15 de out de 2008

Toda nudez será castigada?


Todo mundo tem uma opinião sobre o manifesto contra a nudez no cinema e na TV, apresentado pelo ator Pedro Cardoso, na quarta-feira passada, no Festival do Rio.

Desde que ele afirmou -antes da sessão do filme "Todo Mundo Tem Problemas Sexuais", de Domingos de Oliveira- que a nudez "impede a comédia e o próprio ato de representar" e que ela vem sendo usada como recurso "para atrair público", o tema alimenta conversas entre atores, atrizes e diretores.

"Representar é se colocar nu. Essa postura de ator que renega o corpo me assusta. Achei tão moralista, tão absurda. É uma coisa retrógrada que, num certo sentido, avaliza a censura", diz o cineasta Carlos Reichenbach ("Garotas do ABC", "Falsa Loura"), em cujos filmes a nudez é comum.

"Conheço bem o Pedro Cardoso. Ele não é um moralista. A questão dele é política e trabalhista. Ele reclama da nudez como um apelo para ganhar dinheiro", afirma o cineasta Jorge Furtado, que dirigiu Cardoso em "O Homem que Copiava", no qual a personagem de Luana Piovani faz um strip-tease para o de Cardoso.

A cena é mostrada do ponto de vista de Luana. Ou seja, o que o espectador vê é a reação de Cardoso. "Aquele strip não precisa ser mostrado, mas precisa existir, para a [história da] personagem", afirma o diretor.

Furtado diz que "Pedro está exagerando bastante, mas é um exagero por um bom motivo, para se contrapor ao exagero que vem no sentido contrário --já que você não tem uma boa cena, bota alguém de calcinha e pronto, resolve".

O ator e diretor Hugo Carvana, cujo "A Casa da Mãe Joana", em cartaz, tem Cardoso no elenco e cenas de nudez de uma jovem atriz, diz: "É preciso que a nudez seja fundamental na trama, que seja importante a ponto de ser inevitável".

Carvana afirma que, "evidentemente, muitos filmes se aproveitam da nudez", mas teme que Cardoso tenha feito "uma generalização" inadequada. "Não sei se, no cinema brasileiro, toda nudez terá de ser castigada", diz, ressalvando que ainda busca entender o intuito do manifesto.

"Essas palavras não foram ditas por uma pessoa qualquer, mas por alguém que respeito como intelectual, como artista e como o homem ético que ele é", diz o diretor.

Vulgarização

A atriz Patrícia Pillar acha "muito bacana que isso parta de um homem inteligente, um artista como o Pedro".

Ela avalia que "há uma vulgarização, no audiovisual em geral, do nu ou da insinuação do ato sexual" e diz que "isso expõe pessoas que muitas vezes não estão dispostas a fazer [tais cenas] e acabam fazendo por uma situação de fragilidade".

"Nós, que estamos mais experientes, já conquistamos o direito de dizer não", diz Pillar. "Mas concordo com Pedro que esse é um direito que assiste não só a nós, mas a todos, inclusive as meninas de 20 anos que estão começando", afirma.

Helena Ignez, que, como atriz, já se despiu no cinema, e, como diretora, acaba de apresentar no Festival do Rio o longa "Canção de Baal", que traz atores e atrizes nus, afirma discordar da tese de Cardoso segundo a qual a nudez impede a representação, mas diz que "adorou" sua atitude.

"Ele está falando de pornografia. É muito sintético o que diz. Não é pequeno, provinciano. Deve ter vindo de uma verdade profunda. É surpreendente e inusitado, como ele, e uma defesa quase cômica das mulheres", afirma Ignez.

Namorada atriz

No manifesto, Cardoso deixa claro que o amor que sente pela namorada, uma atriz que ele não nomeia e que diz ver lutar diariamente no trabalho "contra a pornografia reinante", reforçou a preocupação antiga que ele tinha com esse tema.

Graziella Moretto, apontada como a namorada de Cardoso (ele não fala do assunto), está na atual novela das sete da Globo, "Três Irmãs", e rodou sua primeira cena de nudez no cinema em "Feliz Natal", dirigido Selton Mello (o suposto diretor atacado por Cardoso).

A Folha acompanhou as filmagens de "Feliz Natal" no dia em que a cena de nudez de Moretto foi rodada. Na ocasião, Mello contou que, nas folgas das filmagens, ele convidava toda a equipe para assistir, em sua casa, a versões prévias do filme, que ele mesmo editava.

O manifesto de Cardoso cita "sessões privês" para exibir a nudez de atrizes que "cineastas de primeiros filmes" realizam para amigos. E fala em "disfunção sexual" de diretores e roteiristas que promovem essas "cenas macabras". A Folha tentou ouvir Mello, sem sucesso.

Quanto ao aspecto trabalhista do manifesto de Cardoso, Reichenbach desafia: "Vai dizer isso para o Antunes Filho [do Centro de Pesquisa Teatral], vai dizer para o Zé Celso Martinez Corrêa [do Teatro Oficina]. Ele não trabalha. Ficará fazendo TV, numa limitação profunda de campo de trabalho". A Folha disse.

"É estúpido! Uma besteira, uma loucura, uma volta à Inquisição", reage Zé Celso. Para ele, "o melhor figurino que existe é o nu. Não é a roupa que faz a interpretação. Você pode, nu, fazer uma cena como um pudico, envergonhado, ou, ao contrário, um exibicionista".

O diretor do Oficina afirma que Cardoso, "que é um bom ator de comédia de costumes", tem "todo o direito de ter pudor e não querer ficar nu, mas fazer manifesto é coisa de velha, de tia". Antes de iniciar a leitura de seu manifesto no Cine Odeon, Cardoso avisou que era "muito inesperado" o que iria dizer, afirmou que não tinha a expectativa de "ser compreendido", mas esperava provocar "a discussão". Isso ele conseguiu.

fonte: Folha Online
[via Pavablog]

P.S.: Eu sempre ficava imaginando um filme épico baseado na obra de Salomão, Cantares. Daí eu pensava: será que dava pra fazer? Tipo, uma produção cristã e tal... Afinal, o "tchan" do livro é a sensualidade, o tom erótico e romântico de dois apaixonados!
Como ficaria um filme desse sem uma "certa nudez" artística? :P
Há diferença entre nu artístico e pornografia?
Qual é a opnião de vocês que me leem?

4 comentários:

  1. Bom saber que vc também é de Anápolis! Seu blog é muito bom também, sempre passo por aqui!

    Abraço!

    http://neriojunior.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Não sei, mas pode haver diferença entre nudez "artística" e pornografia na intenção da produção, mas não no efeito sexual em quem assiste. A exibição da nudez total não é necessária em nenhuma história. É possível saber que alguém está nu sem ver tudo. É possível saber que um casal está fazendo sexo sem mostrar o ato. Nudez e sexualidade são para ser vividas a dois, não na tela.

    ResponderExcluir
  3. Moooooooooooçooooooooooo...
    Esse negócio de nú artistico não existe, existem artes com pornografias, rsrsrs...
    A pornografia é a nudez inapropriada. Para mim, a nudez é inapropriada quando não tem o intuito de "consumar" o sexo. Quando o intuito é só se exibir ele sempre será sensualizar e a sensualidade deliberada é pecado!!! O "despertar" a imaginação através de uma arte de nudez, seja um quadro, uma estátua, um vídeo, etc, é escancarar as portas da lascívia...
    Um abraço!

    ResponderExcluir
  4. Ééééé... É igual a parada lá do negócio que não foi feito, sabe?
    eu acho que o Augustinho é tipo aquele cara, sabe?
    _Sei não

    ResponderExcluir

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs