22 de ago de 2008

Impacto sobre os crentes

À medida que este movimento transformacional cresce, instigado pela renovação espiritual dos crentes, a experiência de fé dos cristãos e sua expressão serão substancialmente alteradas. Por exemplo, os crentes não terão uma instituição como a da igreja local para usar como muleta ou desculpa para uma fé tímida. Cada revolucionário consente em ser pessoalmente responsável pela sua condição espiritual - quer ela seja de crescimento ou estagnação. Queixas sobre o pastor, equipe da igreja, programas, ou outros obstáculos desaparecem das conversas: cabe agora ao crente aceitar ou calar-se. O fracasso em desenvolver uma vida espiritual robusta passa a ser responsabilidade da pessoa pretendida por Deus: você.
Esta mudança de responsabilidade afetará todas as dimensões da espiritualidade. Além do crescimento espiritual, os crentes terão a obrigação de realizar atos de serviço comunitário, promover o evangelho, ajudar a família a amadurecer a fé, adorar a Deus regularmente, desenvolver intimidade com Deus, compreender e aplicar o conteúdo das Escrituras, representar o Reino em todas as camadas da vida, investir cada recurso que administrarem pra obter resultados piedosos, e permanecer ligados a uma comunidade de pessoas que amam a Deus. Em vez de ficar à espera de que outros façam o trabalho; cada revolucionário deve lidar com a obrigação de ser a Igreja com dedicação e excelência.
Essa transforamação significa também que os crentes terão uma base muito maior de opções. O terreno das possibilidades não ficará mais restrito ao que uma congregação propõe, ou ao que suas agências denominacionais sugerem. Uma infra-estrutura global das atividades e alternativas revolucionárias irá emergir, tornando várias escolhas acessíveis. Em vista de a Revolução vir naturalmente a encorajar as pessoas com talento para áreas específicas a produzirem um ministério que utilize tais dons, a extensão e qualidade de opções expandirão a influência da Igreja e de cada crente.
Esperar que as crianças sejam levadas mais a sério como seres espirituais. Os revolucionários têm o dever de orientar a família a ser a Igreja de Deus. Em vez de entregar os filhos ao outros na esperança de que alguém faça algo que produza algum fruto, os revolucionários aceitarão o desafio de Deus para educar cada filho a tornar-se um campeão espiritual. A amplitude da Revolução colocará ampla assistência à disposição, a fim de satisfazer essa obrigação sem permitir que os pais abdiquem do seu dever.
No final, a Revolução transforma os crentes a fim de que eles possam transformar o mundo. A sua percepção da fé se torna mais real e pessoal. O seu relacionamento com Deus passa a ser mais natural e íntimo. A Bíblia vem a ser verdadeiramente para eles um livro de sabedoria para a vida, indispensável para viver com retidão e santidade. A própria existência do crente se transforma em um meio de adoração e evangelização(grifo meu). A fabricação de tendas - a prática de trabalhar em um serviço não-religioso como um meio de pagar as contas, facilitando o desejo do indivíduo de vir a ser um representante genuíno de Cristo no mundo - passa de uma estranha idéia do primeiro século para um estilo de vida definido e pessoal.

George Barna em Revolução. Págs. 113, 114 e 115. A importância da Revolução.

Um comentário:

  1. Obrigado por compartilhar trechos, sem você eu não teria nem noção do que é dito nesse livro.

    Já soube do Reimagining Church? O novo do Frank que está estourando nos EUA?

    Ahh, se tivéssemos acesso a todos esses livros, vou ter de esperar até sair em pdf e poder baixar...

    ResponderExcluir

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs