coisas inúteis e vãs.
    Tito 3:9

    ResponderExcluir
  16. Deus me disse algo simples: casamento é o elo necessário para que, entre outras coisas, eu transe. Ponto.
    Casar para ele significa que eu eu me una ao meu marido em nossa casa e que assumamos isso de forma pública ... Isso, infelizmente no Brasil/América do Sul/Planeta Terra quer dizer: burocracia. Fazer o que. Prefirimos enfrentar a burocracia do que desobedecer ao nosso Deus.

    ResponderExcluir

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs