2 de ago de 2008

Suficiente Graça

Recentemente, eu e minha esposa reencontramos uma velha amiga que não víamos há algum tempo. Ela se submetera a uma cirurgia plástica que lhe fez muito bem. Estava alegre, falante, bem-humorada e mais disposta. Por muitos anos ela tinha sido uma pessoa complexada, bastante confusa em seus relacionamentos, mal-humorada, amarga e hostil, provavelmente em virtude de sua baixa auto-estima e de seu profundo sentimento de rejeição. Ficamos felizes ao vê-la bem.

Voltando para casa fiquei pensando no poder que a tecnologia tem para transformar as pessoas. Não pensei no poder de transformar o corpo, dar nova forma à estética ou corrigir anomalias, mas no poder de transformar a vida, os relacionamentos, a auto-imagem, as emoções e os sentimentos. Os recursos tecnológicos dos quais dispomos hoje têm este poder. São capazes de realizar sonhos que seriam impossíveis em outros tempos. E me refiro não apenas à cirurgia plástica, mas também a muitos outros recursos.
O que aconteceu com nossa amiga foi muito bom, mas fiquei me perguntando: Qual o sentido da graça de Deus numa sociedade tecnológica? Cresce, cada dia mais, a sensação de que aquilo de que necessitamos para a realização pessoal, felicidade ou segurança, não é mais a graça de Deus e seu amor revelado em Cristo Jesus, mas o acesso aos meios que nos garantirão a realização dos nossos sonhos. Parece-me que a linha que separa uma coisa da outra é estreita e cada vez mais confusa.
Imagino que para muitos cristãos pós-modernos a graça de Deus funcione como um facilitador, uma espécie de trampolim, o empurrão de que precisamos, mas ela, em si mesma, não é o que nos satisfaz ou realiza. Ela, em si, não é suficiente, não basta. Já não somos capazes de reconhecer, como Paulo, que a graça de Deus é suficiente.
Não pretendo protestar contra as vantagens que a moderna tecnologia nos oferece, embora muitas delas possam ser questionadas; minha intenção é voltar os olhos para a suficiência da graça de Deus e redescobrir seu significado hoje. Afirmar que a graça é suficiente, que ela, por si só, satisfaz plenamente o ser humano, é reconhecer a suficiência do amor de Deus revelado em Cristo. Quando Davi declara no Salmo 23: “O Senhor é o meu pastor e nada me faltará”, ele está reconhecendo a suficiência da graça de Deus. Certamente muita coisa falta na vida de Davi, mas ele reconhece que, tendo o Senhor como seu pastor, não lhe falta absolutamente nada.
Paulo escrevendo aos filipenses também reconhece: “Aprendi a viver contente em toda e qualquer situação. Tanto sei estar humilhado como também ser honrado; de tudo e em todas as circunstâncias, já tenho experiência, tanto de fartura como de fome; assim de abundância como de escassez; tudo posso naquele que me fortalece” (Fp 4.11-13).
A questão que quero levantar não é se devemos ou não usar os recursos tecnológicos, mas qual é a fonte de nosso contentamento. Por que já não somos capazes de viver contentes em qualquer circunstância? Por que nossa felicidade depende tanto do dinheiro e do consumo? Por que ficamos freqüentemente tristes ou frustrados por não ter o que os outros têm? Ou por nos acharmos fisicamente inadequados? Um dos sinais da vida que nasce da fé em Cristo é a alegria ou o contentamento que surgem da compreensão e aceitação do amor gracioso de Jesus Cristo.
Tenho certeza de que, no dia em que compreendermos o grande amor com que temos sido amados por Deus, a dádiva do perdão e da reconciliação, nossa participação na ressurreição de Cristo, o significado de termos sido aceitos como filhos e filhas amados de Deus, incluídos na comunhão e amizade eterna que Pai, Filho e Espírito Santo gozam, nossa realização, gozo e satisfação não mais serão determinados pelos ganhos que o mundo tecnológico nos oferece, nem mesmo pela realização de nossos sonhos, mas pela suficiente graça de Deus. Então poderemos dizer como Paulo: “Pela graça de Deus, sou o que sou”.


Ricardo Barbosa de Sousa, publicado no site da Editora Ultimato


Crtl+c, Ctrl+V do excelente: Caminhada Cristã


PS. A verdade é que a igreja evangélica, tal como a católica, ainda não conseguiu se satisfazer da/na graça.

Fonte: Celebrai!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs