7 de jul de 2009

Por que não vou à igreja?

Terminei de ler e estou muito contente com o lançamento do livro Por que você não quer mais ir à igreja?. Já explico.

Há exatos três anos enveredei minha espiritualidade por caminhos, digamos, estreitos e pouco convencionais, portanto, inaceitáveis pela massa evangélica - não só evangélica, claro, mas quaisquer fossem as confissões cristãs. Antes disso detenho uma odisséia da fé comum a muitos dos evangélicos no Brasil: nasci num lar católico negligente com a prática da identificação religiosa; não me lembro se fui batizado ainda bebê e não vou atormentar minha mãe ligando só para perguntar isso. Tentei terminar a catequese, mas achava insuportável e aos poucos deixei de participar. Nunca consegui rezar o terço inteiro. Ficava só imaginando como alguém conseguia! Nunca fui muito apegado à "Virgem Maria", nem aos Santos católicos e não me lembro de conversar com nenhuma imagem. Como vê não fui um bom católico! Paralelo a tudo isso, mesmo tendo-me como tal, ainda usufruia, com minha avó, dos cultos na Igreja Assembléia de Deus nas férias ao visitá-la. Bom, não posso dizer bem que usufruia porque, na verdade, achava um tédio e sempre esperneava para ir embora. Também, paralelamente, cedia um pouco para o Espiritismo do meu pai. De fato era onde mais gostava de estar, comparando com as missas e com os cultos. A sessão espírita era, com toda certeza, um pouco estranha, mas o ambiente era mais leve. As pessoas eram mais serenas, menos austeras e pragmáticas.

Pois bem, o tempo foi passando e fui ficando menos dependente no sentido de ser levado pra lá e pra cá pela mãe, pelo pai ou pela avó! Já estava crescidinho e podia muito bem decidir sobre minha fé sozinho. Sempre fui muito curioso sobre coisas espirituais. Em minha pré-adolescência gostava muito de ler sobre ocultismo, magia, exoterismo e satanismo. Em contrapartida, também mantinha uma sede pela idéia de Deus. Lembro que ficava divagando sobre Ele até a mente travar; de onde veio Deus? Quem criou Deus? Se Ele é onisciente por que criou tudo sabendo que iria dar em "merda" (com licença da palavra)? Se Ele é onipotente por que deixa tanta gente na mão? Se Ele é onipresente como pode aguentar testemunhar um estupro e não fazer nada?

Era assim, minha mente jovem se aventurando em questões que adultos lidam de forma infantil ainda. E foi como resultado desse perfil questionador que tornei-me evangélico. Toda a discrepância da Igreja Católica frente à Bíblia me deu mais que motivos para converter-me ao Protestantismo. E de fato era protestante mesmo porque a boa nova que me fez trocar de religião foi aquela antimariana, anticatólica, anti-idolatria, antisantos, anti-imagens, etc. E como foi isso que recebi foi isso que dei. Era o que sabia pregar: "a Igreja Católica é idólatra, Maria não é Rainha, foi pecadora e não morreu virgem, só Jesus é mediador entre Deus e os homens, etc".

A denominação em que passei a frequentar foi a Igreja do Evangelho Quadrangular. Foi lá que comecei a aprender a ser "crente". Foi lá que ficava espantado e admirado com as manifestações de demônios nos cultos de quarta-feira. Achava o máximo! O período do louvor era o que mais gostava. Claro, o show do pastor também era muito legal! Os pulos, os "tics", as entonações que pareciam ensaiadas, os gritos de efeito... uau! Era muito talento para uma pessoa só!

Meu primo mudou-se da cidade e como era com ele que ia para a igreja, e foi por intermédio dele que me converti, acabei deixando de frequentar os cultos. Eu era um menino muito pouco entrosado e meu primo era minha muleta social. Então, fiquei desmotivado para ir sozinho para a igreja e fiquei um bom tempo "desviado".

É isso, já sabia que quem não frequentava a igreja era desviado. Mas, não havia opção! E nesse período, por conveniência, passei a me declarar ateu. Deixe-me explicar isso! Não deixei de acreditar em Deus. O que ocorreu é que eu achava que ateu era aquele que não tinha religião. É, não sei por que não me passou pela cabeça consultar um dicionário. Mas, agora entendo porque as pessoas se espantavam quando ouviam um menino de 10 anos declarar-se como tal.

No meio dessa história toda minhas duas irmãs mais novas passaram a frequentar a Igreja Cristã Evangélica. Minha mãe insistia que eu fosse junto para vigiá-las. E foi assim que acabei criando o maior vínculo eclesial da minha vida. Foi lá que fui batizado. Foi lá que aprendi a tocar bateria e toquei na equipe de louvor. Foi lá que amadureci espiritualmente. Foi lá que passei bons momentos da minha vida (e os piores também, mas isso explico depois). Foi lá que doei minha vida, minha energia, meu talento, minha liberdade, minha adolescência, meu tempo, meus serviços, etc. Só não foi lá que entreguei meu dinheiro porque ainda não tinha renda. Se bem que do pouco que eu ganhava, dando aula de bateria e fazendo desenhos, eu "devolvia" a décima parte como rezava o mandamento. Tá, confesso que eu tinha muita dificuldade para "devolver" o dízimo e algumas vezes omitia a obediência nesse quesito.

Foram sete anos enfurnado dentro da igreja. Não dá para contar tudo que vivi, vi e ouvi em razão disso a não ser num livro. E isso não seria viável, muito menos interessante já que não há nada de interessante. Basta dizer que fui líder, exemplo para os jovens e adolescentes, professor de Escola Bíblica Dominical (detalhe, acho que nunca faltei em 3 anos), menino prodígio da igreja, entendido da Palavra, sábio, maduro, ministro de louvor, pregador e muito chegado ao pastor e à pastora - o que me contemplava ampla visão da liderança da igreja e dos mecanismos internos. Com isso pode-se abstrair a bagagem que carreguei antes dos 18 anos de idade.

Aliás, fica aqui uma dica para os pastores, líderes e afins. Peguem menos no pé da masturbação e procurem tratar de outra coisa mais eficiente no discipulado dos meninos. Só porque somos adolescentes e jovens não quer dizer que o único pecado que existe em nosso mundinho de espinhas está relacionado ao sexo. Sério, era tanta bitolação com a punheta (mais uma vez licença da palavra) que quando ficava uma semana sem onanizar-me sentia que era o maior santo de todos os tempos da última semana. Haviam tantas outras áreas fundamentais a serem transformadas por Cristo em minha vida, e que ocasionariam na melhoria de outras áreas especializadas, que perdi muito esforço e energia lutando contra meus hormônios.

Pois bem, nestes sete anos transitei entre o tradicional, avivado e carismático em suas diferentes formas e estágios. Vale ressaltar que a igreja não caminhou no mesmo rítmo. O que gerou muita fadiga para nós da equipe de louvor. Imagine um bando de crias de BH (quem lê entenda) do interior de Goiás tentando levar uma igreja estagnada a 40 anos ao "mover"? Isso rendeu muito pano pra manga...

Mudei-me de cidade para estudar, trabalhar e, enfim, o famigerado estereótipo do menino do interior tentando alçar voo. Fui morar com meu primo que agora era membro da Igreja Presbiteriana Orvalho do Hermom. Ele já estava entrosado (como sempre) e já ministrava louvor e tal na igreja. Eu cheguei e mantive-me em sua sombra para não perder o costume. Ainda sem aquela desenvoltura para enturmar mas seguro com a presença dele. Devo detalhar que a experiência numa igreja de interior é totalmente diferente da experiência numa igreja de cidade grande. E isso eu viria a descobrir logo.

Depois de um tempo pouco produtivo e motivacional nesta igreja, mudamo-nos para outro bairro. Daí surgiu aquela dúvida: para qual igreja nós vamos agora? Nós tínhamos um Ministério de Louvor e Adoração chamado Adoração em Plenitude. Lembram do lance das crias de BH? Então, é isso... E era muito importante que tívessemos uma cobertura espiritual para que pudéssemos "ministrar" nas igrejas. Sempre perguntavam isso pra gente quando faziam o convite para tocarmos em algum evento: 24 horas de adoração, louvorzão, conferências proféticas, cultos, etc, etc. Nesse período fizemos parte da Igreja Batista Betel, depois da Igreja de Cristo Rocha Viva, depois da Igreja Betesda, depois da Igreja Plenitude de Deus e, por fim, da Igreja Batista Memorial. Essas foram as igrejas que chegamos a ser membros, mesmo que por pouco tempo. Mas, conhecíamos muitas outras, aliás, mais neopentecostais, em virtude do Ministério de Louvor que tínhamos.

Depois de tudo isso, voltando aos três anos atrás, comecei a perceber que nada fazia tanto sentido como pensava fazer. Manipulação, poder, disputas, divergências, divisões, modismos, falsidade, mentira, soberba, autoritarismo, egoísmo, hierarquia, camadas de poder, abusos, oportunismos, alienação, ritualismo, enganação, etc, etc, foram palavras que começaram a borbulhar em minha cabeça toda vez que parava para meditar, refletir e repensar toda minha eclesiologia.

Não foi fácil carregar tantas dúvidas e questionamentos. Não tinha com quem compartilhar pensamentos tão "hereges" e "rebeldes". Mas, orando, pesquisando e estudando fui me sentido seguro. Por fim, tomei a decisão de não mais ir à igreja. Já era algo que não fazia sentido algum para mim e o fazia por desencargo de consciência. Até que fiquei livre desse tipo de consciência. O verdadeiro desafio era lidar com essa nova realidade: Ser apaixonado por Deus, sentindo-me tão próximo e sincero no relacionamento com Ele como nunca havia sentido - nem mesmo nos melhores tempos de "intimidade" importados de BH - e não ir mais à igreja. As pessoas não concebem essa idéia. Não conseguem imaginar um discípulo de Cristo livre dos cercos institucionais de uma igreja, de uma denominação, de uma teologia, de uma doutrina, de uma "cobertura espiritual" ou de um líder religioso.

E é justamente por isso que me alegro com a chegada do livro Por que você não quer mais ir à igreja? de Wayne Jacobsen e Dave Coleman. Nestes três anos que deixei de ir à igreja tenho visto muitas outras pessoas confidenciando experiências afins à minha. Nestes três anos já não me sinto tão sozinho como no início. É bom ver que a Igreja está se libertando dos templos e rompendo com diversas amarras criadas por homens. Sinto-me alegre por perceber que a sede por Deus e por um relacionamento autêntico com Ele tem sido prioridade na vida de tantos. E estes não necessariamente encerram-se dentro de igrejas. Pelo menos não em igrejas segundo o senso comum.

Estas pessoas percebem que comunhão é algo muito mais profundo e sobrepuja uma simples reunião dentro de um prédio com fachada. Comunhão vai além de ficar olhando para as nucas uns dos outros durante duas horas.

Este livro traz uma história que tem uma mensagem direta, objetiva, simples e libertadora. Para aqueles que não concebem um relacionamento fidedigno com Deus e com outros da mesma fé sem o frequentar semanal à uma igreja institucionalizada, a narração trará uma perspectiva que pode romper com paradigmas. No mínimo trará respostas para as perguntas que mais ouço: Em que igreja você vai? De que igreja você é? Em que igreja você congrega? Em que igreja você assiste? Você é membro de qual igreja? Quem é seu pastor? E, finalmente, por que você não vai à igreja?

Você terá a oportunidade de entender que de fato é possível ser cristão apesar da igreja. E muito mais, que é possível que o que você pensa ser igreja realmente não seja Igreja.

Convido você a ler esse livro que pode lhe causar empatia com a história de Jake Colsen. Talvez seja hora de você descobrir se entregou sua vida à Jesus Cristo ou acabou entregando sua vida à igreja pensando que era pra Cristo.

48 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Cara foi muito bom ler esse texto. Seu percurso pelos meios "eclesiásticos" foi e ainda é trilhado por muitos que sentem dentro de si um incômodo pelas coisas que ouvem e vivem dentro do sistema. Muitos que se indagam: "Será que as coisas realmente devem ser assim? Esse é o Reino de Deus? Ser cristão é isso?". Infelizmente tais questionamentos são sufocados por meios que chamaria de um dos mais "perversos" do sistema, ou seja, inculte-se um sentimento de culpa de forma tão sutil, que o resultado será pessoas alienadas que "pensam viver igreja, mas estão anos luz do que realmente é viver igreja". Abraço! Carlos

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Thiago, excelente relato de um cristão questionador por natureza. estou ficando cada vez mais aansiosa pra ler o livro. Na saraiva aqui do centro do Rio não tinha ontem e fiquei com preguiça de andar até a siciliano, hoje eu compro nem que eu mande o Boy ir la buscar.kkkk
    um beijo Grande

    ResponderExcluir
  5. Carlos, infelizmente esse sentimento de culpa escraviza os membros do Corpo de Cristo que deixam de vivenciar a plenitude da relação com o Pai e com os irmãos.

    Jalles, obrigado pelos parabéns! Que Deus te dê forças e energia para não se afastar Dele e que você possa ser uma carta viva escrita pelo Espírito Santo.

    Creuza, corre e compra o livro! Você vai gostar muito!

    Ah, e claro, muuuuito obrigado por terem despendido tempo para ler esse texto que ficou grande demais da conta... rs

    ResponderExcluir
  6. Chamo a atenção também para o fato de que o livro adverte quem pensa que simplesmente sair de uma instituição eclesiástica o fará um melhor discípulo ou que reunir-se numa residência é a resposta. É necessário, tanto a quem está na instituição, quanto a quem não está, um discipulado individual e um aprendizado de comunidade. Certo? Ah, mas deixa eu acabar de ler o livro...

    ResponderExcluir
  7. Claro, o Daniel tem razão: Manipulação, poder, disputas, divergências, divisões, modismos, falsidade, mentira, soberba, autoritarismo, egoísmo, hierarquia, camadas de poder, abusos, oportunismos, alienação, ritualismo, enganação, etc, embora estejam intrinsecamente ligadas à estruturas institucionalizadas ou hierarquizadas, não é particularidade desse modelo.

    Todas estas palavras podem ser conclamadas também numa estrutura caseira, anárquica ou alternativa.

    A solução não é simplesmente sair do sistema, mas muito mais não ter o sistema dentro de você! Caso contrário, para onde for, e onde estiver e com quem se relacionar, levará consigo a infecção de um sistema antagônico ao Reino de Deus!

    ResponderExcluir
  8. Parabéns pelo relato...me sentia assim durante muito tempo... me sinto mais livre hj, sem as amarras do "convencionalismo cristão".
    Vou ler o livro sim... mais uma vez parabéns!

    ResponderExcluir
  9. Que pena tantas pessoas pensarem que não precisam mais ir para a igreja… A igreja é a porta dos céus. Pena maior é pensarem que todos os caminhos levam a Deus, por isso estão tão desanimadas e decepcionadas com a idéia de igreja. Quando se encontra a igreja que pertence a Cristo, e esta não é uma denominação, então entende-se que faltar ao culto é o pior pecado que se pode cometer.

    A Escola da Bíblia tem o dever de "falar onde a Bíblia fala e calar onde ela cala" e pregar nenhum credo além de Cristo. Frequentar a igreja é de suma importância sim, por si mesmo e pelos outros. A salvação é individual até certo ponto. Até o batismo, dali em diante, encontramos outros membros que compõem o corpo de Cristo, aí precisamos lutar pela união. Só juntos chegaremos ao céu.

    ResponderExcluir
  10. Cara primeiramente, fazia um tempinho que não acessava o blog e fiquei impressionado com as mudanças no visual! Parabéns!! Está cada vez melhor e não é bajulação minha, é sinceridade.

    Quanto ao que você escreveu: me identifiquei em muitas partes e tenho plena convicção que Deus não é preso a limites humanos! Obrigado pela reflexão e que Deus continue lhe abençoando mais para ter estas iniciativas.

    1 abraço

    ResponderExcluir
  11. Tiago, já acompanho seu blog há um bom tempo, é bom conhecer um pouco mais sobre você. Seu testemunho é bom de ler e faz pensar. Não assino em baixo de tudo que escreveu concordando com todos os conceitos, mas de forma nenhuma repudio tudo que foi escrito em seu relato. Esse tema (vida em Cristo fora da instituição igreja) volta e meia ronda minha mente. Já ouvi de tudo sobre o assunto, mas não cheguei ainda a uma plena convicção a respeito. Confesso que é difícil conviver com certas coisas da instituição.

    Enfim, já estava ansioso para ler o livro, agora estou mais. Já leu A Cabana? Estou lendo e recomendo.

    Deus abençoe sua vida, mano. Paz de Cristo!

    ResponderExcluir
  12. Oi, Anônimo... acho que as pessoas não precisam ir para a igreja. As pessoas precisam ser Igreja. A Igreja não é porta dos céus. Só Jesus salva, lembra?! A Igreja precisa é ir para o céu!

    Quando entende-se que a Igreja de Cristo trancende ao modelo, sistema ou organização do homem para moldá-la, jamais passará pela cabeça do indivíduo que faltar um culto é o pior pecado que se pode cometer! Meu Deus! Você realmente acredita que esse é o pior pecado que pode cometer? Enfim...

    Fala, Cid...

    Nuuussa, faz tempo então que tu não bicava por aqui! rs... que bom que gostou! Forte abraços, mano!

    Cristiano, já li A Cabana também... ótimo! Jó deixei no shopping no BookCrossing realizado pelo Livros só mudam pessoas, já dei de presente também...

    Fico feliz por seu posicionamento autêntico! Mas, realmente não é necessário que assine em baixo concordando com tudo... às vezes, nem eu arrisco a assinar! rs... A sublimidade está no fato de partilharmos nossas experiências e nos ajudarmos mutuamente no crescimento e maturidade com Deus!

    Abraço!

    ResponderExcluir
  13. Menino, vc tá crescendo rsrsr

    Thiago, o texto está ótimo. A ideia do livro é uma boa hein ;)

    Brincadeiras a parte, é muito bom saber que tb não estou sozinha nessa apesar da minha história ter sido um pouco mais turbulenta. A blogsfera me ajudou muito a me entender e a entender as outras pessoas. Por isso não abandono meu blog mesmo que não postando sempre.

    ResponderExcluir
  14. Sem querer ofender, gostei muito do seu testemunho... acho uma linda história, pois vc poderia ter simplesmente largado tudo, e ao não fazer isso vc mostrou que é firme no que acredita. Parabéns pelo seu blog e o obrigado por compartilhar suas idéias.

    ResponderExcluir
  15. Muito obrigado, SOS Gospel...

    É, largar tudo seria largar Jesus... e isso não topo, não... rs

    Abraços!

    ResponderExcluir
  16. Fale meu xará, cara, eu me encontrei nesse seu relato, tirando o passeio por denominações e religiões tão diversificadas, mas fui assim como você, me converti pela via racional, não imaginando que devia mudar de vida, mas pelo simples fato de ter estudado a história da reforma protestante na escola 14 anos e começar a questionar a ICAR e acabei parando na Igreja Batista, que sou membro até hoje, mas muitos dos seus questionamentos, e da rápida ascensão na igreja fora semelhante.
    Hoje entendo que sou cristão, não por causa de onde me congrego, mas por causa de Cristo e sou professor de EBD e entendo que temos uma responsabilidade diante das mazelas do mundo, apesar de que minha igreja tenha dificuldade de absorver isso, mas a experiencia que tive no movimento ecumênico, me ajudou a ver o mundo de uma forma totalmente diferente, lembro-me muito do credo Atanasiano, Unidade na Diversidade. Muitas vezes não nos tornamos partidários de Cristo, mas do grupo que estamos inseridos e no fim, nos tornamos juízes, determinando que irá pro céu ou não, usando nossos parâmetros e não os de Deus, e quem pode usá-los?
    Gosto de pensar como o Ricardo Gondim que diz que na verdade não possuimos a plenitude da verdade, pois se a tivermos, seríamos como Deus, o que temos são lampejos da verdade.
    Hoje de fato me sinto mais livre e não me cobro da forma como fazia, pois vivi um legalismo mortal, quando era adepto de uma religião, mas hoje sou adepto de Cristo, procurando aprender com o mestre a ser um Bem-aventurado e isso, meu amigo, independe de onde você está, mas isso reflete no que você é.

    Abração.

    ResponderExcluir
  17. Tiago, o apóstolo Paulo recomenda que nós não deixemos de nos congregar, como foi costume de alguns cristãos.

    Sei que a convivência na comunidade cristã tem muitos desafios, mas ela é um exercício de maturidade.

    O Senhor Jesus quis que nos tornássemos um corpo, quis que aprendêssemos o amor na comunhão comuniária, esta é a vontade dEle. Para mim e para você.

    Um abraço

    ResponderExcluir
  18. Na minha concepção é impossível viver a vida cristã sozinho. Em alguns momentos da leitura você parecia tender a isso e deu a impressão que a sua caminhada tem sido solitária.

    Concordo plenamente que a concepção de Igreja como um prédio, ou reuniões semanais, ou a estrutura hierárquica é errar por muito o ideal de vida em comunidade descrito no livro de Atos dos Apóstolos. No entanto é essencial que haja vida em comunidade. É essencial que se tenha "cobertura espiritual"; não é preciso que seja uma pessoa com algum título ou posição de "autoridade", mas é preciso sim acompanhamento, pessoas que o conheçam bem e que o amparem quando tropeçar ou até mesmo te seguram antes de dar um passo em falso. É preciso que se tenha amigos, companheiros de jornada.

    Parabéns pela coragem e ousadia em expor seus pensamentos "hereges" e "rebeldes". Deus lhe abençoe.

    ResponderExcluir
  19. Querido Thiago,
    Até que temos histórias parecidas. Compreendo suas lutas e decepções. Mas, acredito que abandonar a igreja não seja a melhor opção. Afinal, Cristo não desistiu da igreja com todas as suas imperfeições, então por que deveríamos?
    Igreja é um exercício árduo para que possamos crescer, aprender a tolerar e também a amar os nossos semelhantes. É na igreja que as pessoas procuram socorro, e temos que estar lá para recebê-las com todo o carinho.
    Depois de muitos desafetos, hoje posso dizer que amo a igreja do jeito que ela é. Oro para que possamos cada vez mais derrubar as barreiras e sermos verdadeiros discípulos de Cristo.
    Um grande abraço. Que o nosso Senhor Jesus o abençoe.

    Gisele

    ResponderExcluir
  20. Meu xará,

    com toda certeza o importante é entender que amar e obedecer a Cristo é algo que extrapola quaisquer limites de modelo eclesial... e, apenas estar inserido num destes não é sinônimo de discipulado autêntico, muito menos de vida de Cristo no ser!

    Abração!

    ------------------------------------------------

    Oi, Sônia...

    com toda certeza a vida em comunidade requer e proporciona maturidade! Mas, é justamente isso... temos vivido um partilhar de vida comum encerrados em templos, reuniões e programas religiosos? Temos experimentado comunhão, no mais profundo significado da palavra, reunindo-nos dentro de templos, em reuniões (cultos) e programas religiosos? Temos vivido os "uns aos outros" dentro dos templos, em cultos e programas religiosos? Se sim, ótimo! Temos a igreja independente de onde e como esteja, mas, se não (que é o tenho percebido no cenário institucional da igreja) então é preciso repensar o modo como encaramos o que é "congregar"... é como costumo dizer, congregar(relacionar) não é ficar em média 2 horas olhando para as nucas uns dos outros! :)

    Um forte abraço! Fica na Graça e na Paz de Cristo!

    ------------------------------------------------

    Olá, Pedro...

    Bom, viver a vida cristã sozinho não é impossível... talvez seja mais penoso, sim! Mas, não impossível! Afinal, se você realmente ama a Cristo e portanto faz por onde obedecê-Lo, isso será uma máxima em sua vida independente do contexto (sozinho ou com outros)! Claro, que o apoio e o companheirismo na jornada são de extrema importância e fazem-se necessário para nossa maturidade e crescimento em Deus como família!

    Se passei a impressão de estar sozinho, não foi minha intenção! Na verdade o que penso ter externado é que não "vou à igreja" e geralmente isso faz as pessoas pensarem que se está sozinho! Nada mais fora da realidade, afinal tenho meus companheiros (irmãos) de jornada! Somos uma família, um círculo de vida comum com fluidez e sob o Nome de Jesus! E como você bem expõe, esses Amigos são cobertua espiritual pra mim! E isso não significa que são autoridades ou líderes, mas que são eles que realmente me dão cobertura quando estou fraco, quando preciso do apoio e oração deles... quando preciso de conforto e conselho, quando preciso ser ouvido, quando preciso desabafar meus erros, quando preciso pedir perdão, quando preciso de ajuda... e da mesma forma sou cobertura espiritual para eles! Isso é lindo, é família, é cumplicidade, é Corpo... é Igreja! E como você disse, às vezes é "heresia" e "rebeldia" (rs)! Mas, tenho percebido que logo preconceitos e julgamentos equivocados serão extintos e, não importará o modelo de manifestação da Igreja, todos saberemos que tudo não passa de vaso e não conteúdo! A diferença é que alguns recipientes são mais dotados de "desnecessariedades" (permitam-me o neologismo rs)!

    Um abraço, irmão rocha (trocadilho com seu nome ;P)

    ------------------------------------------------

    Oi, Gisele...

    Não me entenda mal... abandonar a Igreja seria o mesmo que abandonar minha ligação com Cristo ou vice-versa... como sou de Cristo inerentemente faço parte da Igreja, todos e todas que são de Cristo espalhados pela face da Terra.

    É comum essa confusão! Abandonei várias práticas ditas cristãs, sim! Abandonei os templos! Abandonei toda uma subcultura "gospel", sim! Mas, a Igreja não é nada disso! A Igreja não é o frequentar de cultos, templos ou programações religiosas! A Igreja são dois ou três (ou mais) reunidos ao Nome de Jesus Cristo! São dois ou três (ou mais) que vivem uma vida relacional, comum e partilhada por meio de Jesus Cristo! A igreja são dois ou três (ou mais) que entendem-se e consideram-se como família (mesmo que não haja ligação genética ou sanguíne) em Jesus Cristo! E amo a Igreja como tal! Em sua Essência e simplicidade Divinas! E ela muitas vezes está encerrada dentro dos templos, é claro! Mas, Ela não é o templo, nem os cultos, nem as reuniões... como dizem por aí: "a Igreja somos nozes" rs

    Um grande beijo, minha irmã!

    ResponderExcluir
  21. Thiago,
    Li com atenção o seu texto e gostaria de fazer um contra ponto.
    Eu tambem estou lendo o livro e estou gostando, confesso que tambem faço parte dos decepcionados com as instituições humanas.
    Porém, acredito que não podemos ser pastores de nós mesmos. Existem igrejas que são uma benção sim ! Existem pastores, lideres e afins compromissados com Deus sim ! Acredito que Deus conta conosco para que algo novo aconteça no meio evangelico. Não acredito por exemplo que é bom para uma esposa que apanha dentro de casa do marido bebado não frequentar uma igreja simplesmente porque a liderança da igreja está corrompida. Nós que somos amadurecidos na fé podemos até discordar do que está ai, mas temos que ajudar essas pessoas que estão adentrando na igreja a crescerem como nós. Mas se estivermos longe da igreja, como vai ficar ? Temos que ser agentes de transformação, Deus dará a direção !
    Um grande abraço
    Sergio

    ResponderExcluir
  22. Tive e ainda tenho motivos de sobra (reticências, por favor) para deixar de ir à igreja. Me identifiquei bastante com a história do Thiago Mendanha (o blogueiro. parabéns!): tb fui líder, ministro de louvor, mestre de cerimônia (!) etc, etc. Vejo mta coisa errada! Gente ganhando dinheiro e gastando dinheiro pelo ministério x, y e z... Cada absurdo!

    Já passou pela minha cabeça sair da igreja: já fiz até listinha de igrejas pra começar a visitar, depois que "entregar" o ministério que lidero. Mas, saindo ou não de minha igreja... Indo ou não para outra igreja... Eu amo a igreja! (é difícil dizer isso, confesso!)

    Igreja é lugar de gente; gente sonha, critica, sente, chora... o desafio é conviver com essa gente. Pode parecer clichê, mas Jesus morreu por essa gente (das legais às chatas pra caramba!). Quanto às "chatas pra caramba", como disse Jesus: "Elas não sabem o que fazem!"

    Abraços,

    Anônimo (por motivos óbvios) que é cristão, apesar da igreja.

    ResponderExcluir
  23. igreja [com "i" minúsculo] realmente é lugar de gente, e acho que esse foi um dos motivos de eu tê-la deixado. O protótipo de Deus que nos é apresentado é uma coisa surreal! Um Deus vingativo, um Deus que abomina o pecado [juntamente com o pecador]. De todas as igrejas que eu frequentei [e olha que conheci muitas!], ouvia sempre o mesmo discurso vazio e, se questionava o mínimo que fosse do que era dito, era tido como "rebelde" ou "que precisava ter mais intimidade com Deus para ter discernimento". Orava incessantemente pedindo o tal "discernimento" - que acho que nunca recebi, pois até hoje tenho os mesmos questionamentos - e me martirizava de todas as formas se faltava algum culto!
    Estou terminando de ler o livro e, confesso, as vezes sou discriminado [acho que dá pra usar essa palavra...] por não mais frequentar uma igreja. Os ditos "cristãos" acham que fora da igreja não há salvação, e talvez se esquecem que Deus É amor e pode se manifestar da forma como ELE QUISER.
    Saí porque cansei de show... acho que existem muitos shows mais interessantes por aí, que não me farão perder meu tempo com abobrinhas...

    ResponderExcluir
  24. muito bacana seu blog, Thiago.
    o seu post causa uma boa reflexão sobre que tipo de cristãos temos sido. igrejeiros? meros seguidores de homens que arrogam para si o ilimitado (e difícil de ser contido) poder de Deus? congrego em uma igreja dita tradicional (batista) aqui no Tocantins e, apesar da igreja (que amo mesmo - as pessoas), consigo sentir-me bem e servir a Deus, apesar das pessoas e sua natural mania de enquadrar Deus em um método. Acredito no que bem disse o Anônimo logo mais acima. igreja é lugar de gente, ou melhor, de gente doente, e que precisa do Médico dos médicos. Lógico que ele não pode ser encontrado apenas na congregação, mas é na comunhão que a terapia desse grande Médico surte efeito; é no compartilhar de fé que a ação curativa do Espírito Santo de Deus opera. por isso creio que não congregar não é solução melhor que congregar. quanto ao que existe hoje no seio de diversas igrejas é muito do que tenho pensado sobre a unção de Deus ou a primazia (ou exclusividade) na interpretação de sua Palavra.
    já diz o texto bíblico que a verdade divina não é de particular interpretação, ou seja, como entendo, nunca um homem será detentor da verdade a ponto de tomar para si a "unção" plena da Palavra e do Poder de Deus. sou músico (compositor e cantor), jornalista e bastante crítico inclusive dos modos cúlticos e adorativos - tanto os atuais quanto os já consagrados - existentes nas igrejas evangélicas brasileiras. vejo com tristeza o endeusamento de pessoas, tanto no meio midiático cristão - de autores de livros a cantores e seus CDs ditos "ministeriais" - quanto no meio eclesiástico - de pastores, ministros a bispos, apóstolos e profetas. é algo que também nos afasta desse modelo atual da igreja, e que não leva em conta o próprio Deus que ela diz pregar. mas acredito que isto, por si só, daria um outro post, bem mais extenso e não menos polêmico. fica meu parabéns pelo teu blog. continue assim, seja cristão, apesar dos homens e suas instituições.

    Samuel Lima
    http://samuellgb.blogspot.com
    http://tocabatista.blogspot.com

    ResponderExcluir
  25. Graça e Paz..^^

    *li seu post, e todos os 25 comentarios* xD

    tenho 18 anos, penso estar no ápice do questionamento sobre deixar de ir pra igreja (na verdade já o faço). Faz uns 6 meses que não vou à igreja, mais precisamente depois que li o livro "A Cabana", eu comecei a buscar Deus fora da igreja, nas coisas fora da igreja, buscar Deus no meu dia-a-dia, fora o fato de eu tbm ser um questionador da igreja atual. Depois que li seu post, e os comentários vi que não sou o único, mta coisa me esclareceu e mais dúvidas me vieram à cabeça. Sou cristão! Deus me chamou para ser filho, amigo e servo dEle, me tirou das profundezas do vazio da existencia humana para me dar sentido a vida. Nunca deixarei Deus de lado...

    Gostei mto da forma que você abordou sua história, atualmente tbm estou sendo taxado de "rebelde" pelo fato de não querer mais ir a igreja. Sendo que eu não via o "corpo" ali..n via a unidade...e simplesmente apenas as panelinhas.

    tenho mta coisa a falar..mta coisa a discutir..
    mas vou esperar ler o livro primeiro...
    tou lendo:
    O vendedor de sonhos - Chamado.
    Já li a revolução dos anonimos, gostei bastante..nos faz ver melhor o grandioso presente que Deus nos deu: A oportunidade de viver e glorificá-Lo!

    ResponderExcluir
  26. Mano, parece que é chover no molhado dizer as nossas histórias são diferentes, mas nos levaram a conclusões, impressões e atitudes parecidas, portanto vou pular este item.
    Mas é inacreditável que sendo oriunda das mais podres poças de lama e resgatada pelo amor de Deus e ainda que este seja meu testemunho mais repetido, ainda tenha que lutar pra não agir como tantos outros e deixar de congregar.
    Porém o que mais me dói é a mornidão reinante (inclusive e especialmente em meu coração) além de cada palavra que li neste blog que retrata fielmente minhas conclusões a respeito de cada detalhe que mostra a "igreja" o mais distante da Igreja idealizada pelo Jesus da Bíblia.
    A próxima coisa a dizer e não posso aceitar é o descrédito pela Obra de Deus visivelmente clara em vidas como a minha, nossa transformação (ainda em curso) não é obra humana, nenhum homem sem Deus poderia efetuá-la...
    Sim Deus existe na Igreja, pela Igreja, com a Igreja e apesar da igreja...
    Quanto ao livro estou doida pra ler e ainda não encontrei, mas, a semente já foi lançada pelo testemunho.
    Parabéns e continue sendo abençoado e abençoando.
    Paz!

    ResponderExcluir
  27. Oi, Sérgio...

    Realmente existem líderes comprometidos com Cristo e com as pessoas dentro das igrejas institucionalizadas, sim! Não nego e conheço alguns poucos com esse perfil! E são estes servos que, penso eu, serão os vasos de honra para guiar os que estejam adentrando nestas igrejas e levá-los à maturidade espiritual. Acho que uma mulher que apanha do marido bêbado em casa não encontrará amparo apenas por ir à igreja, principalmente se os líderes forem indiferentes à sua situação. Deus queira que lá ela encontre alguém como você que se dispôs a lutar do lado de dentro dos templos. Dou graças a Deus por isso...

    ... mas, do lado de fora também existe uma grande demanda de pessoas que querem Deus e jamais entrarão dentro de uma igreja por motivos diversos! Espero que Deus possa me usar e a outros também! É isso que há de belo Nele, a multiforme sabedoria e criatividade em usar nossas mais vis situações em favor de Sua vontade!

    Um grande abraço!

    ------------------------------------------------

    Olá, Anônimo...

    Fico feliz por seu entendimento de focar as pessoas e sua ciência de que são inerentemente imperfeitas... isso é louvável! É como digo, se Deus tocou seu coração para ser-lhe útil onde quer que seja, então que assim seja!

    Um abraço de quem também é cristão apesar de si mesmo (um membro da Igreja)! ;)

    ------------------------------------------------

    E aí, Victor?!

    Quando o Sistema nos faz mal e faz definhar a nossa alma, realmente não é saudável insistir em bater com a testa com uma estrutura rígida!

    Há irmãos lá dentro que merecem nosso respeito, claro! Mas, o Sistema na medida em que mata o espírito humano e poda o Espírito de Deus, merece todo tipo de denúncia!

    O importante é estarmos vinculados em amor, comunhão e unidade em Cristo Jesus!

    E concordo contigo, existem shows que são mais proveitosos! (rs)

    ------------------------------------------------

    Oi, Samuel...

    Fico alegre por sua sensatez e discernimento! Que você seja luz para todos em sua volta! Obrigado pelo belo comentário!

    Um forte abraço!

    ------------------------------------------------

    Oi, Mirray...

    A revolução está com os jovens! ;)

    Dependa sempre mais de Deus, entregue totalmente à Sua vontade e questione, sim! Pense, reflita, ore, busque... cresça em Graça e Conhecimento... peça Sabedoria do alto!

    Verás que de fato o jugo de Jesus é suave e seu fardo é leve. E há muito que os "homens de Deus" querem impor outros jugos e fardos desnecessários sobre nós e nos taxam de rebeldes quando não o aceitamos!

    Realmente ainda experimentamos um certo preconceito por parte de quem está numa igreja institucionalizada...

    ...mas, os tempos estão mudando... somos nós que vamos, através do testemunho e da vida de Cristo, mostrar ao mundo a Luz de Cristo tanto quanto aqueles que também são Luz e estão dentro dos templos!

    A Igreja do Senhor Jesus pode se manifestar de diferentes formas... a relevância está nas pessoas, sempre!

    Um grande abraço, brother! Fique firme em Cristo, a Rocha... e seja um bela testemunha de Jesus para todos!

    ------------------------------------------------

    Oi, Fanikita...

    Realmente ser cristão fora do conforto e comodidade dos templos, cultos e programações religiosas não é fácil! Passamos a ter maior responsabilidade sobre nossa jornada espiritual... e isso é bom, difícil e gratificante!

    Há várias histórias que convergem nas mesmas conclusões... creio seja o Espírito agindo! E isso me alegra... :)

    Como você bem disse somos obra inacabada... e como tais passamos por momentos de desânimo, mas aprendemos com eles e continuamos firmes no bom combate...

    Um abraço, irmã!

    ResponderExcluir
  28. Eu não consigo entender pq as pessoas tem tanta dificuldades em se relacionar com a igreja ,as pessoas buscam algo que não existe, ficam chateados com Pastor ,com membros,com lideres tudo é motivo para não gostar de ir a igreja.]
    Olha só , a igreja em que frequento é cheia de problemas como qualquer outra ,mas mesmo assim não me vejo deixando de frequenta-la ,qdo por algum motivo eu não vou ao culto sinto falta ,gosto de estar lá ,gosto de ficar com os irmãos ,tem dias que a pregação é ótima outros é um porre ,mas e dai?
    Desde que aceite Jesus como meu Salvador meu alvo sempre foi Ele ,é a Ele quem amo ,quem me alegra sou muito bem resolvida ,já passei muitos perrengues nessa minha caminhada com Jesus ,mas nunca me deixei desanimar e desistir.

    ResponderExcluir
  29. É bom saber que existe uma pessoa que pensa parecido comigo em tudo que você falou acima. Contnuo indo a igreja por uma questão de apoio ao trabalho do pastor, mas eu e minha esposa já existe a consciência de que deixar de ir a igreja é pecado. Este pensar é mais forte em mim do que nela. Irei procurar ler este livro e muito obrigado por toda a sinceridade no texto acima.

    ResponderExcluir
  30. Meu nome é Danillo(Gosto de me identificar!hehehe)
    Parabéns pelo Blog. Mas eu tenho que dizer que estou um pouco triste com uma situação. Vejo muitos reclamando da isntituição igreja( e com razao), mas tenho visto bastante soberba e arrogância no meio desses que tomam tal posição( o que é uma contradição).
    Sofri um tempo ao abrir minha mente. Pensava: Como assim? A 'igreja" era tudo. Mas o mais engraçado é que DEUS tem me chamado pra trabalhar dentro dessas instituições(às vezes parece que minha mente tá dividia, maior loucura).

    ResponderExcluir
  31. Pelo visto em sua trajetória eclesiástica, o lhe faltou foi uma formação identitária necessária à vida comunitária cristã. A sociologia explica isso. Certamente, você tem razão em se decepcionar com as pessoas, elas são assim mesmo, decepcionantes. Penso que aqueles que tem dentro de si convicções sobre o evangelho, devem lutar para que essas convicções (emanadas da revelação bíblica e reflexão inteligente, é claro)sejam vividas com bastante itensidade na comunidade. Mesmo que isso custe caro (a exemplo dos profetas). É isso aí, dito isto, Vamos à luta!

    ResponderExcluir
  32. Meu nome é Rafael. Não sei bem o sentimento que tive ao ler seu texto Thiago,

    primeiro senti-me triste: que tal olhar pra Jesus antes de olhar para as pessoas?! talvez, fazendo assim, vc descubra que apesar de falíveis, as pessoas podem nos ajudar a enxergar melhor o caminho quando nossa visão está um pouco ofuscada pelas intempéries da vida. Afinal, a união faz a força, não é?

    Depois senti-me feliz: apesar de todo o seu discurso "estou-decepcionado-com-as-igrejas", vc parece alguém muito maduro, parece, realmente, ter descoberto a maravilha que é andar com Deus.

    Ao fim da leitura deste livro devemos nos questionar se entregamos nossa vida: a Jesus Cristo ou a igreja pensando que era a Cristo. Em seguida, devemos nos perguntar qual o melhor caminho a se tomar: andar decepcionado e sozinho, ou ter esperança e procurar uma igreja embasada na bíblia e amável.

    ResponderExcluir
  33. Thiago, você teve uma coragem que muitos de nós não temos, preferindo passar uma vida inteira numa instituição religiosa apenas para demonstrar à sociedade que somos crentes, santos, justificados, porém, por dentro, resmungando e murmurando a cada culto, afinal até os cegos conseguem ter uma visão do que ocorre ao seu redor, e a igreja evangélica brasileira, em quase sua totalidade, está muito longe de ser a Noiva citada em Apocalipse, servindo apenas para os interesses de suas lideranças e em detrimento do povo, que só está lá muitas vezes para pagar as mensalidades. Sua atitude é corajosa pq os maiores críticos são os da própria igreja, os que não têm essa coragem e se apegam a ensinos dúbios ao dizer, em outras palavras, que "fora da igreja não há salvação". Que Deus continue lhe abençoando, para que vc continue nos abençoando com suas mensagens autênticas. Fique na Paz!

    ResponderExcluir
  34. Acabo de ler o livro. Muito bom! Há quem espere apenas motivação para sair de igrejas, e se tornar um rebelde, mas este não é o objetivo do livro. Ressalta-se no livro o quanto somos igreja, o quanto "devemos" centrar em Jesus e crescer nessa relação dia após dia.Ele mostra que mesmo igrejas institucionalizadas ainda têm pessoas que buscam a Deus e por isso não devem ser combatidas e o permanecer ou sair de tais lugares é uma decisão que leva tempo e precisa ser direcionada pelo Espírito. O livro é um incentivo à liberdade, não à rebeldia.Obs: Tomei essa decisão há um certo tempo ( sair da igreja e ser igreja) e me sinto livre."Se pois o Filho vos libertar, verdadeiramente sereis livres."

    ResponderExcluir
  35. Oi, Maria...

    não sei bem se você entendeu o texto (ou se leu rs), mas, o que você diz é justamente o que defendo: relacionar como Igreja. Minha crítica é com a instituição que é engolida pelas programações, pelas reuniões, pelas atividades, pela doutrina, pelas regras, pela formalidade e, por fim, a relação entre as pessoas fica obscurecida e limitada à prisão institucional. Se você encontra relacionamento DE VERDADE dentro de uma igreja com paredes, isso é deveras ótimo!

    Um abraço!

    ------------------------------------------------

    Danilo, de fato você tem razão... eu sinceramente me esforço para não soar (ou ser) extremista... confesso que às vezes é bem difícil frente aos absurdos que a gente vê por aí! Mas, não justifica arrogância ou sectarismo de forma nenhuma! Se fui assim neste texto, peço perdão, não é minha intenção...
    E fico feliz por saber que você é um missionário "dentro da igreja"... precisamos muito de tais!

    Abração!

    ------------------------------------------------

    Oi, Rafael...

    você está coberto de razão... nosso foco deve ser sempre Cristo! No mais, diria que não desvio esse foco por causa das pessoas, que são imperfeitas, mas, confesso que ver Sistemas massacrando pessoas, ah, isso sim me deixa "aperreado" como diria nossos irmãos nordestinos! rs

    Mas, procuro sempre manter a mente voltada para a vontade de Cristo apesar dos pesares e indiferente de meus fracassos às vezes!

    Um forte abraço!

    ------------------------------------------------

    Olá, Estrangeira...

    não posso acrescentar mais nada a seu comentário! Apenas reforço... :)

    Grande abraço!

    ------------------------------------------------

    Oi, Vivi'S Chagas...

    Realmente você chamou a atenção para um detalhe de suma importância! Para os rebeldes sem causa, o livro não é um respaldo, mas, um puxão de orelha! Os autores nos convidam a repensar nossa concepção de Igreja e como temos praticado esse viver! Se dentro de uma instituição ou fora dela, temos sido os mesmos vermes frutos do Sistema do Homem, não há diferença alguma no proceder como Igreja!

    Grande abraço!

    ResponderExcluir
  36. Fala Thiago!

    To lendo...to na página 72 e já to recomendando pra tanta gente que perdi as contas...

    O assunto abordado é realmente impressionante!
    Saca quando vc lê uma coisa e pensa: "Cara, é isso! eu sempre pensei dessa forma mas não conseguia descrever!"
    E isso acontece também pra sua linha de raciocínio...(Que Deus continue te usando...)
    To fuçando muito nos blogs...acompanho bastante o trabalho do Caio Fabio e na boa...

    Não é possível que estejamos errados em nos posicionar contra toda essa palhaçada que virou a "igreja".

    Acho que está começando uma revolução...tudo isso vai mudar em breve...to percebendo muita gente descontente...muito escândalo...sempre tem (eu sei...) aquelas pessoas que insistem no erro...mas as pessoas estão ficando mais bem instruídas!

    Precisamos estar cada vez mais próximos de Cristo...caminhando juntos com Ele...e aprendendo sempre...indo na contra-mão do "sistema"

    deixo pra pensar uma simples frase que li em algum lugar e anotei...

    "Para obter algo que você nunca teve, precisa fazer algo que nunca fez"

    Abração

    Marcelo

    ResponderExcluir
  37. Thiago

    Caracas
    Quem te autorizou a narrar a história da minha vida??? rsrsr

    Abraços!

    ResponderExcluir
  38. Neemias,

    Incrivelmente nossas histórias são afins a de muitos outros... pena nem todos chegarem à mesma conclusão! Ou se achegam mais a Cristo ou acabam chutando o balde e vivendo o pecado...

    Abração

    ResponderExcluir
  39. Me identifico muito com seu texto, interior de Goiás, manipulação, poder, disputas, divergências, divisões, modismos, falsidade, mentira, soberba, autoritarismo, egoísmo, hierarquia, camadas de poder, abusos, oportunismos, alienação, ritualismo, enganação, etc, etc...
    Ainda não li o livro indicado mas como membro de uma igreja tenho uma filosofia: Olhar para fora da igreja, pois lá existem pessoas que precisam mais de nós! Assim não ficamos cegos e acostumamos com tanta coisa desagradável.

    ResponderExcluir
  40. É mano. Apesar das histórias serem muito diferentes, a conclusão foi a mesma. Abraço.

    ResponderExcluir
  41. Olá, Thiago...Acho q vc já se acostumou a ouvir q sua história é igual a de muitos, mas não posso deixar passar a oportunidade de dizer a mesma coisa e creio q a contagem só vai aumentar, o que prova q muitos estão despertando e abrindo os olhos para praticas que não são cristãs legitimamente. Fico feliz por encontrar seu blog, ele é um eco daquilo q todos os decepcionados com instituições humanas estão sentindo, eu incluso, e vou acompanha-lo.Também tenho um blog (trincheiraespiritual.blogspot.com) no qual reproduzo minhas divagações.Embora não tão produtivo quanto o seu, creio q, como outros tantos, buscamos a mesma coisa: uma espiritualidade sadia sem traquejos de religião.Creio q é a hora para isso.O mundo precisa saber q o Evangelho não depende de prédios suntuosos ou homens carismáticos e megalomaníacos.O Evangelho é simples porque seu Autor foi o mais simples dos homens, apesar de ser DEUS.Tudo que deveríamos aspirar é ser simples como Ele.Mas, como sempre, nós complicamos tudo.
    Não devemos desistir da Igreja, como Corpo, mas continuar procurando sua expressão correta na Terra. Se nos movermos nessa direção, cedo ou tarde Ele nos conectará com as pessoas certas.
    O mais difícil é que esse é um caminho pouco batido e quem entra por ele passa por muita solidão e incompreensão. Tá difícil achar pessoas q pensem dessa forma por aqui. Vc sente a mesma coisa?
    Não li o livro q vc citou, mas vou procurar mais informação. Li um livro do Frank Viola chamado "Cristianismo Pagão". Esse vai bem fundo na ferida e aponta para a "criatividade" do homem nas práticas cristãs atuais. Recomendo.

    Ah, eu também posso dizer que tomei a pílula vermelha....

    Prazer em conhece-lo, amigo!

    ResponderExcluir
  42. Olá, caro Aldo...

    Acho que o ideal é que nossas histórias fossem bem pouco recorrentes, mas infelizmente é a realidade nua e crua!

    Mas, sempre fico feliz quando encontro gente que sobrevive e se entrega a liberdade de Cristo em compromisso, serviço e amor!

    Realmente ainda somos poucos, mas as coisas estão mudando... as pessoas estão acordando e aos poucos celebraremos a liberdade sobre a religião!

    Abraços, brother!

    ResponderExcluir
  43. Creio que devemos ter o cuidado de observar que esse livro tem uma mensagem muito linda, mas não considero um livro que suplante os ensinamentos do verdadeiro livro que nos trouxe o conhecimento de Cristo, A Bíblia! Esse sim deve ser nossa luz. Concordo com um post anterior onde o autor coloca que nos foi mandado congregarmos como corpo de Cristo com outros irmão na fé. Sempre atentos e examinando tudo à luz da Bíblia, que também nos alertou sobre a apostasia da igreja (física-humana), bem como das investidas do espírito do anti Cristo que já está no mundo e cada vez mais se manifestará com a proximidade da segunda vinda do Messias Jesus Cristo. A Paz do Senhor aos irmãos da igreja invisível do nosso salvador.

    ResponderExcluir
  44. jOAO OTERO
    • - A ÚNICA coisa a dizer É QUE não posso aceitar é o descrédito pela Obra de Deus visivelmente clara em vidas como a minha, nossa transformação (ainda em curso) não é obra humana, nenhum homem sem Deus poderia efetuá-la...
    Sim Deus existe na Igreja, pela Igreja, com a Igreja e “apesar”(?) da igreja... ENTÃO, A QUESTÃO, É O QUE É A IGREJA?
    • OU, O QUE A IGREJA NÃO É?

    • A IGREJA NÃO É SISTEMA ECLESISÁSTICO!
    • PASTOR NÃO É POSIÇÃO E SIM FUNÇÃO!
    PASTOR NÃO É TÍTULO E SIM UNÇÃO A SERVIÇO DO CORPO DE CRISTO E CRESCE O CRESCIMENTO DO CORPO.. (o corpo, suprido e bem vinculado por suas juntas e ligamentos, cresce o crescimento que procede de Deus.) SÓ EXISTE UM CABEÇA. A “IGREJA” HOJE É UM BICHO DE SETE CABEÇAS

    ResponderExcluir
  45. JOAO OTERO
    PASTOR NÃO É TÍTULO E SIM UNÇÃO A SERVIÇO DO CORPO DE CRISTO E CRESCE O CRESCIMENTO DO CORPO.. (o corpo, suprido e bem vinculado por suas juntas e ligamentos, cresce o crescimento que procede de Deus.) SÓ EXISTE UM CABEÇA. A “IGREJA” HOJE É UM BICHO DE SETE CABEÇAS
    • O QUE CRESCE DESORDENADAMENTE NO CORPO É CANCER!
    LEIA: COLOSSENSES 2.6 Ora, como recebestes Cristo Jesus, o Senhor, assim andai nele,
    ________________________________________
    2.7 nele radicados, e edificados, e confirmados na fé, tal como fostes instruídos, crescendo em ações de graças.
    ________________________________________
    2.8 Cuidado que ninguém vos venha a enredar com sua filosofia e vãs sutilezas, conforme a tradição dos homens, conforme os rudimentos do mundo e não segundo Cristo;
    ________________________________________
    2.9 porquanto, nele, habita, corporalmente, toda a plenitude da Divindade.
    ________________________________________
    2.10 Também, nele, estais aperfeiçoados. Ele é o cabeça de todo principado e potestade.
    ________________________________________
    2.11 Nele, também fostes circuncidados, não por intermédio de mãos, mas no despojamento do corpo da carne, que é a circuncisão de Cristo,
    ________________________________________
    2.12 tendo sido sepultados, juntamente com ele, no batismo, no qual igualmente fostes ressuscitados mediante a fé no poder de Deus que o ressuscitou dentre os mortos.
    ________________________________________
    2.13 E a vós outros, que estáveis mortos pelas vossas transgressões e pela incircuncisão da vossa carne, vos deu vida juntamente com ele, perdoando todos os nossos delitos;
    ________________________________________
    2.14 tendo cancelado o escrito de dívida, que era contra nós e que constava de ordenanças, o qual nos era prejudicial, removeu-o inteiramente, encravando-o na cruz;
    ________________________________________
    2.15 e, despojando os principados e as potestades, publicamente os expôs ao desprezo, triunfando deles na cruz.
    ________________________________________
    2.16 Ninguém, pois, vos julgue por causa de comida e bebida, ou dia de festa, ou lua nova, ou sábados,
    ________________________________________
    2.17 porque tudo isso tem sido sombra das coisas que haviam de vir; porém o corpo é de Cristo.
    ________________________________________
    2.18 Ninguém se faça árbitro contra vós outros, pretextando humildade e culto dos anjos, baseando-se em visões, enfatuado, sem motivo algum, na sua mente carnal,
    ________________________________________
    2.19 e não retendo a cabeça, da qual todo o corpo, suprido e bem vinculado por suas juntas e ligamentos, cresce o crescimento que procede de Deus.
    ________________________________________

    ResponderExcluir
  46. • A IGREJA NÃO É CATÓLICA APOSTÓLICA ROMANA, OU I.U.R.D.ICA (PAPA OU EDIR MACEDO). ELA NÃO É MODELO HUMANO. O SEU NASCEDOURO É DE CIMA NO BATISMO DO ESPÍRITO SANTO E NÃO ORIUNDA DA HISTORIA HUMANA COM SEU NASCEDOURO AQUI EMBAIXO , SENDO DE PEDRO OU QUALQUER OUTRO FUNDADOR BATISTA, METODISTA PRESBITERIANO.......
    • A IGREJA NÃO É PASSSIVA E CONFORMISTA! ELA É PROTESTANTE E GUERREIRA. O SEU CAVALEIRO SAIU VITORIOSO E PRA VENCER (APC 6.2).
    • A IGREJA NÃO SE CORROMPE OU É DEGRADA. ELA NÃO É UM AJUNTAMENTO DE SERPENTES E ESCORPIÕES. NÃO É INSTITUIÇÃO HUMANA ONDE TEM UM “PASTOR” OU PADRE COMO CHEFE E SEUS SUBORDINADOS, IGUAIS OS LACAIOS, POLÍTICOS DE BRASILIA. – ELA É UMA ECLÉSIA – CHAMADA PARA FORA DO MUNDO. LOGO SEU REINO NÃO É DESTE MUNDO. ELA NÃO SE ENVOLVE COM A POLÍTICA DESTE MUNDO. PODE TER DANIEL E NÃO A IGREJA COMO UM PROJETO POLÍTICO DE GOVERNO HUMANO!
    Sim Deus existe na Igreja, pela Igreja, com a Igreja e “apesar”(?) da igreja... ENTÃO, A QUESTÃO, É O QUE É A IGREJA?
    • OU, O QUE A IGREJA NÃO É?
    • A IGREJA NÃO É SISTEMA ECLESISÁSTICO!
    • PASTOR NÃO É POSIÇÃO E SIM FUNÇÃO!
    PASTOR NÃO É TÍTULO E SIM UNÇÃO A SERVIÇO DO CORPO DE CRISTO E CRESCE O CRESCIMENTO DO CORPO.. (o corpo, suprido e bem vinculado por suas juntas e ligamentos, cresce o crescimento que procede de Deus.) SÓ EXISTE UM CABEÇA. A “IGREJA” HOJE É UM BICHO DE SETE CABEÇAS
    • O QUE CRESCE DESORDENADAMENTE NO CORPO É CANCER!
    LEIA: COLOSSENSES 2.6 ATÉ 19
    • TENHO DITO!

    ResponderExcluir
  47. Thiago identifiquei-me um pouco com sua trajetória embora não tenha frequentado por tanto tempo assim tantas igrejas. Cresci na igreja católica, decorando orações e credos que até hoje sei de cor. Depois que me casei não frequentei mais a igreja, embora minha filha tenha sido batizada em 1991, ano que nasceu. Tenho 3 fiéis na minha família. A principal dela, acredito ser mais beata, é minha mãe. Sentimos nela pouca vivência em Deus. Não houve crescimento espiritual. Há alguns anos conheci a Batista da Bíblia, para surdos e seus familiares, pois minha filha, portadora de necessidades especiais não desenvolveu a fala, portanto a fono lhe introduziu a linguagem de sinais embora escute 100%. Entretanto já uns 4 ou 5 meses não frequento mais. Meu marido não quis mais frequentar aos domingos, pois queria descansar e acabei ficando desestimulada. Mas minha amizade com Deus, sinto que precisa ser mais estreitada. Sinto falta de um tempo só com ele e isso somente se faz com oração. A igreja é formada por paredes, se não houver fé nas pessoas lá dentro e comunhão, não será igreja. Abraços pra você. Deise Franco

    ResponderExcluir

Fico muuuuuuuito feliz com a iniciativa de deixar seu comentário. Aqui você pode exercer sua livre expressão e opinião: criticar, discordar, concordar, elogiar, sugerir... pode até xingar, mas, por favor, se chegar a esse ponto só aceito ofensas contra mim (Thiago Mendanha) e mais ninguém, ok? rs