30 de nov de 2008

Dizem: Somos abençoados nos dízimos!

Será mesmo?

Então porque Jesus assim nos ensina:

“Mas, buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas. Não vos inquieteis, pois, pelo dia amanhã, porque o dia de amanhã cuidará de si mesmo. Basta a cada dia o seu mal” (Mateus 6.33,34)??

“Porque nada trouxemos para este mundo, e manifesto é que nada podemos levar dele. Tendo, porém, sustento, e com que nos cobrirmos, estejamos com isso contentes.” (1Timóteo 6.7,8)??

“Sejam vossos costumes sem avareza, contentando-vos com o que tendes; porque ele disse: Não te deixarei, nem te desampararei.” (Hebreus 13.5)??

Quantos milhares têm afirmado que estão sendo abençoados por Deus através de seus dízimos, já li e recebi diversas mensagens a favor deste assunto, recebo críticas e mais críticas quando falo neste assunto, o dízimo... Porque minha insistência em novamente falar de dízimos? Por mandamento de nosso Senhor e Mestre, “pregues a palavra, instes a tempo e fora de tempo, redarguas, repreendas, exortes, com toda a longanimidade e doutrina” (2Timóteo 4.2) , milhares estão andando em engano...

Examinemos as poucas passagens do dízimo no Novo Testamento, pois, como sabemos, os dízimos, pertencem à lei mosaica/cerimonial, “A lei e os profetas duraram até João...” (Lucas 16.16):

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! pois que dizimais a hortelã, o endro e o cominho, e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; deveis, porém, fazer estas coisas, e não omitir aquelas.” (Mateus 23.23)

– nesta passagem, Jesus adverte aos escribas e fariseus, versados na lei, e não aos gentios, a nós, o Mestre os alerta a que, como praticavam a lei judaica, dizimar, também deveriam praticar o mais importante, o juízo, a misericórdia e a fé, o que escribas e fariseus negavam!

“Jejuo duas vezes na semana, e dou os dízimos de tudo quanto possuo.” (Lucas 18.12)

– neste relato, Jesus discorre sobre a parábola do fariseu e do publicano, e que o justificado foi publicano arrependido e não o que dizimava, pois nada mais fazia, do que se exaltar!

“A quem também Abraão deu o dízimo de tudo, e primeiramente é, por interpretação, rei de justiça, e depois também rei de Salém, que é rei de paz;” (Hebreus 7.2)

– nesta ocasião, quando Abraão dizimou, Israel ainda nem havia sido constituído, somente era uma promessa, muito menos as leis mosaicas/cerimoniais haviam sido entregues ao povo de Deus, nem havia o Templo, os sacerdotes e os levitas, para que os dízimos pudessem mantê-los...

Portanto, seríamos mesmo abençoados por dizimar??

“O qual nos tempos passados deixou andar todas as nações em seus próprios caminhos. E contudo, não se deixou a si mesmo sem testemunho, beneficiando-vos lá do céu, dando-vos chuvas e tempos frutíferos, enchendo de mantimento e de alegria os vossos corações.” (Atos 14.16,17)

“Porque faz que o seu sol se levante sobre maus e bons, e a chuva desça sobre justos e injustos” (Mateus 5.45)

Se discordar de meu entendimento, abro este espaço para que possamos, no campo das idéias, discutirmos sobre este tão importante assunto, ofertar a Deus!

A graça de nosso Senhor Jesus Cristo seja com todos vós. Amém.

James em Jesus, o maior amor


P.S.: Um textículo legal sobre esse assuntozinho batido que não mexe com os ânimos de praticamente ninguém, né?! rs... Vamo fazer o seguinte, ninguém entrega (ou devolve, ou paga, etc) o dízimo pelo menos nesse mês, e doa pra ajudar o pessoal de Santa Catarina... aí melhor do que dizer, "Somos abençoados no dízimo", seria dizer, "Abençoamos os outros com o dízimo"

3 comentários:

  1. Não entendi o que ele quis dizer. Sinceramente. rsrs.

    Na minha opinião o dízimo não faz parte da lei mosaica, pois a antecede, e foi entregue por Abraão a Jesus: a Melquisedeque.

    Todavia... o espírito da Lei é que carrega estas preocupações em contar as folhas de hortelã para dar o dízimo meticuloso. O dízimo é quantia pedagogica, e a motivação não deve ser, conforme a lei é, de cumprir uma obrigação, mas sim de doá-lo por gratidão a Deus e por desejo de abençoar o próximo e lutar pela justiça em um mundo de tanta desigualdade.

    Um estudo meticuloso prova que a quantia do dízimo é inclusive maior do que 10%, todavia o espírito da Graça não é esse de medir quantias, mas de crer de fato que dar é melhor do que receber.

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Realmente é difícil de entender, principalmente quando se diz que o dízimo, é mais que 10%...

    Também discordam que, o dízimo é a parte, tanto das colheitas como dos animais, que os israelitas ofereciam a Deus (Levítico 27.30-32), era usado para o sustento dos levitas (Números 18.21-24), dos estrangeiros, dos órfãos e das viúvas (Deuteronômio 14.28,29)??????

    Talvez um estudo meticuloso nos mostrará que o dízimo será vintízimo, ou trízimo, ou tetrízimo, ou examinemos as Sagradas Escrituras...

    ResponderExcluir
  3. caríssimos leitores, é muito bom se falar num assunto tão complexo. eu sou dizimista, mas se a igreja quiser dar outro nome, eu não vou ficar zangado. o que na verdade está acontecendo é que alguns líderes (em sua maioria), nos chamam de idiotas na cara e nós não falamos nada. ora, dizer que o dízimo é válido para o novo testamento pelo fato de abraão ter dizimado antes da lei, signicaria dizer que a poligamia tambem é váliva, o sacrifício de animais, a circuncisão, a guarda do sábado, etc...sou dizimista porque quero ser, e sei que DEUS se agrada disso, porque com o dízimo sustentamos a obra do SENHOR, mas eu não sou abençoado pelo dízimo, sou abençoado por JESUS, não foi o dízimo que morreu na cruz por mim, mas sim, JESUS. o mais engraçado, é que o dízimo propriamente dito, é para dar alimentos aos pobres, viúvas, órfãos, estrangeiros e levitas. eu pergunto: já que estão chamando os músicos de levitas, será que as igrejas dão algum sustento à estes? na minha igreja por exemplo, até as cordas das guitarras quem compra são os próprios levitas.

    ResponderExcluir

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs