13 de fev de 2009

Uma questão de (sobre)vivência?

Estava em um momento muito feliz no carro ouvindo uma música nova do grupo Oficina G3 que se chama “Continuar”, do álbum “Depois da Guerra” que saiu recentemente e logo se esgotou.

Estava ouvindo e pensando sobre um trecho que diz:

“Luto pra sobreviver


Com os olhos voltados pro céu

Espinhos me fazem sofrer


Resisto na luta com a graça de quem já venceu”

E fiquei imaginando? O que será que eu devo fazer: viver ou sobreviver?

Daí fui pesquisar a etimologia da palavra ‘sobreviver’ e para minha surpresa a primeira definição é:

“Continuar a viver depois de outra pessoa ter morrido” Segundo o dicionário Michaelis Online

Não duvido que a memória de um Jesus que liberta deve ser lembrado, mas ao mesmo tempo não podemos viver de memória. A memória deve ser um mecanismo de imagem que possa trazer a reflexão, que sirva pra desmistificar o passado construído, que possa gerir idéias novas para o futuro. Da mesma forma que a arte não é memória a vida não deve passar a ser memória. A arte como a vida deve ser visionária, deslumbrante, incandescente!

Ainda na música, não é minha intenção falar sobre a melodia, mas a essência me preocupa, a essência do ‘lutar pra sobreviver’ deveria ser trocada por ‘lutar e viver’ ou ‘viver e lutar’, talvez essa essência nos impeça de ser luz no mundo e de fazer a diferença, talvez a essência errada nos deixe cegos. O medo da vida nos impede de viver plenamente e nos deixa apenas com o ‘sobreviver’. E Ele não queria isso (“...eu vim para que tenham vida e a tenham em abundância” JO 10:10), essa moda de passividade que veio trazida de algum lugar(...) não condiz com a necessidade de superação que nos foi outorgada...

O pedido de ‘força’ deve ser para influenciarmos o mundo com o sal. Partir para a semântica das palavras (e aqui a uso com o sentido de significado no nosso entender) de força, fortaleza, forte, ajudar a suprir a expectativa desse mundo sedento por paz.

“I know the greatest man

I know my biggest fan

I know the best friend

I know the Great I Am

I know Him”

Salt Lamp, Disciple


Texto esperto que o Douglas Negrisolli me enviou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs