12 de dez de 2008

Tatuagem ou Piercing?

Não sei quanto a você, mas eu não gostaria de passar pela vida como apenas um número, ou como se fosse uma batata, que nasce, cresce se reproduz e termina seus dias, descascada e numa sopa ou ensopado. Não estou me referindo a fazer sucesso, ser conhecido mundialmente e coisas parecidas, pelo contrário.

Estou falando na realidade, de marcar vidas. Imprimir valores eternos nas pessoas mais próximas de mim. Esse final de semana passado, recebi a visita de um casal muito amigo. Ficamos lembrando coisas do passado, nossas histórias, rimos muito, também choramos. Foi muito bom tê-los aqui. Mas tem uma coisa que ficou latente nessa visita. Nós (eu e Cléa) marcamos a vida deles. Não fizemos isso de forma consciente, mas foi na realidade, a expressão do amor pela vida deles. E isso faz muita diferença.

Podemos passar pela vida das pessoas, como passageiros de um trem ou ônibus, sem nenhum compromisso, sem nenhum interesse. Ou seja, estamos no mesmo lugar pela coincidência dos fatos e horários, e só isso. Elas não se aprofundam em minha vida, e eu não me aproximo delas. É um espaço não declarado de segurança individual, mas que todos conhecem. Mas relacionamentos requer profundidade. Requer tocar em assuntos delicados, sentir raiva, sentir compaixão, ser humano na extensão completa da palavra.

Li recentemente um texto, infelizmente não me recordo onde, falando sobre as palavras coexistência e convivência. A primeira precede a última, mas não substitui. Coexistência todos nós praticamos quase todos os dias. Basta estar em pé num vagão do metrô ao lado de pessoas diferentes de você, mas que necessariamente você não precisa amar nem conhecer. Convivência requer mais profundidade, requer perdão e amor.

Usei a alusão da tatuagem e do piercing, justamente pela diferença entre marcar e apenas constar. Calma que eu explico. Apenas constar particularmente significa, apenas existir, ou seja, você sabe que as pessoas estão ali ao seu lado e só. Nem você faz diferença na vida delas, nem elas na sua. Como um piercing. Ele está ali, furado em algum lugar do seu corpo, você sabe que ele existe, mas se você quiser, é só tirar e pronto, ele não está mais lá. Ou seja, é um acessório descartável, podendo ser eliminado a qualquer momento e por qualquer motivo.

Já a tatuagem é diferente. Você também sabe que ela está lá, mas é impossível ficar indiferente a ela. Mesmo que você deseje, não dá para retirar ou extrair o desenho de lá, pois a marca é profunda. E todas as vezes que você olhar para ela, vai se lembrar quando, onde e quem fez a tatuagem. Mesmo com os progressos da medicina estética, não é possível eliminar um desenho de tatuagem assim tão facilmente.

É assim que eu desejo ser na vida das pessoas. Uma tatuagem. Que eu possa imprimir valores eternos não só na minha vida, mas na vida das pessoas que eu amo e ainda nas pessoas que eu ainda vou conhecer. Assim como Paulo declara possuir as marcas de Cristo em seu corpo, eu também quero ter e marcar outras pessoas com esse mesmo desenho.
Um desenho de liberdade, amor e salvação

fonte: Nitrogênio

P.S.: Realmente é importante refletir em como temos marcado as pessoas que se achegam a nós. E que tipo de marcas temos deixado nelas...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs