31 de out de 2008

Dia da Reforma Protestante...


P.S.: Goooood idea! :) 31 de Outubro de 2008: Dia da Reforma e Halloween... Bizaaaaaroo... rs

Disciplinas espirituais

"Fico surpreso por a Igreja não ter reagido ao tumulto do século que termina com um movimento rumo à solitude. Elias, Moisés e Jacó encontraram-se com Deus quando estavam sozinhos. O apóstolo Paulo, João Batista e o próprio Jesus saíram para o deserto em busca de alimento espiritual.
É fato certo que dominamos a relevância. As páginas de organizações religiosas na internet são um primor técnico. Novos grupos de música cristã brotam aos montes, em resposta à menor alteração cultural. O que aconteceria se buscássemos um pouco de irrelevância?

O que aconteceria se todos os cristãos fizessem uma caminhada de duas horas pela natureza todas as semanas, sem falar? Ou se, como Gandhi, observássemos um dia de silêncio? Ele escolheu as segundas-feiras. O que aconteceria se ficássemos em silêncio todos os domingos, depois da Escola Dominical? Sendo ainda mais radical, o que aconteceria se silenciássemos todos os eventos esportivos da televisão e do rádio nos domingos?

É melhor que eu pare por aqui. Como os eremitas nos mostram, essas disciplinas espirituais podem sair de nosso controle.!

Parte do Texto de Phillip Yancey retirado do site Cristianismo Hoje [via Princess Blog]

P.S.: Disciplina espiritual é algo que venho lutando para ter. Se os eremitas mostram que disciplinas espirituais podem sair de nosso controle, eu posso mostrar que a falta delas também podem fugir muuuito do nosso controle!

Pos(bos)tando 2











“A cerveja e a cachaça são os piores inimigos do homem. Mas o homem que foge dos seus inimigos é um covarde.”

anônimo [Frase do dia no Pavablog]

O momento detalhado... A questão não é beber, é apreciar!

Daniel Babugem no Fadário

P.S.: Quão bom e quão maravilhoso é que os irmãos vivam (bebam - rs) em união. Meu primo e eu nos momentos mais reflexivos: Deus, Igreja, Sexo, Filmes, Dinheiro... divagamos enquanto apreciamos!

Pos(bos)tando da última vez

Oração de Sexta-feira


Meu Deus... Estou te escrevendo porque não consigo comunicar de outra forma mais digna e mais pessoal, já que o cara de pau aqui, não consegue falar direito com Quem está ao seu lado...

Sinto arrepios quando falo com você, sinto amor, sinto a distância entre nós dois, mas a sinto diminuindo, apesar de nunca ter conseguido faze-la desaparecer...

Poxa, hoje é sexta-feira e é maravilhoso saber que amanhã não acordarei às 06h da manhã nesse horário cão de verão que não é culpado da minha preguiça.

Meu Deus... me ajude a olhar para o que é importante, me ajude a descobrir o que é importante, relevante...

Eu quero acordar e viver com menos hipocrisia...

Abençoe a saúde das minhas meninas e de nossa família. Abençoe nosso trabalho e não nos deixe distrair ao ponto de esquece-Lo.


Valeu e amém...

Daniel Babugem no Fadário

30 de out de 2008

Teologia da prosperidade? Eu não! Mas, vai um consórcio aí?

Não resisti! Depois de assistir ao vídeo do pastor metrossexual Marco Feliciano e ler o artigo que saiu no UOL, comentei no site do próprio, onde eles tentam argumentar em defesa própria.

Se quiser ler o artigo do UOL clique aqui. Para ler a defesa no site do Marco Feliciano clique aqui.

Segue o comentário que enviei:

"No artigo, o jornalista acusa o pastor Marco de usar a Teologia da Prosperidade, algo irreal no seu caso."

R: Irreal? Peraí, só nesse texto apologético podemos encontrar resquícios da "Teologia da Prosperidade":

1. "promessas de prosperidade para seu povo, o escolhido."
R: Concordo que Deus recheou Israel de promessas com fins nessa Terra. Mas, a maioria das promessas para o povo da Nova Aliança são: "passareis por aflições, é muito difícil um rico entrar no Reino, sois cordeiros no meio de lobos, serão perseguidos, não ajuntai tesouros na Terra porque serão consumidos, etc, etc. Basta ler as Escrituras com um pouco de coerência e nota-se que as melhores promessas para nós, a Igreja, são espirituais e para o porvir da Glória de Deus! Notavelmente o foco das bençãos não é material, mas, espiritual. Nada de errado em ser próspero financeiramente... errado é dizer que Deus tem por obrigação fazê-lo próspero em troca de sua fidelidade.

2. "melhor da Terra” não fosse destinado aos Seus filhos.
R: Esse é outro traço da Teologia da Prosperidade. Apelam para o "status" de filhos de Deus para requerer tratamento especial, bençãos, milagres e prosperidade.

3. O artigo diz que o pastor Marco “garante que Deus atenderá a todos os pedidos de "fiéis", "perseverantes" ou "valentes"”. E garante, sim, baseado na Bíblia, que quem tem fé pode alcançar qualquer coisa que pedir em nome de Jesus. E é em Seu nome que conclama as pessoas a realizarem seus sonhos, não comprando terrenos no céu, mas utilizando o consórcio, uma prática comum no mercado e submetida a rigoroso controle.
R: Aqui concorda-se com o artigo. Alguma dúvida? E quanto a vender terrenos no céu, fala sério! Essa é medieval, ninguém vai cair mais... (se fosse nova, apostaria minhas baquetas de ainda usariam tal recurso)

4. As contribuições feitas pelos irmãos são voluntárias e têm destino conhecido: a manutenção do próprio programa de TV, que custa cerca de R$ 200 mil mensais.
R: Até hoje não entendo porque manter um programa que descaradamente enriquece aos próprios com venda de produtos que servem de "benção" para o pobre povo comprar com o que não resta de seus salários mínimos. R$200 mil? Dava pra ser muito mais cristão com isso vocês não acham?

5. A Palavra não é vendida, pois recebida de graça, de graça é passada. O pastor Marco Feliciano anuncia em seu próprio programa produtos desenvolvidos por profissionais, que utilizam os melhores recursos para apresentar aos irmãos artigos de qualidade, sejam DVDs de mensagem, CDs, livros ou o curso de teologia. Aliás, caso o jornalista Ricardo Feltrin está convidado a conhecer mais sobre a Palavra, e teremos o maior prazer em tê-lo como aluno no Instituto Teológico Carisma.
R: É muita cara-de-pau ainda dizer que a Palavra não é vendida e logo depois falar que você pode adquirir as melhores e mais ungidas pregações de "profissionais" da fé... Paulo perdeu muita grana deixando os outros ganhando dinheiro às custas de suas cartas. E pra desgraçar tudo, ainda fazem mais um "Merchan" do Instituto Teológico Carisma. Toda oportunidade é oportunidade mesmo, hein!

6. Ex-estudante de teologia, conforme consta na pequena biografia do jornalista, Feltrin deveria dedicar-se mais a tais estudos para que não confunda as pessoas que possam ter acessos a seus escritos, neste caso, carregado de ironia e desrespeito a algo que não conhece.
R: Aqui neste texto fala-se que o "articulista" da UOL não tem conhecimento tácito sobre o que escreveu. Mas, nessa ínfima defesa, quem mostra-se sem conhecimento de causa é quem o escreve. Contradizendo-se em seus argumentos dizendo que não adotam a Teologia da Prosperidade, e decorando o texto com reflexos da mesma.

Um grande abraço e que o Espírito possa conseguir falar mais alto em vossos corações. (quem sabe se o pr. Marco Feliciano gritar menos?)

U2 atrasa novo álbum até 2009

Lançamento era previsto para antes do período de Natal.
Porta-voz diz que músicos 'continuam trabalhando' no disco.

A banda irlandesa U2 atrasará o lançamento de seu próximo álbum até o início de 2009, conforme anunciou nesta quarta-feira (29) um porta-voz do grupo.

O porta-voz não deu detalhes sobre as causas do atraso, embora tenha indicado que Bono e companhia "continuam trabalhando" no primeiro disco desde "How to dismantle an atomic bomb", de 2004.

Em princípio, esperava-se que o novo disco estivesse à venda antes do Natal, aproveitando o lucrativo período.

A legião de fãs do quarteto completado por The Edge (guitarra), Adam Clayton (baixo) Larry Mullen Jr. (bateria) deverá, no entanto, esperar até o próximo ano, reiterou o porta-voz.

"Não temos ainda uma data para o lançamento deste álbum, ainda estão trabalhando, talvez até o Ano Novo", explicou.

A maior parte do novo álbum foi gravada nos estúdios de Hannover Quay.

fonte: G1

P.S.: Aff, vou ter que esperar mais? rs

Primeiras imagens oficiais de "Anjos e Demônios"

Foram divulgadas as primeiras imagens de "Anjos e Demônios" filme que adapta o livro de ficção homônimo de Dan Brown. O longa, ao contrário dos livros, será uma continuação de "O Código DaVinci".

A trama gira em torno de uma ameaça que pode destruir a Cidade do Vaticano. Às vésperas do conclave que elegerá o novo Papa, Robert Langdon (Tom Hanks, de "Náufrago") é chamado às pressas por Maximilian Kohler para analisar um símbolo marcado a fogo no peito de um físico assassinado no CERN, um grande centro de pesquisas na Suíça.

Ele descobre que a assinatura marcada no corpo da vítima - um ambigrama, palavra que pode ser lida tanto de cabeça para cima quanto de cabeça para baixo - é dos Illuminati, uma poderosa fraternidade considerada extinta há 400 anos. De posse de uma nova arma devastadora, roubada do centro de pesquisas, ela ameaça explodir a Cidade do Vaticano e matar os quatro cardeais mais cotados para se tornarem o novo Papa.

Para impedir que isso ocorra, Langdon vai a Roma junto com Vittoria Vetra (Ayelet Zurer), filha do físico assassinado, para avisar o carmelengo Carlo Ventresca (Ewan McGregor, de "O Sonho de Cassandra”). Numa caçada frenética por criptas, igrejas e catedrais, os dois desvendam enigmas e seguem uma trilha que pode levar ao refúgio dos Illuminati.

"Anjos e Demônios" é dirigido por Ron Howard ("Uma Mente Brilhante") e tem roteiro de Akiva Goldsman ("Eu Sou A Lenda"). A produção deve estrear no Brasil no dia 15 de maio do próximo ano. Veja as imagens abaixo:











Fonte: Cinema com Rapadura [via AntenA CristÃ]


P.S.: Quando saiu o Código Da Vinci foi aquela polêmica... acabei não assistindo porque muita gente tava falando que era ruim e não compensava! Não sei porque fui na onda dos outros... depois de um tempão decidi assistir! E, putz, gostei muito...
...não vou cometer o mesmo erro dessa vez. :)

Saw School Music

E se "HIGH SCHOOL MUSIC" e "JOGOS MORTAIS" fossem um filme só?!? Qual seria o resultado?

esse:



Obs: Jogos Mortais 5 entra em exibição nos cinemas na próxima sexta (31/10)

Vi lá no Papibakigrafo

Prefiro não ser Gospel




Quando não éramos o mercado 'gospel', comprávamos bíblias para ler e estudar, e não para colecionar.

Comprávamos CDs pela profundidade das letras e espiritualidade dos cantores, e não pela fama dos artistas.

Abríamos novas igrejas para alcançar os que não conheciam a JESUS, e não por causa de uma nova visão que causou divisão.

Cada pastor estudava a Bíblia e ouvia o Espírito Santo para pregar a cada semana, e não simplesmente reproduzia a mensagem pronta recebida do seu bispo ou apóstolo.

No tempo em que não éramos 'gospel', pastor ainda era respeitado e podia comprar a crediário.

Não tínhamos bancada evangélica, que segundo a imprensa, só gera escândalos.

Não precisávamos de prêmios para artistas e escritores de sucesso ou para igrejas que se tornaram famosas.

No tempo em que não éramos 'gospel', o show ainda se chamava louvorzão, não cobrava ingresso e não precisava de camarote vip para os artistas.

Hoje os resultados da febre 'gospel' mostram gráficos cada vez mais animadores para os empresários.

No entanto, no tempo em que não éramos 'gospel', os resultados para o Reino eram mais consistentes.

Nesta era 'gospel' nos orgulhamos de ter milhares de igrejas e milhões de crentes, mas não nos envergonhamos da 'corrupção gospel'.

Nos orgulhamos por estar no rádio e na tv, mas não nos envergonhamos por termos diminuído o número de missionários no Brasil e no mundo.

Nos orgulhamos de estar mais próximos aos governantes para orar com eles, mas não nos envergonhamos de que um avivamento ainda não aconteceu em nossa nação por falta de oração e quebrantamento da nossa parte.

A igreja evangélica brasileira se tornou grande e obesa, mas sem agilidade para provocar transformações.

Ela corre o risco de girar em torno de si mesma.

Enquanto esta igreja gigante e cheia de potencial não acordar para um quebrantamento do Espírito, vamos nos encantar com nosso gigantismo, mas não seremos efetivos em nosso impacto.

Eu prefiro não ser 'gospel' no sentido em que esta palavra é usada hoje!!!

Créditos: Evangelho da Vida [via Caminhando na Graça, de graça]

Brian Welch - ex Korn


Matéria da MTV americana reporta que o guitarrista Brian "Head" Welch, um dos membros fundadores dos KORN, deixou a banda e vai dedicar sua vida ao Cristianismo.

Em nota oficial, o grupo diz que rompeu com Brian, já que ele escolheu Jesus Cristo como seu Salvador, afirmando ainda que respeita a decisão do guitarrista, desejando que ele encontre a felicidade que procura.

Na matéria consta que Brian, que viajou para Israel no passado dia 28, onde fez questão de ser batizado, teria inúmeras razões para sair da banda, principalmente objeções morais relativas à música e aos vídeos da banda.

Brian fez um depoimento na igreja que passou a frequentar e cerca de 10 mil fãs apareceram por lá para ouvirem o guitarrista que deixou as drogas, as ideias suicidas e o vício por dinheiro.

Numa entrevista Head contou que agora quer investir todos os seus lucros em benefícios para a sociedade, que vão desde pistas de skate para os jovens e até construção de igrejas.

Brian planeia lançar um novo trabalho , comentando que as músicas vão ser uma extensão do que fazia no Korn mas com letras falando da sua experiência e com um som politizado, incluindo uma versão de "With or Without You" do U2.

Se quiserem conhecer mais do Brian visitem o site.

fonte: jc forever

P.S.: Bom, já faz um tempinho que o Brian pulou fora do Korn... e muito me agrada saber que o cara tá sabendo ser útil - sal da terra - e relevante para a galera que curte o tipo de som que ele faz. Já postei aqui sobre a polêmica que os "crentes" estão fazendo por causa do clipe Flush do Brian "Head".

29 de out de 2008

E se a gente quisesse falar com Deus?!

vi lá no Molho Shoyu

P.S.: A Religião conduz a um "Deus" longínquo e barganhador... precisamos de escadas - leia-se ritos, liturgias, tradicionalismos, programas, ladainhas, etc - para tentar falar com este "Ser" que só devota tempo e benção em troca de boa conduta e auto-sacrifício.

O Evangelho trata do Deus Emanuel - Deus conosco. Trata do Deus-Homem Jesus! Trata do Deus que ama e que ser amado. Que quer relacionamento e confiança... Trata do Deus que conhece profundamente nosso ser... Trata do Deus que dispensa o uso de escadas para que venham até Ele...

Infelizmente tem muita gente que ainda prefere usar escadas... fazer o quê?

Adorador orgânico

adoorganico.jpg

Na ordem divina, a vida produz seu próprio organismo, seja um vegetal, um animal, um ser humano ou um espiritual. Isto significa que tudo vem do interior. A função, a ordem e a fruta emitem e emana essa lei. A cristandade organizada inverteu inteiramente esta ordem. Infelizmente.

A frase, “igreja orgânica” é uma frase que gera desconforto e faíscas. Eu ainda procuro achar tempo e descobrir uma frase que fale sobre isso porem sem provocar faíscas e desconfortos.

“Igreja orgânica,” significa uma igreja não-tradicional que nasceu naturalmente com uma vida espiritual em vez de algo construído pelas instituições humanas e mantido por unidades religiosas. A vida de igreja orgânica é uma experiência com bases no que as pessoas estão sentindo e no relacionamento frente a frente, cada pessoa em sua individualidade, as reuniões são participativas, a liderança não é hierárquica, e a centralidade e a supremacia é Jesus Cristo como o líder e a cabeça funcional do corpo.

Uma outra maneira de enxergar a vida da igreja orgânica é a “experiência” do corpo de Cristo.

Vou tentar usar uma ilustração, se eu tentar criar uma laranja em um laboratório empregando a capacidade humana e habilidades de organização, a laranja criada no laboratório não é orgânica. Mas se eu planto uma semente alaranjada na terra que produz uma árvore alaranjada, a árvore é orgânica.

Uma igreja orgânica é uma que é produzida naturalmente quando um grupo de pessoas encontrou Jesus Cristo fazendo com que “DNA do IDE” aja livremente sem burocracias e obstáculos. Resumindo, “a igreja orgânica” descreve sendo um tipo de igreja que personifica o ensino bíblico mostrando a igreja como um organismo espiritual e não uma organização institucional.

A igreja orgânica não é um teatro com um certificado. É uma viagem espontânea do estilo de vida de Jesus fazendo com que eles realmente sejam discípulos.

Uma igreja orgânica pode ser contrastada com “a igreja institucional.” “Pela igreja institucional,” significa que ela foi criada por uma organização humana, pela liderança denominada corrente/comando, e por programas institucionais. Com uma liturgia que marca uma ordem semanal de adoração. É controlada por uma organização hierárquica invertida. A igreja institucional foi chamada frequentemente “a igreja tradicional,” “a igreja organizada,” e “a igreja da audiência.” As pessoas que vão prestam atenção a um desempenho religioso uma vez durante a semana, e então voltam para suas casas para viver suas vidas cristãs individuais.

A liderança é hierárquica na igreja institucional e os cristãos são divididos em “membros” e “liderança”. Algumas igrejas institucionais têm reuniões de grupo pequenas fora das paredes da igreja durante a semana onde os membros começam a ter um gosto por uma vida em comunidade. Alguém é sempre “responsável,” e o grupo está finalmente sob a autoridade e as limitações do pastor ou da liderança em si.

Nós podemos pensar na diferença entre igrejas orgânicas e igrejas institucionais dessa maneira. Quando as pessoas que querem adorar a Deus montam junto com base nos princípios de organização como por exemplo a General Motors e Microsoft, nós chamamo-lo uma igreja institucional. Mas quando as pessoas querem adorar a Deus e se reúnem juntos com base na vida de Jesus Cristo, nós chamamos de uma igreja orgânica.

Um dos erros comuns que é feito hoje é confundir todos os grupos caseiros com igrejas orgânicas. A razão é simples. Não são todas as reuniões que acontecem em uma casa que significa que é uma igreja orgânica. Alguns são completamente institucionais.

Fico me perguntando frequentemente “Como uma reunião em casa pode virar uma igreja orgânica?” Isso é impossível de responder por que o termo “igreja orgânica” é tão complexo que é possível numerar as variações desse nome, tudo pode ser orgânico. Na minha mente é como perguntar como que uma igreja orgânica funciona é só como olhar para uma planta e perguntar até onde vai dar essa pequena plantinha. Há tipos incontáveis das plantas, ervas daninhas, arbustos, árvores, arbustos, videiras, etc. Na mesma maneira, há uns tipos incontáveis de igrejas orgânicas.

“A igreja orgânica,” conseqüentemente, descreve melhor os tipos de igrejas que eu e muitos outros cristãos pelo mundo experimentaram, viveram e estão vivendo neste exato momento.

Jota Mossad [via Princess Blog]

P.S.: "A igreja orgânica não é um teatro com um certificado. É uma viagem espontânea do estilo de vida de Jesus fazendo com que eles realmente sejam discípulos". O potencial da comunidade dos crentes que são livres das amarras institucionais é algo que vêm me surpreendendo bastante. O alcance pessoal é muito mais intenso. Enquanto que uma "igreja institucional" visa alcançar as massas, uma "igreja orgânica" visa alcançar os próximos. Particularmente acho que o discipulado pessoal, embora sendo em menor escala, apresenta muito mais resultado que o discipulado coletivo que é indiferente à individualidade de cada discípulo.

28 de out de 2008

A vida é nosso culto...

A amizade nasce no momento em que uma pessoa diz para outra: O quê? Você também? Pensei que eu fosse o único!

C.S Lewis


Tive que postar essa frase do Lewis e dedicar a vocês... é assim que acontece quando formamos uma Igreja e conversamos sobre o Papai. São momentos de puro deleite, identificação...obrigado!

Fernanda no Princess Blog


P.S.: Realmente em tempos onde não cultiva-se mais amizade, mas networking, é muito bom e agradável estar junto com os irmãos... Deixo aqui também meu sincero carinho por vocês!

foto: esq p/ dir -> Daniel, Kamyla, Vitória(na Kamyla ainda - rs), Eu e Fernanda

27 de out de 2008

Reinício




Deus era alguém que eu beijava à força, parecia que eu o forçava ficar perto de mim, eu até me enganava acreditando que ele estava perto de mim, mas a gente não força ninguém gostar de ficar perto da gente, isso tem que ser natural.

Aí Deus passou a ser para mim um cara que ficava por perto quando eu parava de pensar em coisas sensuais e pecaminosas.

Depois de um tempo ele passou a ser mais próximo e eu comecei acreditar que a gente poderia ser amigo, me apaixonei por Deus e não queria mais nada a não ser ficar trancado no quarto com ele, valeu muito pela renúncia.

A paixão ficou doentia e não queria dividi-lo com mais ninguém, até pensei que sua opinião só era dividida comigo, Deus se tornou uma obsessão.

Já acreditava em uma só maneira de ficar com ele. Eu me perturbava quando não fazia o nosso encontro padrão. Meu jeito de encontra-lo virou uma perturbação.

Cresci, a perturbação e a obsessão deram lugar a preocupação intensa, mas nada de obsessão (um amante moderado) só que isso foi passando e eu não me perturbava mais em ficar um dia longe dele, achei que eram tudo coisas da maturidade, coisas que acontecem quando a gente se casa e vira homem, mas me reencontrei com um menino abandonado nas ruas espirituais, regredido em dignidade de amor, na amizade com Deus, no meu limite do distanciamento.

Não sabia de nada, mas sabia falar com ele. Raramente sabia ouvi-lo, mas isso era melhor que não saber nenhum dos dois. Era apenas um surdo em tratamento, por minha indiferença tornei-me mudo e agora sinto minha visão se escurecer também.
Espero que Deus também tenha doutorado em fonoaudiologia para me ajudar reabilitar.

Agora me lembro arrependido do pedido que fiz a ele e eu mesmo tratei de realizar. Perder o que aconteceu entre a gente para poder começar tudo novamente, de uma maneira que entendia correta e que agora nem sei se é mais.

E agora, o que vou fazer? Estou no reinício que começou em meu desmoronamento...

Daniel Babugem no Fadário

P.S.: Não é fácil começar do zero... nunca é fácil! Mas, se eu posso tentar, porque não tentar?

Oração de Segunda-feira


Oração de Segunda-feira... 27.10.2008


Eu te peço que a semana seja melhor que a passada. Que eu diminua meus palavrões pois minha filhinha já ouve as coisas na barriga da mãe.

Peço que eu pense menos na cerveja e no medicamento que me impede de aprecia-la na esperança que logo logo finde-se esse tratamento.

Que eu me torne menos idiota, mais atencioso com minha esposa e meus próximos.

Que as coisas melhorem... que eu te procure mais pra que seja mais leve a semana toda e porque eu gosto de ficar com você.


Amém e valeu...

Daniel Babugem no Fadário

25 de out de 2008

Fui abusado dentro da igreja



Conheço muitas pessoas que foram abusadas dentro da igreja. Pessoas que tiveram sua "infância" roubada por líderes religiosos. "Crianças" infligidas na alma por porcos de espírito e doutrina pervertida. Eu mesmo sou uma destas pessoas.

Infelizmente poucos conseguem sobreviver à esse estupro mental e espiritual, e encontrar Deus apesar das feridas causadas pelos "homens de Deus"...

Não é fácil curar a alma de alguém que teve seu espírito violado... não é um trabalho simples reestabelecer sentimentos de confiança, proteção e segurança em "adultos" que foram abusados quando "crianças"... muitos afastam-se completamente de Deus porque não conseguem entender como Ele pôde permitir que "seus líderes" fizessem tão grande barbaridade com "pequeninos"!

Quando somos apresentados a Cristo e decidimos entregar nossas vidas à Ele, somos feitos novas criaturas. Tornamos a nascer novamente... E desde então começa-se um processo de crescimento cujo o objetivo é sermos transformados por Ele, de modo que passemos a ser à imagem e semelhança de Deus! Nascemos de novo e tornamo-nos "crianças" na fé que devem tornar-se "adultas" na fé... Então, somos bebês na fé, crianças espirituais!

Inicia-se, então, uma caminhada, que começa nesse Novo Nascimento, que deve ser centrada em Cristo. Decidimos desconstruir nossas práticas de pecado e nossas prioridades egocêntricas para aprender as coisas do Céu. Para conhecer mais do Alto. Para obedecermos ao Pai... Para aprendermos a amar a Deus!

Somos então pequeninos na fé! Bebês espirituais que precisam de leite espiritual... somos ainda débeis na fé! "Crianças" espirituais que são dependentes dos "adultos" espirituais! "Crianças" que nasceram da água e do Espírito e que precisam ser alimentadas com alimento de fácil digestão!

Como qualquer criança, nesse período nos sentimos eufóricos e curiosos quanto ao mundo que nos rodeia! No caso de quando nos decidimos por seguir a Cristo, ficamos ansiosos por nos aprofundar nas Escrituras, ficamos curiosos em relação à tudo que diz respeito a Deus... esta sede é natural dos pequeninos na fé! Crianças na fé são imaturas em teologia, na doutrina, no amor, na espiritualidade...

Da mesma forma que é natural, enquanto crianças, depositarmos nossa confiança e lealdade pueris nos de maior estatura, os adultos, também como pequeninos na fé somos leais e confiamos nos de maior estatura na fé, os líderes religiosos... os "sacerdotes"... aqueles que "detêm" profundo conhecimento espiritual, bíblico e doutrinário!

É com eles que aprenderemos a dar os primeiros passos em Cristo. É com eles que aprendemos a discernir as coisas espirituais. O certo do errado. Aprendemos com eles como desenvolver nossa Salvação... aprendemos como dizer as primeiras palavras, ou melhor, como começar a Evangelizar! São destes "adultos" na fé que recebemos a atenção especial, o discipulado básico!

Infelizmente, esse sistema religioso delega poderes abíblicos a alguns "adultos espirituais" que por sórdida ganância e infinda ambição por poder, estupram as "crianças espirituais". Abusam da "autoridade" auto-instituída sobre os pequeninos na fé e violam a alma e o espírito daqueles que são dependentes e necessitados de mais conhecimento de Deus! Estes abutres fazem com que estas "crianças" tornem-se deficientes em sua espiritualidade, faz com que tornem-se dependentes destes "adultos" de forma doentia e pouco saudável! De forma a sugar toda a energia destes "pequeninos", de maneira que, são feitos meros objetos para sua auto-preservação e auto-realização "ministerial"...

Estes traem a confiança e a lealdade dos pequeninos na fé que têm seu crescimento tolhido e interrompido por causa de abusos "doutrinários", "coberturas espirituais" e sistemas religiosos que em nada cooperam para que estas crianças consigam crescer! Na verdade, estes "adultos" não querem que as "crianças" cresçam e entendam que são abusadas por eles...

A espiritualidade ingênua dessas "crianças espirituais" dá abertura ao oportunismo das víboras que mantém o sistema eclesial. Essas crianças na fé têm todo o seu potencial, dinheiro e energia absorvidos em prol do inchamento da instituição "igreja". Que por sinal, não visa a implantação do Reino de Deus, mas a ostentação do governo de lobos em pele de cordeiro; de falsos profetas, falsos pastores, falsos mestres, falsos apóstolos...

Esta não é uma exploração sexual de menores, mas, é a exploração espiritual de "crianças espirituais"! Muitas mulheres e homens que hoje se rendem à prostituição, à homossexualidade e ao vício foram abusados sexualmente quando ainda crianças cheias de vida, pudor e inocência... ninguém pode prever as consequências na alma de quem experimentou um abuso sexual. Da mesma forma, as consequências do abuso espiritual são também imprevisíveis! Alguns tornam-se ateus, desistem de Deus. Outros se afastam de Deus porque conheceram o "Deus" de seus aliciadores espirituais, seus líderes religiosos. E não era deste "Deus" que necessitavam. Outros se entregam de corpo e alma ao pecado porque não suportaram ser esmagados pela legalidade de seus aliciadores espirituais! Contudo, alguns têm sobrevivido e conseguido encontrar uma fé vibrante, autêntica e madura fora desse sistema que abona o abuso da fé dos pequeninos!

Infelizmente, muitas "crianças" espirituais pensam que tudo o que fazem com elas dentro da igreja é normal... esse entendimento é fruto da confiança que depositam em seus "pais" na fé... e acreditam piamente que o seu "pai" na fé não está abusando dela, mas se relacionando! Ensinando, cuidando e alimentando! Por isso nunca despertam para tal abuso... porém, também experimentam as consequências disso mesmo que inconscientes. Outras conseguem enxergar a animosidade desta relação "eclesial" e despertam, denunciam e lutam contra essa triste realidade que poda o crescimento espiritual da Igreja... Os que conseguem ser libertos e curados dessa exploração espiritual entendem que podem ser "adultos" na fé que desempenham seu sacerdócio em Cristo Jesus e dependem apenas do amor dos irmãos, não da imposição de autoridade e coberturas que servem à disfunção espiritual de certos "adultos" doentes...

É necessário dizer NÃO à "pedofilia" espiritual... ao abuso espiritual dos pequeninos na fé! É imprescindível que lutemos contra a exploração espiritual de "crianças" espirituais! Em prol de cristãos maduros, saudáveis e livres!

DENUNCIE!!!

24 de out de 2008

Vox populi

O cantor e ativista Bono vai produzir de 6 a 10 artigos no ano que vem para o New York Times. Vai escrever de graça. A participação do astro foi anunciada pelo editor de opinião Andrew Rosenthal na noite da 4a feira para estudantes da School of Journalism, da Universidade de Columbia. O guitarrista Brian May, do Queen, recentemente doutorado em astrofisica, já escreveu para o jornal. O cantor Bruce Spreensteen e o roteirista, diretor e comediante Larry David também. A notícia é da revista Radar. [via Blue Bus]

vi no Pavablog

Frases de campanha


“Acredito na política como meio de realizar no$$o $onho” (o problema é se o sonho dele for ficar rico, né?)

“Vou dar continuidade aos projetos de evangelização” (precisa ser vereador para isso?)

“Nosso compromisso é com a comunidade” (ou com o salário?)

“Vamos melhorar ainda mais a saúde da cidade” (ainda mais, porque já é boa, né?)

“Minha proposta é curso profissionalizante em todas as áreas” (ah, tá, faz um em medicina, então)

E a pergunta que não quer calar:

O que é um voto saudável?

Fonte: Estranhices

P.S.: Muita prolixidade no discurso e pouquíssima coerência, esses nossos candidatos nos presenteiam!

23 de out de 2008

Diante do Mestre


“Sermão vitória financeira”, repete o pastor em voz alta aquilo que os dedos digitam no teclado, no campo de texto usado para buscas no Google. Quase trinta mil resultados, a maioria sem relevância. Consegue pescar um ou outro sermão sobre o tema. Muda as palavras chaves para “vitória financeira cristo” e “vitória financeira bíblia” para conseguir mais material. Encontra inclusive uma Bíblia de estudo sobre o assunto, que ele logo compra usando o cartão de crédito, já que pretende abordar bastante sobre esta matéria nos próximos tempos. Talvez um gasto inútil, já que o Google está sendo uma ferramenta muito útil para ele em todas as suas preleções semanais.

Com meia dúzia de exemplos à frente, o pastor monta o seu sermão usando as mesmas palavras-chave e idéias básicas encontradas nas pregações pesquisadas, bastante parecidas entre si. O núcleo da argumentação consiste em trabalhar bastante, pedir (ou determinar) vitória a Deus e contribuir generosamente com a igreja. Ele faz um esboço, treina alguns bordões, decora alguns parágrafos significativos e pensa em desafios e reflexões de momento a serem lançadas. Imprime seu esboço, e treina algumas expressões e gestos diante do espelho.

O momento no espelho é sempre o ponto alto da preparação de seus sermões. Ele demora muitos minutos diante de si. Admira seu olhar penetrante, sua expressão severa de juiz, e também a transição para um rosto paternalmente sorridente, tão importante em um pastor. Gosta de ver seus próprios lábios fazerem bico enquanto suas sobrancelhas dão um tom de seriedade ao seu rosto, em uma de suas marcas registradas. Delicia-se ao contemplar sua boca torta, centro da face de desdém que faz quando dá de ombros após colocar o ouvinte em uma enrascada argumentativa sarcástica. Chora de verdade ao ver seus olhos forçarem a tristeza após palavras sombrias. Encanta a si próprio como que para ter certeza que encantará seus ouvintes. Diante do espelho ele tem suas experiências religiosas. Ao ver na imagem refletida um sorriso felicitador, parabenizando-o por suas excelentes e criativas expressões, o pastor vê a aprovação de seu deus.

Ao tomar banho o pastor lembra que esqueceu-se do texto bíblico para iniciar a mensagem. Não conseguiu lembrar-se de nenhum, o que o levou a voltar aos estudos que tinha pesquisado na Internet. Conseguiu achar Deuteronômio 28:11 como uma boa referência, mas preferiu o versículo seguinte, que parecia mais impactante: “o Senhor te abrirá o seu bom tesouro, o céu, para dar à tua terra a chuva no seu tempo, e para abençoar todas as obras das tuas mãos; e emprestarás a muitas nações, porém tu não tomarás emprestado”.

Tudo está pronto. Coloca o esboço na página de sua Bíblia em que se encontra o texto e vai para o culto de domingo à noite. No caminho, muito rapidamente, lembra-se de passagem do motivo para falar sobre dinheiro a sua platéia naquele dia. Ele tem planos ousados para sua comunidade, e para pô-los em prática precisa de gente com recursos à sua volta. Não há muitos com posses ou dinheiro no rol de membros, então ele precisa incentivar seus liderados. Já tinha indicado cursos de empreendendorismo a alguns membros de sua igreja, mas achava que precisava tornar o assunto espiritual para ser levado mais a sério e para validar seus planos.

Mais rapidamente do que a idéia chegou em sua mente, ele a afasta. Precisa estar centrado em sua mensagem, em sua verdade e em seus desafios a serem propostos. Motivos anteriores ou pensamentos demais em sua mente atrapalhariam as expressões tão treinadas ao espelho. Não há espaço para deslizes se ele quiser levar seus projetos até o fim. Ninguém pode impedí-lo se ele seguir o caminho que tinha idealizado, pensa.

Chega ao templo certo de uma grande noite. Participa intensamente das músicas ministradas, fechando os olhos, levantando as mãos, chorando e bradando. Não que goste das músicas, mas sabe que se participar daquilo que o ministro de louvor faz, este será recíproco. O pastor quer atingir o maior número possível de gente, principalmente aqueles que são líderes.

Enfim a palavra é dada a ele. Quando se levanta é abordado por uma jovem.

- Pastor, ensaiamos um teatro para depois da mensagem.

O pastor dá duas batidinhas no ombro da jovem, e abre seu sorriso paternal característico. Ao virar as costas já não sabe o que ela acaba de dizer. Não importa o que ela disse, o importante é que ela precisa dar satisfações. O sorriso não é por que há interesse da juventude em se incrementar a noite de domingo com um teatro, mas porque ele precisa ser informado disso. Tanto bastava ser o centro dos assuntos de importância que o conteúdo do informe era desprezível.

Assume o púlpito e constrange sua platéia com comentários que desafiam a apatia das respostas à sua saudação, que na verdade não foram tão apáticas. Pede após alguns avisos que todos abram suas Bíblias no texto que tinha escolhido. Coloca o esboço ao lado e lê o texto. Pela primeira vez naquele dia ele ora, com palavras intensas e fervorosas, em uma emoção crescente. Abre os olhos, e vê que alguns já choram antes mesmo que ele inicie o sermão em si. Então, com uma de suas caras moldadas no espelho, começa.

- Meus amados irmãos, Deus me deu uma mensagem essa noite. Eu não ia falar disso, mas o Espírito é quem fala, ele é quem determina, e eu obedeço.

Várias expressões de júbilo são ouvidas após a estratégica pausa no discurso. O pastor sabe o papel que sua expressão teve nisso.

- Esta noite eu quero falar com vocês sobre um assunto muito importante. Quero falar com você que está sem emprego, com você que quer uma promoção, com você que quer que sua empresa vá pra frente. Quero falar com você que quer vencer na vida. A partir de hoje, meu amado, Deus abrirá as portas, Deus moverá os céus, Deus moverá a terra, Deus moverá seu emprego, Deus moverá sua empresa, Deus moverá sua carreira, Deus moverá seus tesouros, Deus moverá você até a sua vitória!

O tom da voz cresce a cada “Deus moverá”, e o júbilo é ainda maior nesta pausa.

- A partir de hoje, meu irmão, você saberá o que tem que fazer pra contribuir com a igreja, pagar suas contas, comprar aquilo que deseja e ainda sobrar dinheiro pra Deus realizar seus sonhos. Diga para o irmão que está do seu lado: “Deus fará você prosperar”.

A platéia repete conforme pedido, e sente prazer em fazer isto. A pregação continua neste nível por mais de uma hora. Ele alterna entre frases como “Deus não gosta de vagabundos”, usando a expressão de juiz severo, quando quer estimular o trabalho, ou “Deus ama vocês e quer ver vocês prosperarem”, usando a expressão de pai carinhoso, querendo encorajar os ouvintes. O discurso emocionalmente multiforme deixa as pessoas ainda mais envolvidas em suas palavras.

Uma hora e meia depois de iniciar o pastor está no ápice de sua exaltação. Dois terços dos presentes está mentalmente em suas mãos, e o outro terço já planeja deixar o recinto. É nesse momento que ele lança seu último recurso daquela noite. Convoca a todos os que “são corajosos e querem mudar” a irem à frente dele, diante do púlpito para “receber de Deus o que Ele tinha naquela noite para dar”. Apesar do tom do convite, que chama de covarde quem não atende, as pessoas se amontoam à frente do pastor, entre a primeira fileira de bancos e a plataforma à frente do púlpito. O número é tão grande que alguns se espremem no corredor central entre os bancos. Alguns permanecem de pé, outros se ajoelham e vários choram.

O pastor lança alguns de seus bordões chamativos e emocionais, convoca alguns diáconos e divide entre eles a tarefa de orar pelos, segundo ele, “corajosos ousados com atitude diante do altar do Senhor”. A maioria está de olhos fechados, se derramando em emoção. O pastor contempla então cada rosto, cada expressão. Satisfeito, dá um sorriso e fala algumas coisas longe do microfone acompanhadas de um soco no ar. Alguns entendem que ele fala em línguas estranhas, mas na verdade ele está comemorando em Português, grato por ser ele mesmo, feliz por ser capaz daquilo, contente por tudo que realizou. Em cada rosto ele vê uma de suas caras. As pessoas como que o copiam, acreditando que a face que o pastor faz será uma súplica aceitável em si mesma diante de Deus, já que se trata das formas do rosto de alguém piedoso. E do mesmo modo que ele via aprovação em sua imagem refletida no espelho, novamente seu deus parecia estar diante dele, o congratulando em cada semblante em que ele via a si próprio.

O pastor passa então os olhos pela multidão à sua frente. Depois disto procura manifestações propícias de outras pessoas pelos bancos da igreja, buscando mais oportunidades para, como ele diria, “desafiar a coragem” dos presentes. De súbito, seus olhos se fixam na porta da igreja. Algo diferente chama a atenção dele. Na verdade, alguém diferente. Um homem está parado à porta com roupas peculiares. O homem em si é peculiar, na verdade: tem barba espessa e cabelos longos, castanhos, ondulados, ligeiramente despenteados. As roupas, que foram o que primariamente chamaram a atenção, consistem em um vestido branco bem longo, com mangas bastante compridas, envolto em uma túnica vermelha e preso por um cinturão pouco abaixo do peito. Calçava sandálias surradas.

Tentando entender, o pastor olha o homem de baixo a cima. Fixa então os olhos no olhar penetrante daquela imponente figura à porta. O homem tem um olhar sério, demonstrando certa desaprovação e uma leve irritação através de uma severa flexão das grossas sobrancelhas. Em um instante o pastor chega a uma conclusão que o leva a sentir um frio agudo percorrer seu corpo. Arrepia-se e abre bem os olhos. “É ele! Só pode ser ele”, pensa. Trêmulo, deixa o microfone cair, o que é percebido por poucos - alguns, de olhos fechados, apenas gritaram alguns “glórias” diante do ruído atípico.

O pastor volta-se para a parede atrás de si incomodado. Espera que ao se virar-se para a porta novamente o homem não esteja mais lá. Olha para trás hesitante, mas o homem ainda está ali o encarando. Os olhos do pastor começam a derramar lágrimas, e o seu rosto agora demonstra certo constrangimento - face que ele nunca treinou diante do espelho. Sente-se exposto, o que o leva a encolher-se. Cai de joelhos e chora amargamente. Desvairado, fala em uma voz muito baixa, que nem muito próximo se pode ouvir.

- Ele veio. Por que ele veio? Só para me mostrar meu erro? Mas eu encheria esta comunidade! Não é isso que ele quer? E ele ainda está lá na porta olhando pra mim! Já chega, eu já entendi, Deus! Pode ir embora! Eu não suporto!

Ninguém sabe o que se passa com ele. Alguns o vêem chorando e se emocionam mais ainda por acharem que se trata de alguma manifestação espiritual mais intensa. À porta, a jovem que no início informara o pastor que haveria um teatro após a pregação se aproxima do homem que tem vestes diferentes.

- É, acho que não vai ter o teatro.

O homem volta-se para a moça e não disfarça seu desdém ao pastor.

- É, ele empolgou mesmo. Isso aí não termina cedo de jeito nenhum. Aposto que ele tem idéias para mais duas horas.

- Fica pra semana que vem. Ele é o pastor, Deus deve ter algum propósito nisso.

- Quem sabe. O certo é que eu vou tirar essa fantasia ridícula. Tá quente demais.


fonte: Um bicho de Rondônia

Deus criou o mundo em MS-DOS


Deus acessou o sistema as 12:01:00, domingo, 1 de abril.
C: > Faça-se a luz!
Comando ou nome de arquivo inválido

C: > Luz.exe
Luz criada

C: > Rodar Céu e Terra
Terra e Céu funcionando.
0 erros.

E Deus criou o Dia e a Noite. Deus viu que havia 0 (zero) erros.
E saiu do sistema as 12:02:00, domingo, 1 de abril.
Deus voltou a acessar o sistema as 12:01:00 da segunda-feira, 2 de abril.

C: > TERRA
C:TERRA> Haja firmamento no meio das águas e da luz.
Comando ou nome de arquivo inválido.

C:TERRA>Firmamento.exe
Firmamento criado

C:TERRA>Rodar firmamento.exe
Firmamento funcionando

E Deus dividiu as águas. Deus viu que havia 0(zero) erros.
E Deus desligou as 12:02:00 de segunda-feira, 2 de abril.
Deus voltou ao sistema as 12:01:00, terça-feira, 3 de abril.

C: >florestas.exe
Ok

C: >animais.exe
Ok

C: >Fazer o homem à minha imagem.exe
Erro de sintaxe.

C: >Criar homem.exe
Homem criado.

C: >Fazer o homem multiplicar e povoar a Terra e dominar os
peixes, as aves e ter ascendência sobre todas as coisas que
estejam sobre a Terra.
Excesso de caracteres

C: >move homem Jardim do Éden.
Diretório inexistente.

C: > Jardim do Éden
Ok

C: >move homem Jardim do Éden
Ok

C: >Inserir mulher no homem.
Parâmetros invertidos. Retifique.

C: >Inserir homem na mulher.
Ok

C: > Jardim do Éden

C: > Criar desejo.
Operação executada.
1 erro(s)

C: >multiplicai.exe
Ok

E Deus viu o homem e a mulher sendo frutíferos e multiplicando
no Jardim do Éden.
Deus saiu do sistema as 23:00h da quarta-feira, 4 de abril.
Deus ansioso voltou a acessá-lo 00:02h da Quinta-feira, 5 de abril.

C: >Criar livre arbítrio.
Ok

C: >Rodar livre arbítrio.
Ok

C: >Eliminar desejo
Desejo nao pode ser eliminado devido a criação do livre arbítrio.

C: >Del livre arbítrio
Livre arbítrio é arquivo inacessível e não pode ser destruído.
Acione tecla de substituição, cancelamento ou help.

E Deus viu o homem e a mulher no Jardim do Éden, já não
respeitando parâmetros estabelecidos.

C: >Criar o bem e o mal.
Ok

C: >Ativar mal
Ok

E Deus viu que tinha criado a vergonha. Atenção: Erro do
sistema na ultima operacao E96. Homem e mulher não estão em
Jardim do Éden. 4277732 erros.

C: >SCAN Jardim, E.D.E.N. homem-mulher.
Homem-mulher nao encontrado

C: >DEL vergonha.
Vergonha nao pode ser apagada com mal ativado.

C: >DEL livre arbítrio.
Arquivo inacessível. Não pode ser destruído. Acione tecla de
substituição, cancelamento ou help.

C: >Interromper programa!
Exclamação imperativa torna comando irreconhecível. Tente
interrogação ou Help.

C: >Suspender programa
Comando ou nome-de-arquivo invalido.

C: >Suspender programa.
Comando ou nome-de-arquivo inválido.

C: >Suspender programa, porra!
Erro de sintaxe.

C: >Criar novo mundo
Disco cheio.


Fonte: Estranhices

22 de out de 2008

O que C.S. Lewis é para mim


As portas para C.S. Lewis foram-me abertas através do maravilhoso livro O Deus (in)visível de Philip Yancey. Quando o li tinha 16 anos e um ano depois, após ler outros livros de Philip Yancey e incansavelmente me deparar com trechos de C.S. Lewis me rendi e li o Anatomia de Uma Dor e logo em seguida O Problema do Sofrimento, aí não teve jeito, me apaixonei e ainda me encanto com qualquer coisa que leio desse cara!

O que apaixonou à primeira vista? A coerência de sua defesa de fé, se considerar um leigo anglicano (não assumiu cargos religiosos),passear entre o “sacro” e o “secular” com segurança e tranquilidade e não fazendo distinção (como também compreendo). Mas, o que me tocou mesmo foi a sua linguagem (poesia e misticismo) e como ela é acessível a pessoas de qualquer crença, nível intelectual ou cultura. Ele adentra com sua filosofia e fé em qualquer lugar (prova disso são livros e ensaios sobre variado gêneros, como: infantil, poesia, ensaio, cristianismo) como ninguém o faz.

Em tempos que resolvi romper com meus pensamentos retrógrados sobre o cristianismo, os livros e pensamentos de C.S. Lewis foram de grande valia e cada um deles chegavam como consolo e alívio.

Sou fã desse irlandês de coração londrino mesmo não tendo deslumbrado devidamente nem a metade de seus escritos.

Jack foi pra mim o Guarda-roupa para um mundo diferente do qual eu precisava e preciso.

Valeu!

Daniel Babugem no Fadário


P.S.: Compartilho da mesma perspectiva, afinal, foi Yancey quem me apresentou Lewis. Quando pergunto a algum pastor se já leu alguma obra de C.S. Lewis, e a resposta é negativa, fico desapontado.

Frases profeticamente interessantes

“O álcool é o pior inimigo do homem. Mas na Bíblia diz que devemos amar nossos inimigos. ”

“Foi só mandar um brasileiro pro espaço que já sumiu um planeta!”

“O amor é cego, mas o matrimônio devolve a visão”.

“Os políticos são como as fraldas, devem ser trocados constantemente. E sempre pelo mesmo motivo.”

“Sexo é igual vestibular, não importa a posição, o importante é estar dentro!”

“Se chefe fosse arquivo teria a extensão .FDP”

“Rio de Janeiro: O mar é azul, o Jardim Botânico é verde, o comando é vermelho e a coisa tá preta.”

“A diferença entre o ladrão e o político é que um eu escolho, o outro me escolhe.”

“O mundo é bom porque é uma bola! Se fossem duas seria um saco…”

“Casamento é igual a uma piscina gelada. O primeiro idiota que pula fica fingindo que a água ta boa!”

“Os seios são iguais a um trenzinho elétrico; é feito para as crianças, mas quem brinca são os adultos”.

“Mulher é igual pênalti mal batido: Um chuta, outro pega”

“Ironia do destino é quando um jardineiro tem um filho florzinha e uma filha trepadeira…”

“Não dê risada de tudo, porque quem acha tudo gozado é faxineira de motel”

“A diferença entre a mulher e o homem???? A mulher está sempre pronta para o que der e vier e o homem está sempre pronto para quem vier e der.”

“A mulher gostosa é um conjunto de curvas capaz de deixar reta a única curva que um homem tem”

“A preguiça é a mãe de todos os vícios, e como mãe, deve ser respeitada!”

Via Caixa Preta [vi lá no Blog Direção]

21 de out de 2008

Lindemberg, SWAT e Capitão Nascimento



Sobre o fim trágico do sequestro realizado pelo jovem Lindemberg, tenho apenas algumas considerações a fazer.

A sociedade caminha incontestavelmente rumo à loucura. Basta poucos minutos diante de um noticiário para sentir um incômodo e uma sensação de irrealidade. Tanta violência e tanto descaso pela vida só podem nos dar a sensação de estar assistindo um filme de horror.

Falando nisso, a polícia brasileira bem que podia assistir alguns filmes policiais já que seu treinamento não têm refletido em operações bem sucedidas. Acompanhando todo o desenrolar do sequestro eu ficava angustiado. Tantas ótimas oportunidades de acabar com aquela situação e a polícia simplesmente inerte. Sou contra a pena de morte por convicção cristã, mas, ter um criminoso instável e irracional mantendo duas garotas reféns e preferir um desfecho triste com a morte de uma delas ao invés da morte do bandido me causa espasmo.

Puxa vida! Tiveram a oportunidade de alimentar o meliante e os reféns. Alguém pode me dizer porque não colocaram um sedativo ou um sonífero na comida? Sei lá, deve haver alguma substância que desmaie alguém por um bom tempo, não tem? Simples! Todos dormiriam, a polícia invade o local, restaga os reféns, leva o sequestrador para a cadeia e pronto!

A SWAT estabelece o prazo máximo de 24 horas para negociação em casos de sequestro. E o máximo que já gastaram foram 9 horas. Batemos mais um recorde nada honroso, 100 horas de "negociação". A SWAT na primeira oportunidade onde a "cabecinha" do sequestrador se mostrasse vulnerável, como se mostrou tantas vezes (parecia até que tava pedindo pra levar um tiro) pelo Lindemberg, acabaria definitivamente com toda aquela angústia. É procedimento padrão. Mas, aqui no Brasil nossa polícia atira e mata gente inocente em tiroteios, mas, quando se trata de um bandido que ameaça a vida de inocentes a polícia é mais cautelosa. "Era uma rapaz jovem com toda uma vida pela frente" (depois da cagada dele? Que vida estão falando?) e preferiram procrastinar até que quem fica sem toda uma vida pela frente é a inocente Eloá.

Não sei o que a polícia ficou conversando por 6 horas com Nayara depois de ter sido libertada pelo sequestrador. Ninguém se lembrou de perguntar como era o apartamento, qual a disposição dos móveis, onde Lindemberg costumava ficar e coisas desse tipo... para terem uma visualização do local e poderem traçar estratégias coerentes. Mas, não... invandem o apartamento e esbarram com um móvel empacando a porta. Parece até cena de Loucademia de polícia. Exceto pela tristeza ocasianada pelos desastrados policiais...

Quanto ao retorno da menina Nayara ao cativeiro, não há nem o que comentar! Por favor, nunca na história desse país se viu tamanha "burrice". Nisso eles imitaram os filmes policiais... onde alguém metido a besta tenta dar uma de herói e a polícia não consegue impedir o determinado altruísmo alheio. Mas, já que Nayara voltaria (sem proteção, nem escolta até a porta do cativeiro) que fosse no mínimo com escutas, câmera escondida e todo aparato tecnológico que pudesse auxiliar na resolução do sequestro (Por acaso só eu assisto filme policial?).


O instrutor da SWAT, brasileiro por sinal, apontou diversos erros crassos cometidos pelo GATE. Erros bobos, arrisco dizer... Invadir o cativeiro apenas pela porta, ao invés de efetuar uma operação mais profissional e avançar por todas as entradas simultaneamente foi de muito mal gosto. Ainda mais quando não conseguem entrar nem por uma das entradas escolhidas. O policial que entrou pela janela parece que nunca pulou um muro em toda sua vida. E para quê entrou, já que quando entrou praticamente já haviam tirado os envolvidos do local. Mais uma vez parece cena de Loucademia de Polícia... mas não podemos rir dos policiais desajeitados porque não teve graça nenhuma!

E como mais de três policiais tiveram tanta dificuldade de conseguir imobilizar um moleque de 22 anos? (meu passado penteca apostaria numa possessão demoníaca) Os policiais mais pareciam um bando de amadores no resgate das vítimas. Um tropeçando no outro.

Talvez tivesse sido melhor chamar a SWAT para resolver o problema. Creio que o Bush não iria se importar... Ou talvez o Capitão Nascimento tivesse tido maior sucesso na operação. "PERDEU LINDEMBERG, PERDEU..."

Ou talvez quem sabe uma ação conjunta da SWAT com a Tropa de Elite do Capitão Nascimento teriam proporcionado um final feliz como nos filmes...

Infelizmente, embora a sensação seja de termos assistido um filme na televisão, a verdade é que foi triste fato.

O desfecho foi trágico.

“Nós usamos todas as técnicas para evitar o que ocorreu”, garante Flávio de Pierre, comandante do GATE.

“Se nós tivéssemos atingindo com um tiro de comprometimento o Lindemberg, fatalmente o senhores estariam hoje questionando o Gate porque não negociaram mais”, declarou o comandante Félix.

“Você pode ter certeza nós estamos aprendendo muito com esse resultado e vai nos servir como experiência de vida”, admite o negociador do seqüestro Adriano Giovanini.


Mas, é assim mesmo. Vivendo (morrendo) e aprendendo!

Os sábios ainda vão continuar confusos!

Video de Flush Causando Controvérsia

Postado em 29.09.2008 por Alva

O ex guitarrista do Korn respondeu sobre a controvérsia envolvendo o vídeo da música "Flush". Segundo fontes, o CD Save Me From Myself tem sido retirado de várias lojas por causa do conteúdo do vídeo da música Flush.

"Eu tenho recebido um punhado de mensagens de várias pessoas conservadoras reclamando sobre o sexo e as drogas referentes ao meu novo vídeo Flush, e eu tenho recentemente sabido que alguns lojistas estão retirando o meu CD de suas prateleiras por causa do conteúdo do vídeo da música Flush, mas eu quero dar uma explicação do que o vídeo significa para mim e o endereço desses lojistas que retiraram o meu CD de suas prateleiras.

Eu fiquei emocionalmente, espiritualmente e fisicamente doente quando eu estava na Metanfetamina. Eu acredito que eu deveria estar morto agora se eu continuasse usando a Metanfetamina, mas ao invés disso, eu escolhi a rendição da minha vida para Cristo e morri , mas ele pode compartilhar a sua ressurreição comigo. Significativamente as imagens também condizem com as crianças (não atores) do começo do vídeo que estavam honestamente dizendo sobre as suas dependências .

Para ser claro eu não estou vindo para pedir desculpas pelo meu vídeo ! Mas eu queria deixar claro alguma confusão do que o vídeo realmente quer dizer e espero que isso tranquilize as pessoas. Eu tinha sido informado que o meu CD estava sendo retirado de várias prateleiras de lojas por causa do conteúdo do vídeo da minha música Flush.

Eu entendo que o vídeo pode ser um pouco demais para algumas pessoas conservadoras e eu respeito todas as escolhas . Mas para mim, pegar o meu CD e retirar das prateleiras por causa de um vídeo é um pouco extremo demais . Lá está uma enorme mensagem de esperança no meu CD e eu acredito que esses lojistas que estão retirando o CD das suas prateleiras estão roubando alguém espiritualmente tirando isso de suas prateleiras.Mas , obrigado Deus pelo iTunes!

Eu não fui chamado para ser um professor de escola no domingo , óbvio. Eu quero dizer, apenas me olhem ....(sorriso )... Eu fui chamado para falar para as pessoas que entendam a minha linguagem e eu serei o mais rela possível . O dinheiro tem que desaparecer da mídia cristã . Eu desafio os cristãos conservadores a pensar " fora do padrão " , e cair na real com a forma com que vão tentar e se conectar com as massas.

Quanto a mim , vou fazer tudo o que eu posso para matar a mentalidade religiosa que continua a ser classificada e seus pensamentos . Morra !!! Religião !!! Morra !!!
Mais uma coisa importante ...Eu amo todos ...Todos vocês conservadores caluniadores !!!
"HEAD"

Fonte: Korn Brasil [via Cogito, Ergo Sum]

P.S.: Para quem não viu o clip, segue o vídeo abaixo... e aí? Qual a opinião de vocês?


Ou verdade ou revelação


Nossa idéia de verdade é a da repetição. Tomamos por verdadeiro o que nossa experiência repetidas vezes verifica. Se o fenômeno se repete sabemos o que ele é. Descrevemos, classificamos e relacionamos a ele outros prováveis fenômenos. Como o sol que nasce e se põe diariamente. É a verdade científica em sua forma mais rude. Verdade é repetição.

Não por acaso o discurso cristão sobre a Bíblia reproduz a mesma lógica. Primeiro, olhamos o texto bíblico como uma descrição exaustiva das verdades da nossa fé e conduta. Depois, a necessidade de apresentar nossas certezas sobre o que cremos obriga-nos a transformar toda e qualquer leitura da Bíblia em uma repetição. Até porque se, ao voltar ao texto, algo surpreendente se mostrar, vão-se pelo ralo da incerteza nossas presunções. E aqui já descobrimos que nossa leitura da Bíblia começa bem antes de ter o texto diante dos olhos.

Funciona assim. A princípio, tomamos a Bíblia como uma fonte inesgotável de verdades. A utopia da revelação. E a idéia torna-se ainda mais romântica, pois cada pessoa deve ler o texto bíblico sem a mediação de qualquer instituição, é o “livre exame” das Escrituras. Mas a bibliologia protestante termina por se mostrar contraditória em seus demais critérios. Afirma-se que a mensagem bíblica é inconfundível, tendo em vista sua “infalibilidade”. Suas verdades são inegáveis, sua “inerrância” o pressupõe. É um guia primaz para a vida, este afinal é o seu papel como “único padrão de conduta e fé”. Nossa confiança nela deve ser absoluta, pois Deus nada tem a dizer menos nem mais do que nela está dito. Na altura do campeonato já ficou evidente que “a fonte inesgotável” secou. Tanta certeza. Tanta confiança. Tanto padrão não pode dar espaço para o imprevisível, o novo, o surpreendente, o misterioso. A Bíblia, ou é revelação ou é padrão. Ou revela, ou certifica.

Acredito que a Bíblia deixou de ser revelação ante a exigência de certeza. Nosso esforço de apresentar o texto bíblico como fundamento para a crença obrigou-nos a incorporar à leitura a repetição. Da mesma forma que sobre os fenômenos naturais podem-se afirmar coisas com base na sua repetição controlada, sistematizamos nosso pensamento sobre Deus, harmonizamos o texto para confirmar dogmas e impomos à Bíblia uma monofonia, uma teologia unívoca. E aquele que fugir à repetição comete erro, perde-se da verdade trilhada pelos fiéis, torna-se um herege.

Entre o leitor e a Bíblia instala-se uma lente escrupulosa de dogmas. Sendo assim, nem quem lê exerce o “livre exame” e nem a Bíblia pode ser experimentada como revelação. A leitura é repetitiva pela superposição do dogma à experiência com o texto, ao fazê-la já se sabe o que deve dizer. A leitura é antecipada pelo que dela já se sabe. O que termina sendo uma leitura cega. Não se vê nada além do que a dogmática já viu.

A repetição da leitura por dogmas lança-nos ao tédio insuperável. Talvez por isso a leitura da Bíblia tenha se transformado em um exercício ascético na espiritualidade protestante. Ler a Bíblia é um dever do fiel que busca santificar-se. Porque ler a Bíblia pela repetição é o mesmo que resistir às tentações dos prazeres. Devem-se juntar à disciplina da leitura bíblica, horas de oração de joelhos e um longo tempo de jejum, exercícios sofridos que prometem depurar a alma de seus apetites desordenados! Nem de longe isso se parece com a experiência de prazer sugerida por um poeta na Bíblia. Ele a compara à doçura do mel. “Como são doces para o meu paladar as tuas palavras! Mais que o mel para a minha boca!” (Sl 119.103) A Bíblia do beato é repetição enfadonha. A Bíblia do poeta é revelação apetitosa.

Ler a Bíblia pelas lentes do dogmatismo impõe a repetição como método de apreensão da verdade e fecha os olhos para a experiência da revelação. A revelação se opõe à repetição dogmática assim como o novo se opõe à mesmice, o inesperado ao previsível, o mistério ao banal.

Mas a revelação não pode ser vista como uma categoria bíblica. Uma marca de exclusividade. O que se constitui em uma contradição. Ao tratá-la como categoria apenas afirmamos artificialmente sua legitimidade, ou seja, ela se torna digna porque dela dizemos que é a revelação completa de Deus. No entanto, se for revelação como um ponto final para a possibilidade do novo, deixa de ser. E a Bíblia deveria passar a ser tratada como o fim da revelação de Deus. Deus e as suas palavras acabariam nas páginas da Bíblia. Ela seria o silêncio de Deus. Cabendo aos leitores recuperar o que já foi dito.

A revelação precisa ser encarada como a infinita possibilidade oferecida pelo texto. A revelação não é um pressuposto, mas uma experiência com a Bíblia. Uma experiência inusitada com o que da verdade se mostra. Com um sentido da verdade. A revelação não é o que aconteceu e por isso a Bíblia se tornou confiável. A revelação é o que pode acontecer infinitamente e por isso a Bíblia é inesgotável.

A descoberta de quem experimenta a revelação na Bíblia não pode ser de uma verdade totalizadora, mas da finitude de si mesmo, de sua atordoante relatividade. Diante do Deus que nela posso ver e das possibilidades de viver que dela se desprendem me descubro como um bebê recém parido. Muita luz, muito mundo, muita vida para tão frágil criatura. Pequeno e confuso olhar para um mundo de luzes a ser explorado. Quanto mais me percebo finito, mas o infinito se revela. Quanto mais profunda minha descoberta de finitude, mais livre me percebo diante de tudo. Tanto Deus. Tanta vida. Tanto mundo. Tanto a experimentar.

A experiência com a revelação precisa ser como um breve, surpreendente e libertador descortinar da verdade. Não é ela toda. Seria o fim, seria uma prisão. Mas apenas um insight dela. Não uma repetição enfadonha do que sempre foi, mas um alumbramento de uma parte de tudo o que pode ser. Um texto e infinitas possibilidades.

Elienai Jr.

ctrl+c e ctr+v do Pavablog [via Princess Blog]

20 de out de 2008

Porque eu nunca me converteria


“Pois que vantagem há em suportar açoites recebidos por terem cometido o mal? Mas se vocês suportam o sofrimento por terem feito o bem, isso é louvável diante de Deus”.



Alguns de nós se fôssemos a certas e determinadas igrejas, jamais nos converteríamos ao Cristianismo, porque em algumas igrejas - seja ela evangélica ou católica - há um desprezo ao pensar e alguns de nós sentimos a necessidade de saber o porquê das coisas e rejeitamos a idéia de que alguma coisa seja empurrada “goela abaixo” sem que tenhamos a oportunidade de argumentar. Muitos de nós não nos converteríamos jamais em uma igreja que diz: “Creia porque estou lhe dizendo, não queira saber de nada, somente aceite”. Um lugar onde se exige uma obediência cega, onde você não pode questionar, onde o senso crítico e o bom senso são calados. Se você foi a uma dessas igrejas e não se converteu, parabéns, eu também não me converteria, você tem toda razão de reagir como reagiu.


Uma igreja que possui um debate muito pequeno, voltado para questiúnculas, ênfases sem valor, questões medíocres, se mulher deve usar cabelo comprido ou curto, se pode esmalte vermelho ou azul ou de cor nenhuma, a questão é que o mundo não está e não ficará pendente por causa disso, muito menos Jesus morreu na Cruz e os mártires da igreja adubaram o solo de Roma com sangue para que nos dias de hoje tenhamos em pauta questões como essas. Muitos de nós também não nos converteríamos por não tolerar ambientes piegas, de frases prontas, onde se diz, por exemplo: “Se você está feliz, diga Amém.


- Todos a uma só voz: Amém.


- Não ouvi direito, diga novamente.


- Todos, agora mais alto e pausado: Amém.


- Agora sim vocês estão felizes”.


Ora, se você está feliz, você está feliz, mas se está triste, está triste, não existe erro nenhum em estar triste, não deve haver manipulação, “forçaçao de barra”.


Ou então ambientes que são muito simplistas, o sujeito tem um problema e tenta-se resolver o problema dele com uma resposta simplista, com um jargão que se aprende, do tipo: “Está amarrado em nome de Jesus!”.


Embora o Evangelho em si seja simples, não é simplista.


Depois de tudo isso, acredito que você tem uma pergunta, e a sua pergunta é: “Então porque “cargas d’água” você se converteu?”


A resposta para a sua pergunta encontra-se no versículo bíblico introdutório (I Pe 2:20)


Existe sim uma linha divisória entre Cristianismo e prática religiosa, seja ela qual for.


Em primeiro lugar, eu me converti porque a mensagem do Evangelho que me apresentaram era racional e lógica o suficiente para satisfazer o meu intelecto, mas também era poderosa o suficiente para impactar de tal forma a minha vida. Uma mensagem que me deu a resposta a algumas perguntas que todos os seres humanos fazem, independente da nacionalidade e do grau de cultura, perguntas do tipo: “Quem é Deus? De onde veio a maldade? O que é a vida? Para onde vou, porque estou aqui?”


São perguntas que carregamos conosco e estamos buscando respostas para elas. Eu me converti ao Evangelho de Jesus Cristo porque ninguém tem melhores respostas a essas perguntas do que esta mensagem.


Quem sou eu?


Charles Darwin tentou explicar através da teoria da evolução, que dizia que somos descendentes dos macacos, para a filosofia naturalista e cientista, é apenas um acidente cósmico, para o sistema oriental hindu e budista somos meras partículas de um deus etéreo, uma concepção panteísta, para o sistema espírita kardecista somos espíritos aprisionados em corpos cumprindo a nossa lei do karma, mas para os cristãos a resposta é contundente, bonita e nobre, somos a imagem de um Deus que com amor, meticulosamente nos projetou no seu próprio coração.


Porque existe a maldade?


Não há resposta mais contundente e racional do que a do Cristianismo. Por que existem tantos estupros? Por que existe tanto tráfico de drogas? Por que as clínicas psiquiátricas estão abarrotadas de pessoas devastadas pela malignidade da civilização?


No conceito oriental o mal e o bem se fundem numa só coisa, no conceito espírita o mal é uma questão de aperfeiçoamento, no conceito cristão o mal e mais do que tudo isso, é uma decorrência de estarmos distantes de um Deus pessoal,fonte de todo o tipo de bondade e benignidade, a bondade existe no universo não como fonte de um acidente, mas como fonte de um Deus que é eternamente bom e justo, e a nossa bondade vem à medida que estamos “plugados” nesse Deus, mas quando estamos desligados dele , somos passiveis de malignidade , e o resultado desse desligamento gera em nós a capacidade de nos tornarmos “monstros” de iniqüidades e essa monstruosidade vem da nossa independência de Deus.


E por último, ninguém conseguiu falar de Redenção de uma forma tão coerente, tão justa e tão intelectualmente lúcida do que essa Mensagem. “Porque Deus amou o ser humano de tal forma que deu ao sacrifício seu único Filho, Jesus Cristo, para que todo aquele que Nele – Jesus Cristo – crer e reconhecer o seu sacrifício na Cruz do Calvário seja Redimido e tenha a Vida Eterna”.


(João 3:16). Que Deus nos ajude.

O que o U2 é para mim


(Melhor ler o post ouvindo U2)
Lembro de uma das primeiras vezes que ouvi falar do U2, foi assim: “Cara, eu era do mundo, ouvia esses 'rocks' do U2 e ....blablabla, but Jesus change my life!”(Dizia o ex guitarrista da minha banda quando éramos crianças.) Outros caras diziam que U2 era do capeta!(isso que dá conviver com pessoas de mentes manipuladas, a gente acaba ouvindo tanta merda, e essas coisas é que são desse tal de capeta!rsrs)

Passaram alguns anos e fui me interessando por música de mais conteúdo, pois como músico e fã, a gente sempre busca coisas novas e identificáveis com a nossa bagagem e herança de vida.


Meu cunhado, o Adãozinho, é fã de U2 desde Boy (nessa época ele ainda era um “garoto” e eu nem nascido era) e depois de várias tentativas frustradas de me “contaminar” ele usou um caminho mais curto, emprestando ao meu irmão, o Thiago Mendanha do blog Tomei a Pílula Vermelha um DVD do U2.

Me lembro como se fosse hoje o Thiago chegando em casa com U2-Go Home, colocando para tocar no pc ,do qual, a saída de som ia para um pequeno cubo de guitarra(ficou um sonzão) e aquela introdução com Elevation (uhu...uuhu). Desempregado e com tempo de sobra, o assisti atentamente muito mais de dez vezes naquela semana e ainda pedia ao Thiago para imprimir traduções de cada uma das letras e leva-las à noite para casa, já que não tínhamos internet no apartamento.
Entretanto, o que mais me cativou foi o que eu vi por traz do ótimo som da banda, as letras falando do Amor, da vida, de Deus... com performances nada “apropriadas” e sem exteriótipos.

Quero falar do Amor, da Alegria e da Paz ou de Deus(perdoem redundância) assim como o U2, sem fazer disso (falar do Amor) uma propriedade da religião, mas das pessoas que amam a Deus, que buscam melhorar e reabilitar perante o Amor.
Me identifiquei mais ainda quando descobri que algumas canções e performances do U2 eram inspiradas em obras de meus escritores prediletos, C.S. Lewis e Philip Yancey.

Enfim(viajando na maionese), se Philip Yancey me pedisse para adicionar em seu livro “Encontrando Deus nos Lugares Mais Inesperados” um capítulo sobre um de meus “encontros” não exitaria em falar de como inesperadamente “encontrei Deus e verdades” na obra do U2 e em especial no Go Home.

Valeu por suportar ler...


Daniel Babugem no blog Fadário

19 de out de 2008

E se a igreja fosse uma Matrix?


Neste fim de semana, fui assistir o famoso filme Matrix. Como sempre, inspirou uma reflexão que, mais uma vez, gostaria de compartilhar com vocês. O filme apresenta um interessante modelo atual para se pensar em "realidades paralelas". Por um lado, o filme mostra a realidade de uma humanidade cativa, onde as pessoas vivem trancadas em "cápsulas", imóveis e "adormecidas", e de um mundo destruído, no qual não há sol. Por outro, a realidade de um mundo psíquico, construída para controlar os cérebros dos seres humanos, por isso eles não estão conscientes, eles não veem a sua situação de imobilidade, encapsulamento e ignorância da realidade da humanidade e do mundo. Nestas "cápsulas" toda a energia humana é removida, transformada em uma espécie de pilha, função esta que dá sentido à suas vidas, é claro. Como os seres humanos estão "dormindo" dentro da matrix, não percebem isso e vivem em uma "realidade psíquica perfeita", suas mentes estão presas, eles não podem pensar livremente, e esta é uma armadilha para as suas vidas. O filme mostra-nos a Matrix como um sistema de controle.

O que aconteceria se a igreja fosse uma matrix?

Se a igreja fosse uma matrix, então seria um sistema no qual cristãos poderiam viver uma "realidade psíquica perfeita." Estar dentro da igreja iria proporcionar segurança, tranquilidade, conforto, "racionalidade" ... Este sistema sugaria toda a energia vital dos seus membros, e para eles isso faria todo sentido. Suas vidas estariam submetidas aos serviços do sistema, prisioneiros incapazes de pensar, mas com a consciência tranquila. Estariam encapsulados em seu mundo, isolados do mundo real, onde há trevas, onde não há sol, onde eles mesmos não estariam pois seria ruim para o funcionamento do sistema de controle que impera.

Se a igreja fosse uma matrix, então ela teria como objetivo distrair sua mente e isolá-lo da realidade: o que está fora da matrix. O mundo real, triste, cruel, escuro; um mundo onde o homem é auto-destrutivo e destrói tudo em sua volta... esse mesmo mundo com o qual Jesus comprometeu-se a salvar, sanar, curar, aliviar, acompanhar... Os cristãos estariam encapsulados em seus templos, imóveis, anestesiados diante de uma realidade sofrível, carente de amor. Incapacitados de alcançar o próximo. Eles não poderiam pensar, o que os levariam a atitudes irracionais, que seriam racionalmente justificadas, de maneira que suas consciências ficassem tranquilas, e suas vidas só fariam sentido se estiverem encapsulados em seus templos.

Se a igreja fosse uma matrix, estaria muito longe de onde Jesus está, estaria longe demais das pessoas necessitadas, estaria distante de conseguir cumprir sua missão, estaria muito longe de ser Igreja. Jamais poderia alcançar a missão que Jesus deixou e que encontramos no texto bíblico do livro de Mateus capítulo 13. Como é que podemos semear se estivermos encerrados em nossos templos? Jesus ensinou que o campo é o mundo, nós, seus discípulos, as sementes, temos que morrer para dar frutos, e ele morreu para nos dar os frutos da Salvação. Como é que podemos semear ao mundo se estivermos isolados dele, trancados em nossas idéias, nossos templos ...?

Se a Igreja fosse uma matrix, estaríamos alienados nela, e ficaríamos mais longe de obedecer à missão que Deus nos outorgou: amar ao próximo. Então como poderíamos amar quem não podemos conhecer , compreender, perdoar, com quem possamos conversar, compartilhar, abraçar ...? Jesus disse: "Isto vos mando: que ameis uns aos outros." João 15:17

Se a igreja fosse uma matrix, precisaríamos perceber, acordar, cuidar da nossa missão, comprometermo-nos com a realidade sofrível e servir o mundo como Cristo serviu. Seria necessário escapar e encontrar espaços saudáveis, para crescimento, onde a vida, a liberdade e os dons que Deus nos deu sirvam para servir aos outros. Certamente, se a igreja fosse uma matrix, iríamos encontrar muitos outros seguidores de Cristo, que fora dela, iriam para onde Jesus está, onde os homens e as mulheres que sofrem e necessitam de abraço e do amor de Cristo estão.

"O campo é o mundo; a boa semente são os filhos do Reino ..." Mateus 13:38

Deixando as suposições e imaginação de lado, e refletindo na minha fé em Jesus e no meu compromisso de amar ao próximo, eu ainda penso ... Será que a igreja é uma Matrix?.

Marcos Regalini (texto original em espanhol)
Colaboração do brother Gustavao K-fé

P.S.: Se a igreja fosse uma matrix, seria necessário tomar a pílula vermelha... certo? :P